Apple atinge valorização de um bilião de dólares em bolsa

É a primeira empresa americana (e a segunda na história) a ultrapassar esta fasquia.

Foto
Nos últimos dias, a Apple estava à espera de bater este marco LUSA/ARMANDO BABANI

Foi um marco para uma das empresas mais conhecidas e idolatradas no mundo: a Apple atingiu uma valorização em bolsa de um bilião de dólares (ou seja, um milhão de milhões de dólares), tornando-se assim a única empresa americana – e a segunda na História – a chegar a este valor.

O recorde aconteceu nesta quinta-feira, quando as acções subiram quase 3% e encerram a sessão a valer 207,39 dólares na bolsa nova-iorquina Nasdaq. 

A outra empresa que superou o bilião de dólares foi a PetroChina, na altura em que se estreou em bolsa, em 2007. Mas as semelhanças com a Apple ficam-se por aí. As acções da PetroChina afundaram-se rapidamente, levando a agência financeira Bloomberg a classificar o desempenho da companhia como "o maior colapso bolsista na História mundial".

A capitalização de um bilião de dólares ocorreu poucos dias depois de a Apple ter apresentado resultados trimestrais. A empresa comunicou esta semana o seu melhor segundo trimestre de sempre, com as receitas a subirem 17% face aos mesmos meses do ano passado. Porém, neste período, a Apple perdeu o lugar de segundo maior fabricante de smartphones do mundo, tendo sido ultrapassada pela Huawei, de acordo com as contas da analista IDC. É a primeira vez em oito anos que a Apple não está numa das duas primeiras posições, numa tabela que é há muito liderada pela Samsung.

A subida vertiginosa das acções da Apple na última década – há dez anos, a cotação rondava os 22 dólares – acompanha a história de inovação e sucesso de uma empresa que no final dos anos 1990 esteve perto da falência. Nessa altura, o regresso de Steve Jobs ao cargo de presidente executivo – fora afastado anos antes numa guerra de poder interna – levou a uma série de novos produtos.

Com o regresso de Jobs em 1997, a Apple começou por lançar os coloridos computadores iMac. Já no início deste século, lançou os bem-sucedidos iPods. Estes leitores de música dominaram o mercado e tornaram-se um objecto de moda e desejo para muitos consumidores, servindo de rampa de lançamento da empresa para os anos seguintes. Em 2003, a Apple ajudou a transformar a indústria musical, ao lançar uma loja de música no iTunes onde as canções podiam ser compradas individualmente – uma novidade naquela época.

O grande salto, porém, aconteceu com o lançamento do iPhone, o primeiro smartphone moderno, que chegou às lojas em 2007. Pela primeira vez, uma empresa conseguiu fazer um telefone com um ecrã táctil que apelava às massas de consumidores. A loja de aplicações surgiu no ano seguinte. Começava assim a era em que cada pessoa passaria a ter um computador no bolso. Foi uma transformação que virou do avesso os hábitos de consumo, mudou o equilíbrio de forças entre as multinacionais de tecnologia e tocou múltiplos sectores, da imprensa aos transportes.

O primeiro iPad, lançado em 2010, foi o primeiro dos tablets modernos, com a Apple a encontrar novamente uma fórmula que tinha escapado a outras empresas, incluindo a Microsoft. O relógio inteligente Apple Watch chegou às lojas em 2015, já depois de outras marcas se terem antecipado nesta categoria de produto. Mas é o iPhone que continua a ser a jóia da coroa, representando mais de metade da facturação da Apple.