Portugal nos bastidores de Locarno

Numa edição com menos títulos a concurso, é nos bastidores do festival de cinema de Locarno que Portugal dá que falar: seis longas em pós-produção vão ser mostradas à indústria no programa paralelo First Look.

Fotogaleria
Três anos depois, de Marco Amaral, um dos dois filmes na competição de curtas Pardi di Domani dr
Fotogaleria
Grbavica, co-produção com Espanha e Bósnia, dirigida pelo catalão Manel Raga Raga, compete na secção Pardi di Domani dr
Fotogaleria
Sobre Tudo Sobre Nada, primeira longa de Dídio Pestana, está na secção paralela Signs of Life dr
Fotogaleria
Como Fernando Pessoa Salvou Portugal, de Eugène Green, na secção Signs of Life dr
Fotogaleria
Campo de Tiago Hespanha (Terratreme), secção First Look dr
Fotogaleria
Golpe de Sol de Vicente Alves do Ó, secção First Look dr
Fotogaleria
Gabriel, de Nuno Bernardo, secção First Look dr
Fotogaleria
Hálito Azul, de Raul Brandão (documentário rodado nos Açores inspirado por Raul Brandão), secção Firts Look dr
Fotogaleria
Terra, de Rossana Torres e Hiroatsu Suzuki, secção First Look dr
Fotogaleria
Viveiro, de Pedro Marques, secção First Look dr

A embaixada portuguesa ao Festival de Cinema de Locarno, que começa esta quarta-feira naquela cidade suíça e termina a 11 de Agosto, parece mais pequena do que é habitual – se, em 2016 (ano em que João Pedro Rodrigues ganhou o prémio de realização por O Ornitólogo), havia 14 títulos entre produções e co-produções, e no ano passado seis (com António e Catarina, de Cristina Hanes, a vencer o concurso de curtas), este ano temos apenas quatro. Na competição de curtas Pardi di Domani, concorrem 3 Anos Depois, de Marco Amaral, e Grbavica, co-produção com Espanha e Bósnia, dirigida pelo catalão Manel Raga Raga. Na paralela de vanguarda Signs of Life temos Sobre Tudo sobre Nada, primeira longa de Dídio Pestana (cúmplice de Gonçalo Tocha) e Como Fernando Pessoa Salvou Portugal, “minifilme” de 30 minutos em co-produção com França e Bélgica, que marca o regresso de Eugène  Green ao seu melhor.

E, no entanto, fora do olhar público essa embaixada quase triplica para dez filmes, com seis longas-metragens a terem “pré-estreia” em Locarno. São quatro documentários e duas ficções que serão apresentadas numa iniciativa paralela restrita aos profissionais, First Look, que existe desde 2011 com o intuito de abrir uma janela sobre uma cinematografia minoritária (em 2017 foram os estados bálticos, em 2016 a Polónia). Anualmente, Locarno expõe um punhado de works in progress do território escolhido ao milhar e meio de profissionais acreditados no certame. Um júri de três elementos (este ano Eva Sangiorgi, da Viennale, Janet Pierson, do South by Southwest, e José Luis Rebordinos, do festival de San Sebastián) escolherá o(s) vencedor(es), que receberão um total de 75 mil euros em serviços de pós-produção e divulgação.

 O responsável da secção, Markus Duffner, curiosamente, reside em Lisboa há dois anos. Mas, em breve conversa telefónica com o PÚBLICO, explica que isso não influiu nem na opção por Portugal nem nos títulos que foram seleccionados: “Locarno tem há muito tempo uma relação com Portugal e com a sua cinematografia.” À imagem do que aconteceu nos anos anteriores, a pré-selecção de projectos foi realizada por um parceiro local — no caso, o Instituto do Cinema e Audiovisual, que se encarregou de toda a logística das candidaturas.

