Bruno de Carvalho

“No momento em que mais precisei, os sportinguistas viraram-me as costas”

Bruno de Carvalho, ex-presidente do Sporting, “tinha a certeza que um dia” chegaria a esse lugar e seria “extremamente popular”. “Não me apercebi que estava a caminhar para um beco sem saída”, admite.
Foto
Daniel Rocha

Bruno de Carvalho não aceita ter desbaratado o sonho de uma vida por culpa própria. Admite erros, com os quais diz ter aprendido, mas considera que nunca justificariam o seu afastamento tendo em conta tudo o que fez de bem ao clube. Numa conversa com o P2 de quase quatro horas, resumida nesta entrevista, o destituído presidente do Sporting tenta justificar como a glória se transformou em desgraça em curtos 126 dias, o tempo desde que passou de líder aclamado por 90% dos sócios a um homem isolado, destituído e abandonado pelos membros dos próprios órgãos sociais que fez eleger, incluindo a sua direcção. Agora, quer que lhe seja dada uma segunda oportunidade.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Está convicto de que foi montada uma enorme conspiração para o afastar do Sporting?
Acredito cada vez mais que a vontade interna e externa para eu sair foi muito grande e acho que tudo isto foi um plano muito bem pensado e muito bem feito desde o início deste ano. Houve muitos interesses em que eu mexi.

Tinha o apoio da esmagadora maioria dos sportinguistas como ficou demonstrado na assembleia geral (AG) de 17 de Fevereiro, onde obteve 90% dos votos para a sua continuidade.
Obtive o que não queria. Não queria ter ganho essa AG para poder ir a eleições e mudar todos os elementos dos meus órgãos sociais. Na altura, obriguei-os a serem solidários, a ideia era que saíssemos todos e não apenas a direcção [se não obtivessem 75% dos votos para as alterações aos estatutos, regulamento disciplinar e continuidade dos órgãos sociais]. Andaram a negociar comigo percentagens para ver se eu diminuía a expressão de apoio que exigi. Verifiquei que havia ali um apego ao poder tremendo.

De quem em concreto?
De Jaime Marta Soares [presidente da Mesa da Assembleia Geral], como é óbvio. E de todas estas pessoas que não tiveram nenhum pejo em não defender, neste momento, a democracia e a pluralidade do Sporting. A AG de dia 23 de Junho que me destituiu foi ilegal. Ninguém ouviu a nota de culpa que me era imputada. As pessoas votaram sem saber.

Mas ao ir a essa AG e votar não acabou por a legitimar?
Nada, zero. Estive lá porque não estava a ser dada minimamente a informação às pessoas sobre o que estavam a votar. Houve muita gente que votou no ‘sim’ para destituir para que eu pudesse mudar a minha equipa e voltar a legitimar-me; outros votaram ‘sim’ sem se aperceberem que havia uma nota de culpa que recaía sobre mim. Mas o linchamento público já estava feito por Jaime Marta Soares, que abriu as urnas ainda antes de começar a falar. Aquilo que quis foi ir à AG falar, o que me foi impedido, acalmar as pessoas. Tentei apaziguar e não legitimei absolutamente nada.

Foto
"O que acontece na Academia é um reforçar do desespero dos sportinguistas por terem acabado em terceiro lugar" Daniel Rocha

No post que publicou no Facebook durante a madrugada que se seguiu [apagado parcialmente algumas horas depois] não criticou a legitimidade da AG mas sim a ingratidão dos sócios que o destituíram.
Eram cinco horas da manhã e estava a olhar para a minha família a tentar perceber os cinco anos e meio em que lhes fiz falta… Uma pessoa chega a uma certa altura e diz que isto não é o Sporting. Esta foi a maior atitude pidesca de linchamento público que eu vi na minha vida e houve uma ingratidão grande para quem deu a alma e o corpo 24 horas por dia. Os resultados [na AG] não foram aqueles, mas mesmo que tivessem sido 51%-49% há muita ingratidão quando se aceita a nota de culpa que quase me chama criminoso. E ninguém sabe qual é.

