Opinião

Os meus queridos livros de Agosto

Sete sugestões de livros para férias contra a ideia feita de que, nesta época, o cérebro só absorve literatura light.

Regularmente tenho apresentado neste espaço algumas sugestões de livros para férias. Com a mesma regularidade tenho-me pronunciado contra a ideia feita de que, nesta época, o cérebro só absorve literatura light. Pelo contrário, quando temos mais tempo para ler, podemos descobrir mundos desconhecidos (enfatizo a palavra “descobrir”, agora maldita), dando novos mundos a nós mesmos. Alinho aqui alguns títulos, todas eles edições recentes, por ordem alfabética do apelido do autor.

— André, João Paulo, Poções e Paixões. Química e Ópera, Gradiva. Este livro, ricamente ilustrado, de um professor de Química da Universidade do Minho e entusiasta da ópera, é uma obra singular que reúne as “duas culturas”, ao relacionar de uma maneira assaz cativante duas áreas tão aparentemente distantes como a química e a ópera. Com sabedoria e elegância, o autor revela-nos que há muita química na ópera.

— Camarneiro, Nuno, O Fogo Será a Tua Casa, Dom Quixote. Tenho acompanhado a obra do autor, engenheiro físico que foi meu aluno na Universidade de Coimbra. Depois de ter ganho o Prémio Leya de 2012 (Debaixo de Algum Céu), escreveu a colecção de contos, Se Eu Fosse Chão, e agora faz uma incursão literária pelo Médio Oriente, onde a guerra tudo incendeia. Aqui descreve-se o drama de um grupo de reféns, de vários países, nas mãos de fundamentalistas islâmicos.

— Endo, Shusaku, O Samurai, Dom Quixote. O autor é o mesmo de O Silêncio, que conta a odisseia de dois jesuítas portugueses no Japão no século XVII e que serviu de guião ao filme de Martin Scorsese. Este livro, que é uma reedição, conta a aventura de um japonês, Hasekura Tsunemaga, que, no mesmo século, chegou a Espanha via México. Está ainda por contar em literatura a viagem de Bernardo de Kagoshima, outro samurai japonês que se tornou jesuíta e que, 60 anos antes de Tsunemaga, foi o primeiro japonês a chegar à Europa. Descobriu-nos, portanto.

— Magalhães, Gabriel, Os Crimes Inocentes, Planeta. Do autor, professor de Literatura na Universidade da Beira Interior, li com muito gosto o Como Sobreviver a Portugal continuando a ser Português (um original ensaio sobre a portugalidade) e Restaurante Canibal (uma divertida sátira). E, por isso, está no meu saco de férias o último romance dele, que parte de um crime perpetrado no Museu dos Coches, que vai ser deslindado por uma filha de emigrantes que vive de empregos precários. Juntando cultura e política, humor e horror, o livro promete...

— Magdalena, Carlos, O Messias das Plantas. Aventuras em busca das espécies mais raras do mundo, Bizâncio. Magdalena é horticultor nos Jardins Botânicos Reais de Kew, perto de Londres, um dos maiores e melhores jardins botânicos do mundo. Tem dedicado a sua vida a salvar plantas em vias de extinção, procurando-as nos mais remotos cantos do planeta. Um volume imprescindível para quem se interessa pelo prodigioso mundo vegetal.

— Reeves, Hubert, O Banco do Tempo Que Passa. Meditações Cósmicas, Gradiva. O conhecido astrofísico e divulgador de ciência canadiano, que escreveu Um pouco mais de azul e vários outros bons livros, dá-nos neste livro uma súmula do seu pensamento científico e filosófico, em que cabem tanto o fascínio pelo imensíssimo cosmos, como o alerta pela necessidade de defesa da biodiversidade na Terra. A Gradiva publicou também recentemente duas bandas desenhadas de Reeves, ambas desenhadas por Daniel Casanave.

— Verney, Luís António, O Verdadeiro Método de Estudar, Círculo de Leitores (coordenação, introdução e notas de Adelino Cardoso). Esta é uma das obras maiores da cultura nacional, por ter sido o primeiro tratado pedagógico escrito na nossa língua. Quando saiu, em 1746, suscitou uma enorme polémica, entre “antigos” e “modernos,” tendo mais tarde inspirado a Reforma Pombalina da Universidade. Obra ecléctica, trata tanto da poética e da retórica como da física e da química, é o vol. 27 da colecção Obras Pioneiras da Cultura Portuguesa, coordenada por José Eduardo Franco e por mim, que reúne o “ADN da cultura nacional”. Já saíram dez volumes, alguns deles sobre as descobertas marítimas dos portugueses.

Boas leituras. Boas férias!