A Volta a Portugal vai de novo do norte ao sul do país

A 80.ª edição da prova traz o regresso do Algarve e Alentejo, homenageia as vítimas dos incêndios e tem uma meta nas Penhas da Saúde.

Foto
Nelson Garrido

Um prólogo com a extensão de 1,8km, a realizar nesta quarta-feira, em Setúbal, marca o arranque da Volta a Portugal em bicicleta. As primeiras pedaladas da 80.ª edição da maior prova velocipédica do país servirão, assim, para definir quem vestirá a camisola amarela no dia seguinte, quando a popular corrida começa a sério, com a primeira etapa a ligar Alcácer do Sal a Albufeira.

Com início na Av. José Mourinho, junto ao rio Sado, e chegada na Praça 25 de Abril, em Fafe, 11 dias depois (a 12 de Agosto) e de novo num duelo entre ciclista e cronómetro, a Volta deste ano tem um total de 1578,9km e um dia de descanso, em Viseu. Mas há mais novidades. É que, para além de um traçado que atravessa quase todo o território continental português, há a redução do número de ciclistas por equipa e o corte nas bonificações.

Vencedor da última edição, o espanhol Raúl Alarcón volta a integrar, agora com o dorsal um, a equipa que tem sido a grande dominadora dos últimos cinco anos da corrida e que volta a ser a principal candidata à vitória - a W52-FC Porto (União Ciclista de Sobrado) - que apresenta quatro vencedores da Volta entre os sete ciclistas escolhidos para a “grandíssima”.

Para além de Alarcón, a “armada” de Nuno Ribeiro conta ainda com Gustavo Veloso (vencedor em 2014 e 2015), Rui Vinhas (2016) e Ricardo Mestre (2011), para além de António Carvalho (vencedor do Grande Prémio JN) e José Neves (triunfo no Troféu Joaquim Agostinho), revelando um domínio que, ainda assim, terá de contar com a forte oposição do Sporting-Tavira, “patrocinada” pelo português Joni Brandão (segundo em 2015 e grande ausente em 2017), pelo espanhol Alejandro Marque (vencedor em 2013) e pelo italiano Rinaldo Nocentini, nomes importantes que alimentam as ambições “leoninas”. Joni Brandão tem ainda o estímulo de ter alcançado Domingos Gonçalves (Rádio Popular-Boavista) no primeiro lugar do ranking da Associação Portuguesa de Ciclistas Profissionais.

Para além destas duas equipas, há os "solitários", onde se destacam o espanhol Vicente García de Mateos (Aviludo-Louletano), terceiro em 2017 e confirmado na Volta após suspensão provisória por irregularidades no passaporte biológico, e também Domingos Gonçalves (campeão português de fundo e de contra-relógio).

Aliás, numa prova disputada por um pelotão de 131 ciclistas, repartidos por 19 equipas, dez das quais estrangeiras, a história não poderá cingir-se a um duelo FC Porto-Sporting. As também portuguesas Aviludo-Louletano-Uli, Efapel, LA Alumínios, Liberty Seguros-Carglass, Miranda-Mortágua, Rádio Popular-Boavista e Vito-Feirense-BlackJack não deixarão de intrometer-se numa luta que se estende a WB Aqua Protect Veranclassic (Bélgica), Caja Rural-Seguros RGA, Euskadi Basque Country-Murias (Espanha), Israel Cycling Academy (Israel), Amore & Vita-Prodir (Bulgária), Team Ecuador (Equador), Team Differdange Losch (Luxemburgo), Team Coop (Noruega), Sapura Cycling (Malásia) e Mstina Focus (Roménia).

Um percurso atractivo

Tudo somado, a 80.ª edição da Volta a Portugal promete animação, especialmente na sua segunda metade. Após o prólogo seguem-se nove etapas em linha e um contra-relógio no último dia, que até poderá ser decisivo caso as tiradas de montanha não dissipem todas as dúvidas.

Para além do arranque em Setúbal, há ainda o regresso da Volta, após dez anos, ao Algarve (1.ª etapa, entre Alcácer do Sal e Albufeira), sem esquecer o Alentejo revisitado (2.ª etapa, Beja-Portalegre) e ainda a primeira chegada, após três anos, em plena Serra da Estrela (4.ª etapa, nas Penhas da Saúde, que há 22 anos não tinham cerimónia de pódio). Isto, depois de um dia histórico (3.ª tirada), denominado “Etapa da Vida”, numa ligação de enorme carga emocional, entre a Sertã e Oliveira do Hospital. O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, participará nesta homenagem às populações afectadas pela tragédia dos incêndios de há um ano, no centro do país. Iniciativa que isentará os municípios de quaisquer encargos e que será apadrinhada pelo tetracampeão da Volta, Marco Chagas, que, em 1976, venceu pela primeira vez uma etapa da Volta a Portugal na Sertã.

Sem Lisboa, Porto e Coimbra no trajecto, o pelotão terá ainda ligações como Guarda-Covilhã, Sabugal-Viseu, Sernancelhe-Boticas, Montalegre-Viana do Castelo, Barcelos-Braga, Felgueiras-Mondim de Basto e, finalmente, o contra-relógio Fafe-Fafe.

Depois de uma primeira metade da Volta mais propícia aos roladores, o verdadeiro teste surgirá nas terras altas, que reservam um final verdadeiramente explosivo, depois do crivo da Serra da Estrela. A penúltima etapa, com a tradicional a subida à Senhora da Graça (a assinalar o 40.º aniversário da primeira chegada ao topo do Monte Farinha), numa etapa ainda mais dura do que o habitual, com três prémios de montanha de primeira categoria nos últimos 60 quilómetros - Alto da Barra (13,3km/5,8% de inclinação média), Barreiro (9,9km/6,5%), na Serra do Alvão, e Senhora da Graça (8,3km/7,7%) - poderá ser decisiva, embora as contas-finais só se façam no dia seguinte, no tal contra-relógio de Fafe.