Beleza

Cátia e Rita Curica, as criadoras da Organii, vão lançar marca de cosméticos bio

Marca chega em Setembro. Em 2020 o objectivo é conquistar o mercado europeu.
Foto
As irmãs na loja da LXFactory, em Lisboa, onde o Eco Market acontece uma vez por ano Manuel Manso

A primeira loja nasceu no Chiado, em Lisboa, em 2009, mas foi no Príncipe Real que surgiu o primeiro day spa, numa tentativa de atrair e fidelizar mais público à Organii – uma marca centrada na venda de produtos biológicos. Ao longo de nove anos, as irmãs Curica, Rita e Cátia, construíram um império com sete lojas, fizeram duas edições do Eco Market, e preparam-se para lançar uma marca própria de cosméticos de origem biológica, a Unii, já em Setembro.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Foto
Roupa para bebé de produção ecológica DR

Por agora, existem spas nas lojas do Príncipe Real e na LxFactory, para breve haverá em Alvalade, tudo em Lisboa. “Queremos apostar nas lojas com tratamentos”, ou seja, espaços onde os clientes além de serem aconselhados na compra dos produtos, também os podem usar no spa em massagens e tratamentos ao corpo e ao rosto, explica Rita Curica. Cada vez mais, as pessoas procuram produtos de origem natural, dizem as fundadoras da marca e a massagem é uma boa forma de manter, por exemplo, a juventude da pele. “Estamos sempre a fazer as mesmas expressões e, para contrariar, só mesmo massajando porque a pele tem a capacidade de regeneração natural”, exemplifica Cátia Curica.

“Associamos os cuidados de beleza à saúde”, continua Rita, arquitecta de formação, lembrando que muitos clientes chegam à Organii depois de muitas idas ao médico e sem obter resultados. Também há pediatras, dermatologistas e profissionais das medicinas alternativas que encaminham os bebés e as crianças para as lojas das irmãs Curica por causa dos seus produtos amigos da natureza, asseguram. “Vendemos a promoção da saúde”, resume Cátia, com formação em Farmácia e em Medicina Tradicional Chinesa.

Além dos cosméticos, as empresárias vendem roupa, brinquedos, artigos de decoração, tudo ecológico. O crescimento do negócio – a facturação da Organii ronda um milhão de euros – obrigou a criar a Unibio em 2016, uma empresa de distribuição e representação das marcas nacionais e internacionais com que a Organii trabalha.

Foto
A loja do Príncipe Real, em Lisboa, fica na Embaixada DR

Agora, as empresárias pretendem lançar uma marca própria de cosméticos bio. Os primeiros produtos serão champô sólido, pastas de dentes, exfoliantes, avança Cátia Curica. A criação e produção em laboratório próprio vai de vento em popa e actualmente a empresa está a receber estagiários da área da engenharia química, orgulha-se. “No Verão vamos ter estudantes franceses.”

As irmãs pensaram em tudo: a relação qualidade/preço, para desmistificar a ideia de que os produtos naturais são sempre mais caros (embora sejam quando comparados com os que se vendem em supermercados); aos rótulos e embalagens, nas quais será usado papel de origem mineral, feito de resíduos de pedra. “Tentamos evitar ao máximo o uso do plástico”, justifica Rita Curica.

“Há muitos recursos em Portugal que não são devidamente aproveitados. O país precisa de ter produção própria”, defende. A ambição é que esta linha familiar se implemente em Portugal no próximo ano, não só nas lojas da Organii como no resto do mercado, e em 2020 chegar à Europa, a começar por Espanha, “mas com calma”, salvaguarda Cátia Curica.

Depois do Porto e de Lisboa, a Organii quer abrir nova loja na Linha de Cascais.