Foi uma precipitação esse post?
Vou contar-lhe como vivi essa madrugada antes de publicar o post. Cheguei a casa por volta da uma e tal da manhã e a minha filha mais velha, que tem 15 anos e é uma sportinguista ferrenha, perguntou-me: ‘Estás a ver pai? Valeu a pena? Eu também precisava de ti nestes sete anos. Nunca te vou virar as costas e o Sporting virou-te as costas’. A minha filha, com quem tenho uma relação muito especial, ter-me dito aquilo pesou-me. Estive a pensar pela noite fora e às cinco da manhã escrevi aquilo. Foram três horas de sentimento de grande ingratidão. Mas há uma coisa que escrevo no post que não apaguei e não elimino e que se está a provar hoje: o Sporting não é dos sportinguistas, está tomado de assalto.

Muitos o responsabilizam por isso.
O Sporting tem um drama que eu tentei resolver durante cinco anos e meio e não consegui. É o clube dos grupos e grupinhos, que não sabe aproveitar a experiência e estabilidade. O Luís Filipe Vieira demorou seis anos a ganhar o primeiro campeonato e está lá há 15 anos ou mais; o Pinto da Costa está há 30 e tal anos…

Mesmo sem ganhar campeonatos foi tendo um apoio crescente…
Mas foi o futebol que causou tudo isto.

Alguma vez acreditou que poderia ser destituído?
Nunca me passou pela cabeça que os sportinguistas me podiam tirar do Sporting. Acho que é a coisa mais injusta, mais descabida, digna de ser um caso de estudo. Há tantos erros piores do que aqueles que me apontam feitos por tantas pessoas em lugares de chefia.

Voltando um pouco atrás, queria que a direcção caísse nessa AG de 17 de Fevereiro sem ser por sua iniciativa. É isso?
Exactamente. Seria uma decisão dos associados. Iria conseguir que todos os órgãos se demitissem e marcar novas eleições, ter uma nova equipa e continuar o meu trabalho de forma a não me sentir isolado, desapoiado e com o Sporting abandonado.

Uma manobra muito ardilosa…
Não era mais ardiloso e até era mais honesto do que fazer uma AG totalmente ilegal e manipulada para me destituir. Eu fui claro nessa AG de Fevereiro. Tão claro que no meu discurso a primeira coisa que disse foi que eu iria votar ‘não’ a tudo.

Daniel Rocha

Nas eleições de Março do ano passado teve uma vitória esmagadora com 86% dos votos e alcançou uma legitimidade rara no Sporting. Reforçou-se a 17 de Fevereiro. Como é que em apenas três meses desbaratou todo este capital de apoio?
Não foram três meses. Na verdade sentia alguma falta de militância apesar de todo esse apoio. Sentia que tudo aquilo que estava à volta era falso e que a única pessoa que remava no sentido do projecto idealizado em 2011 era eu. Era um projecto muito pessoal e as pessoas sempre me viram a mim sozinho em tudo. Era até criticado por ser um déspota porque as pessoas não apareciam. A minha direcção estava demasiado habituada ao meu trabalho, 24 sobre 24 horas.

Mas não poderia ter mudado a sua equipa nas eleições de 2017?
Tem toda a razão, foi um erro.

A ideia que ficou é que estava sempre presente sozinho para receber os méritos do bom trabalho da sua gestão e nos sucessos desportivos, mas quando as coisas corriam mal apontava o dedo. Não era assim?
Diga-me lá um momento mau em que eu apontei o dedo a alguém.

Após a derrota da equipa frente ao Atlético de Madrid [5 de Abril], por exemplo. Num dos seus famosos posts no Facebook chega a referir os erros individuais.
Esse não foi um apontar o dedo a nada. Foi uma estratégia absolutamente pensada e que levou a seis vitórias consecutivas da equipa. E só não atingimos o último dos objectivos que restava, que era o segundo lugar do campeonato, por um jogo. A verdade é que eu tinha um balneário quebrado e não era por causa do presidente. E tive de arranjar um factor de união.