Ao todo, segundo Duffner, foram recebidas 21 propostas que passaram pela programadora Ana Isabel Strindberg, pelo montador Tomás Baltazar e por Vítor Pinheiro, das relações internacionais do ICA. Este comité reduziu as candidaturas aprovadas a 16, e a lista final de seis títulos foi escolhida por uma equipa de Locarno: Duffner, Nadia Dresti, responsável pelas relações com a indústria, Mark Peranson, programador, e Carlo Chatrian, director artístico. O que se pede a um projecto seleccionado para o First Look não é o mesmo que se pede para as selecções competitivas: “Gostamos de pensar que esta secção é uma rampa de lançamento internacional,” explica Duffner, citando Que Horas Ela Volta?, de Anna Muylaert, que passou pelo First Look. “Locarno tem uma marca muito específica — dar voz a filmes comercialmente mais difíceis de explorar. Acreditamos que temos de trabalhar ambos os lados da equação, o comércio e a indústria e o lado artístico. Temos de marcar um equilíbrio.” Daí que as escolhas 2018 abranjam projectos mainstream como Gabriel, de Nuno Bernardo (beActive), e Golpe de Sol, de Vicente Alves do Ó (Ukbar Filmes), ao lado de documentários imersivos como Terra, de Rossana Torres e Hiroatsu Suzuki (Entre Imagem/OPTEC), ou Campo, de Tiago Hespanha (Terratreme).

Praticamente todos os projectos seleccionados pelo First Look têm a montagem de imagem concluída, todos os produtores com quem o PÚBLICO falou apostam no First Look como ponto de partida para a circulação internacional. Nuno Bernardo, que se estreia na longa-metragem com Gabriel (história de boxe ambientada nos Olivais), e Rodrigo Areias, da Bando à Parte, que apresenta Hálito Azul (documentário rodado nos Açores inspirado por Raul Brandão), vão à procura de um agente de vendas que se ocupe da distribuição internacional. Para Bernardo, Locarno será ainda um trampolim para colocar Gabriel noutros festivais, até porque “a temática e a execução tornam o filme mais próximo do tipo de obras normalmente escolhidas pelos programadores”; aproveitará igualmente para procurar parcerias para futuros projectos da produtora beActive, que esteve na origem do sucesso internacional do Diário de Sofia.

Hálito Azul, co-produção da Bando à Parte com França e Finlândia, tem estreia garantida nesses países, mas Areias pretende também encontrar um agente internacional, ressalvando ao PÚBLICO que a montagem final só irá ficar concluída depois de Locarno, aproveitando a possibilidade de feedback de uma secção como esta. Pandora da Cunha Telles, da Ukbar Filmes, por trás de Golpe de Sol, diz procurar igualmente reacções à montagem — que, adianta, está praticamente terminada —, a par de “apoio financeiro à conclusão, que se pode materializar através de um agente de vendas internacional ou uma co-produção com um país que possa obter apoio à finalização”. Tanto Golpe de Sol como Gabriel têm já distribuição nacional garantida pela Nos, com estreia em 2019.

É também apoio à finalização que é procurado pela luso-romena Rossana Torres (que estudou sob António Reis) e pelo japonês Hiroatsu Suzuki. A dupla, que esteve em Locarno em 2009 com a curta Cordão Verde, filmou Terra no vale do Guadiana e vai ao First Look em busca de ajuda financeira para “terminar a montagem de som, fazer a mistura de som e tratamento da cor,” dizem por email, “assim como para a sua promoção”. Torres e Suzuki sublinham que “não é fácil mostrar este tipo de filmes” e por isso Locarno será uma valiosa montra para um projecto autoproduzido, com a OPTEC de Abel Ribeiro Chaves a entrar no apoio logístico à montagem.

Num patamar diferente estão Campo, de Tiago Hespanha, e Viveiro, de Pedro Filipe Marques (O Som e a Fúria). Ambas as suas produtoras tiveram filmes premiados no festival de 2017 e têm já assinalável reputação internacional. Para João Matos, da Terratreme, Campo, rodado no (e à volta do) Campo de Tiro de Alcochete, é um filme que, segundo crê, “terá um percurso internacional bastante interessante em 2019”. “[Com a presença no First Look] queremos fundamentalmente começar a fazer circular o filme, de forma a encontrar parceiros de distribuição e um interesse de festivais que possam catapultar a sua circulação.”

É isso que o produtor Luís Urbano, do Som e a Fúria, procura igualmente para Viveiro, onde Pedro Marques (A Nossa Forma de Vida) olha para os bastidores de um pequeno clube de futebol no Arcozelo: “Parcerias para co-produção, distribuição internacional e sinalização do filme com especial enfoque nos festivais.” Sendo um projecto “atípico” no currículo do Som e a Fúria, “mais vocacionada para a ficção”, Urbano defende que o First Look é uma oportunidade para “testar e procurar parcerias que dificilmente poderiam ser estabelecidas em fase de desenvolvimento”.