Normalmente arranjam-se inimigos externos para unir o grupo, mas encontrar um inimigo interno e ser o próprio presidente é uma novidade.
Não inventei a roda. O Pep Guardiola já fez exactamente o mesmo na sua equipa.

Mas ele é treinador não é presidente de um grande clube.
Se calhar tem mais qualificações para presidente do que todos os outros candidatos que se apresentam às eleições no Sporting.

Deve então concluir-se que se a equipa tivesse vencido em Madrid teria sido um problema porque não teria a oportunidade de voltar a unir o balneário?
Vou-lhe dizer uma coisa: tínhamos um problema grave. Tentei resolvê-lo várias vezes e foi uma das coisas que mais me frustrou. Procurei junto do treinador e dos jogadores a união e não consegui. Já que perdemos, senti que havia uma oportunidade de unir o balneário. Agora admito também que houve alguma frustraçãozeca pela derrota e pelos erros nesse jogo, mas não tem a ver com o ser um presidente-adepto. A espiral que se seguiu foi provocada pelo post dos jogadores [no Instagram, a criticarem a falta de solidariedade do presidente].

Deslumbrou-se com o apoio esmagador dos sócios na AG de Fevereiro e arriscou um braço-de-ferro com a equipa de futebol na expectativa de o ganhar?
Não me deslumbrei absolutamente nada, antes pelo contrário. Nunca, jamais, em tempo algum faria nada assim. Eu, de facto, deveria ter apresentado a minha demissão em Fevereiro quando percebi tudo aquilo que me rodeava. Não quis fazer isso aos sportinguistas.

Foi também por motivos estratégicos que publicou um outro post no Facebook onde apelidava os jogadores de ‘crianças mimadas’ e os ameaçava com processos disciplinares?
Deve estar a cometer alguma confusão e vou tentar ajudar. Essa decisão foi tomada por um conselho de administração.

Os restantes administradores da SAD sabiam que iria publicar essa mensagem?
A decisão foi tomada por um conselho de administração, que decidiu avançar com os processos disciplinares. E se tivéssemos alcançado a última vitória [na Madeira com o Marítimo, na última jornada do campeonato, que garantiria o segundo lugar e a possibilidade de lutar por um lugar na Liga dos Campeões] em vez de uma besta era considerado bestial. Este post não teria tido interesse nenhum e eu teria alcançado os meus objectivos.

Foto
Daniel Rocha

Não se arrepende ainda hoje dessas duas mensagens? Na altura, Eduardo Barroso chegou a sugerir que não estaria bem, por motivos pessoais. Não foi uma precipitação da sua parte?
Não. Este é o reconhecimento de que nós somos o povo que somos e as pessoas não gostam da diferença. Se a pergunta é se eu voltaria a utilizar todos os meios legais que estivessem ao meu alcance para conseguir atingir os meus objectivos de evitar que o Sporting perdesse umas dezenas largas de milhões de euros, a resposta é: provavelmente sim. Mas decidimos retirar os processos disciplinares e obtivemos as vitórias na mesma. Foi o que conseguimos. Apostei e faltou-me uma vitória.

Não reconhece que foi excessivamente duro na mensagem logo após a derrota de Madrid?
Eu também critiquei os jogadores cara-a-cara em Chaves. E vou dizer o que disse dentro do balneário. Fiquei perplexo com o empate e fiquei parado a olhar para os adeptos do Sporting e só pensava: ‘Mas como é que eu não consigo dar felicidade a estas pessoas.’ Cheguei ao balneário e disse: ‘Mas como é que isto é possível, como é que isto se faz aos adeptos, há pessoas que fizeram 600 km para ver o jogo. É preciso ter algum respeito. O jogador desta equipa que ganha menos dinheiro ganha mais do que a equipa toda do Chaves’. E a mim os jogadores responderam-me: ‘nós queremos é que os adeptos vão para o…’ E é por isso que eu respondo dessa forma [no segundo post do Facebook onde diz que os jogadores são ‘crianças mimadas’], afirmando estou farto de brincadeiras.

E na altura não houve processo disciplinar a nenhum jogador?
Mas ainda há pior, porque eu saí do balneário e os adeptos estavam todos irritados à espera dos jogadores. E eu, apesar de estar super-chateado com os jogadores por causa desse comentário, pelo jogo, por tudo, vou lá afastar as pessoas, algumas com canivetes e digo-lhes: ‘Eu sou o responsável máximo. Com os jogadores não falam, falam comigo’. E o mesmo jogador, quando eu estava a tentar acalmar as pessoas com facas na minha barriga, é chamado e volta a dizer: ‘eu quero é que vocês vão… para o alho’.

E avançou com um processo disciplinar ao jogador?
Pediram-me por tudo para não o fazer. A equipa técnica e a administração. Mas, nesse momento, se calhar, atingi um limite de paciência. Talvez por aquilo que estava a passar pessoalmente, talvez por me sentir cada vez mais só dentro do Sporting, talvez porque mandava mensagens para os jogadores a dizer: ‘Por amor de Deus estou a lutar pela vida de uma filha, tenho três filhas, não me façam uma coisa dessas.’ E eles a borrifarem-se. Esse post que escrevi [das “crianças mimadas”] lido da forma como o leu e sem saber estas coisas admito que seja completamente incompreensível. Visto assim tem toda a razão. Já o post anterior, a seguir ao jogo de Madrid, não tinha interesse nenhum. Este é um acumular de situações, porque não aconteceu só dessas vezes.

A relação de proximidade com os jogadores foi um erro?
Completamente, completamente. Tirei um autêntico MBA nestes anos acerca dessa matéria. Foi uma proximidade gravíssima. Já percebi o que de bem e de mal fiz e a proximidade foi um erro. O ‘tu cá tu lá’ foi um erro.

Como recorda o momento em que foi vaiado quando vai para o banco no jogo com o Paços de Ferreira em Alvalade?
Com a maior angústia que podia viver na minha vida. Já imaginava, porque disse à minha mulher para não ver o princípio do jogo. Imaginaria algumas assobiadelas, preparei-me para isso. Aquela manifestação foi absolutamente concertada, mas os assobios foram algo genuíno. Mas quero dizer que não tive nenhum esgotamento, lembro que tive uma filha que poderia ter morrido. Andei a lutar pela vida dela desde 30 de Dezembro até ao dia a seguir ao jogo com o Paços de Ferreira.

O maior inimigo que encontrou no Sporting foi o próprio Bruno de Carvalho?
Não. Eu sou um crítico de tudo e sou uma pessoa que passa a noite toda a pensar como poderia fazer mais e melhor. Sou um terrorista para mim próprio porque não tenho limites naquilo que é o trabalho e por isso é que o Sporting chegou onde chegou.

Conseguiu alguma vez encontrar o equilíbrio entre o presidente e o adepto?
Não consigo perceber a sua pergunta. Se não for adepto do Sporting que sentido é que faz ser presidente.

As críticas públicas aos jogadores poderão ter sido um mau exemplo para os adeptos mais radicais, como se veio a verificar, culminando com o ataque à Academia. Não encontra aqui uma relação causa-efeito?
Não. A causa-efeito é não me deixarem ir a eleições, porque eu provava-lhe que estava enganado. Quando visse os resultados iria ter vergonha.

Se não tivesse publicado esses posts a criticar os jogadores teria acontecido o que aconteceu na Academia?
Teria, de certeza absoluta.

O passado do Sporting dá-lhe essa garantia? Um presidente do clube nunca tinha criticado desta forma os jogadores e nunca ocorrera um ataque como este a uma Academia. Foi uma coincidência?
Na direcção anterior os jogadores eram vigiados. As mensagens e as namoradas eram vigiadas. Eles eram ameaçados até em casa. Não me venha falar de presidentes e de ameaças. Os jogadores disseram-me que o tempo em que estiveram comigo foi aquele em que se sentiram mais seguros.

Refiro-me apenas aos últimos meses e não a toda a sua presidência. Neste curto período ocorreram situações que precipitaram os acontecimentos. Não concorda?
Se houve seis vitórias [da equipa após as críticas no Facebook] com seis voltas olímpicas [dos jogadores aplaudidos nos estádios] onde é que está a animosidade com os jogadores? Bastava que houvesse mais uma vitória e eu de besta passava a bestial.

Imaginemos que houvesse essa vitória, os jogadores não iriam rescindir?
Ninguém rescindiria nada porque tudo isto foi pensado ao milímetro. Com um bom resultado no campeonato ninguém iria fazer aquele acto à Academia porque não fazia sentido. Tudo isto faz-me lembrar a tempestade perfeita. Bastava termos ficado em segundo lugar e não tinha acontecido nada, nada. Não tenho dúvida nenhuma. O que acontece na Academia é um reforçar do desespero dos sportinguistas por terem acabado em terceiro lugar. E tenho de perceber isto enquanto presidente, porque eu estou lá para lhes dar alegrias. Nunca me deslumbrei, nunca quis poder, sempre tive um sentido de missão.

Em termos “políticos” qual seria a atitude lógica depois de um ataque como este à Academia?
[Silêncio] Posso dizer-lhe que se fosse a Procuradoria-Geral da República já teria intervindo porque está uma pessoa a ser absolutamente linchada publicamente; se fosse a FIFA já deveria ter intervindo porque isto alterou todos os paradigmas do futebol: agora paga-se 100 milhões por um jogador e ele paga 100 mil euros a alguém para lhe dar um par de estalos e vai-se embora.

Foto
"Nunca me passou pela cabeça que os sportinguistas me podiam tirar do Sporting. Acho que é a coisa mais injusta, mais descabida, digna de ser um caso de estudo" Daniel Rocha

Já houve pontes que caíram e que fizeram demitir ministros, apesar de não terem responsabilidade directa…
Se fosse secretário de Estado ou o presidente de uma federação aquilo que tinha feito perante o que aconteceu era um telefonema ao presidente do Sporting a demonstrar a minha solidariedade por um acto na casa dos sportinguistas.

Como presidente do Sporting não deveria ter apresentado a demissão?
[Silêncio] Não e já me deu a resposta. Eu faço-lhe uma pergunta: morreram cento e tal pessoas no ano passado nos incêndios e caiu o António Costa?

Mas ninguém foi demitido ou responsabilizado no Sporting. Porquê?
Como é que sabe se ia cair alguém? Nós estávamos a fazer um relatório. Não se podem comparar situações em que existem relatórios oficiais que avisam para iminência de uma tragédia com algo que nunca tinha sucedido.

O relatório foi concluído?
Não conseguimos concluir. Acho que isto foi uma tramóia tão grande que eu só espero que a polícia consiga chegar lá [aos responsáveis] o mais rapidamente possível.

Ao não apresentar a demissão nessa altura não se terá deixado “cozer em lume brando” para o processo que culminou com a sua destituição?
Está a esquecer-se que eu tinha um clube e uma SAD para gerir. E se fizesse isso iria dar razão à justa causa para a rescisão dos jogadores, sendo que o Sporting não teve culpa nenhuma naquilo que se passou.

Não antecipou a tempestade perfeita que se estava a formar sobre si?
Não consegui. Não tive capacidade para estar a gerir o Sporting num momento de crise terrível, parar e perceber que estava de facto – e aí sim –, a ser ‘cozido em lume brando há meses’. Houve muita impulsividade mas também houve o aproveitamento disso por parte de muita gente. Estava tão embrenhado no trabalho que não consegui ter o discernimento para perceber algumas coisas que se estavam a passar, para perceber os efeitos que outras podiam ter e para perceber que estava a caminhar para um beco sem saída. Espero que a lei impere, que eu consiga ir a eleições e que os sportinguistas me dêem uma segunda oportunidade que acho que é mais do que merecida. Se ela me for dada, não se vão arrepender.

Está mais bem preparado hoje para presidir o Sporting do que estaria em 2011, 2013 ou 2017?
Sim, muito melhor preparado. Estes três meses foram absolutamente fulcrais para ter um conhecimento ainda mais profundo daquilo que é o Sporting, do que é necessário fazer-se, os limites que devem ser criados e até onde vão os poderes que estão instalados no clube.

O Carlos Vieira comunicou-lhe que iria avançar com uma candidatura com outros ex-membros da sua direcção?
Nem sequer me atendeu o telefone ou respondeu a mensagens.

Era o seu braço-direito na direcção do clube e na SAD…
As pessoas na vida têm de ter personalidade e carácter. Quando uma pessoa não vem cara-a-cara falar consigo e dizer o que tem para dizer, seja de bom ou de mau, para mim está tudo dito e não vou falar mais sobre o Carlos Vieira.

Imaginemos que iria a eleições e vencia. Como é que conseguiria unir os sportinguistas depois de tudo o que se passou?
As pessoas não precisam de caminhar à minha volta, mas sim à volta do Sporting. A única coisa que é preciso para haver união e coesão é continuar com os bons resultados e dar alegrias aos adeptos. Continuar a investir nas modalidades e colocar de vez a SAD nas mãos dos associados.

Convidar Jaime Marta Soares para presidente da Mesa da Assembleia Geral [MAG] foi o seu grande erro?
É a pessoa a que eu e a minha família temos mais asco. Como ser humano é um verme. Foi-me indicado por outra pessoa execrável que se chama Artur Torres Pereira [actual presidente da comissão de gestão que gere o clube]. Coincidências, ou não. Não vou dizer que não fui avisado que Jaime Marta Soares não era um homem de confiança, que facilmente atraiçoava pessoas.

Mesmo assim convidou-o?
Quando se fala com ele acha-se mesmo que se está perante uma pessoa 100% leal e amiga. Um ‘coelhinho da Páscoa’. Mas tinha sido membro da Associação Nacional de Municípios, pensei que poderia ser um homem excelente para a expansão dos núcleos, pelos seus contactos. Fazia sentido na altura.

Acabou por ficar completamente isolado mesmo pela sua direcção que ficou consigo até à destituição. Não tem responsabilidades nisto?
Na sua teoria eu sou como aqueles pais que foram ver o filho marchar pela primeira vez e a mãe diz ao pai: ‘Estás a ver, o nosso filho é tão inteligente que estão todos a marchar da esquerda para a direita e ele da direita para a esquerda’. Este é o seu comentário.

É uma constatação. Por que acha que estão todos contra si?
Porque eu nunca desisti do Sporting, nunca aceitei ofertas. As pessoas afastaram-se porque a vida é tramada, altos valores se levantam: ligações, familiares, ambições políticas.

Mas tudo aconteceu num curto período de tempo.
Mas está a falar de quem? De um Conselho Fiscal (CF) a quem foi dito que eu ia ser preso. Eles ficaram do mais aflito possível. A quem foi dito que o ‘cashball’ [processo judicial que acusa o homem forte do futebol "leonino" de pagar a árbitros para favorecer o Sporting nas modalidades] iria ser todo provado e que eles como CF iriam ficar tramados porque tinham responsabilidades. Acha que não sei o que aconteceu? E nunca mais se ouviu falar do ‘cashball’. Não gostei, não confiaram em mim. Da MAG nem vale a pena falar, é um engano terrível e um disparate autêntico. E depois vem o Conselho Directivo. A maior parte deles têm carreira política e outros têm ambições empresariais.

Criou um alter ego para ser o presidente do Sporting ao longo destes anos?
Perdi muita da minha alegria pessoal. Era uma pessoa divertida que gostava de estar com os amigos, gostava de contar umas anedotas, de ir ao cinema. Isto alterou completamente a minha vida.

Foto
"Eu sou um crítico de tudo e sou uma pessoa que passa a noite toda a pensar como poderia fazer mais e melhor. Sou um terrorista para mim próprio" Daniel Rocha

Mas o Bruno de Carvalho presidente é o genuíno Bruno de Carvalho?
É aquela teoria que eu já disse e que corre super bem: primeiro é criar fama de maluco e depois é só mantê-la. Agora, o Bruno apaixonado, extremamente exigente, que luta pela verdade, que sente na pele a diferença entre uma crítica e uma acusação grave é o mesmo. Infelizmente, não tive um exército para combater toda a gente que estava instalada. Achei que podia enfrentar tudo ao mesmo tempo. Mas eu sou esta pessoa muito difícil e teimosa e, por vezes, mesmo chata, exigente e picuinhas. Agora, não me sobe o poder à cabeça e não sou um indivíduo arrogante. Olho para a imagem que criei e parece que sou um tipo que adora ir à televisão, que adora aparecer, que adora falar, que adora ser o centro das atenções. Tive de criar alguém, chame-lhe um alter ego, que chegasse e dissesse assim: ‘meus amigos saiam da frente, quero passar.’

Sentiu-se um predestinado como presidente do Sporting, um sonho que tinha desde criança? Preparou-se toda a vida para este cargo?
Sim, toda a minha vida me preparei para isso. Sempre tive a minha vida arrumada. Estabeleci que até aos 25 anos sairia de casa; até aos 35 anos teria a minha independência financeira e aos 45 anos iria candidatar-me a presidente do Sporting. Antecipei tudo isto: sai de casa aos 21; consegui a minha independência mais ou menos aos 30; entrei na minha aventura no Sporting aos 39. Sempre fui muito focado, muito obstinado e sempre tive a certeza que conseguia atingir as coisas. E sempre consegui alcançar todos os meus objectivos. Tinha a certeza que um dia chegaria a presidente do Sporting e tinha a certeza que iria ser extremamente popular. Mas as pessoas transformaram isto em populismo.

O seu discurso anti-benfiquista não era uma forma de populismo?
Não vou mentir: é verdade que tenho aversão ao vermelho. Não gosto da cor, mas não atribuo tanta importância assim ao clube para associar que tudo o que é vermelho é do Benfica. Mas serei anti-benfiquista até ao fim da minha vida, pelo menos, enquanto lá estiverem estas pessoas.

O que o fez tornar-se um anti-benfiquista tão feroz?
A forma malcriada como muitas vezes nos receberam no Estádio da Luz. Cheguei ao cúmulo de ter ido lá ver a final da Liga dos Campeões [Maio de 2014] e ele [Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica] não percebeu que eu estava atrás dele e estava a ter uma conversa do mais malcriado e brejeiro sobre mim. Depois, alguém da sua direcção disse-lhe que eu estou atrás e ele virou-se para mim: ‘ah, quer comer connosco?’

Deve ter sido uma frustração liderar o Sporting nos anos de maior sucesso do Benfica na Liga?
Se calhar é por isso que eu me tornei tão indesejado pelo Benfica. O caso ‘vouchers’ está encerrado no âmbito desportivo, mas prossegue na justiça. Não lhes atribuo [benfiquistas] essa importância, não sou anti-benfiquista, mas sou anti estas pessoas que lá estão, que são malcriadas, sobranceiras e utilizam todos os métodos possíveis e imagináveis para ganhar, como se tem visto nos processos.

Sente que pode ter desbaratado o seu lugar na história do Sporting?
Nunca imaginei que as coisas pudessem ter esta dimensão. Volto a dizer que não acho que tenha cometido erros que justifiquem o que aconteceu. Por algum motivo não me querem deixar ir a eleições. Acho que quando alguém passa por casos destes e aprende fica com uma bagagem muito melhor para ser aproveitada. Como é possível que no momento em que eu mais precisei dos sportinguistas eles me virassem as costas? Num momento em que estava a lutar pela vida da minha filha. Não faz sentido. Foi a única vez que precisei. Que se permitam alguns erros, alguns excessos. Tem de se permitir, sou um ser humano. Fui enxovalhado, eu e a minha família. Nunca julguei que numa situação destas os sportinguistas me deixassem na mão. Dói muito, é angustiante e de uma frustração total depois de tudo o que fiz de bom no Sporting, que compensa largamente eventuais erros que tenha cometido.

Foto
Daniel Rocha