Forças Armadas reforçam apoio à Protecção Civil por causa do calor

Reforço vai de 1 a 5 de Agosto e pode prolongar-se, caso as condições meteorológicas o justifiquem.

Foto
Rui Gaudencio

A Marinha e o Exército anunciaram num comunicado que vão reforçar, com mais 19 patrulhas e 76 militares, o apoio à Protecção Civil entre quarta-feira e domingo, podendo as acções ser prolongadas caso a meteorologia o justifique.

Segundo um comunicado do Estado Maior General das Forças Armadas (EMGFA), a acção destes militares decorre entre as 8h de quarta-feira e as 20h de domingo, com especial incidência nos distritos de Aveiro, Beja, Braga, Bragança, Coimbra, Évora, Guarda, Leiria, Lisboa, Portalegre, Porto, Santarém e Setúbal.

"Este reforço surge no seguimento do pedido de apoio da Autoridade Nacional da Protecção Civil (ANPC) às Forças Armadas, tendo como objectivo o incremento das acções de patrulhamento dissuasor no período referido (entre 1 e 5 de Agosto), podendo estas acções ser prolongadas no tempo caso a previsão meteorológica assim o justifique", refere a nota.

A operacionalização destas acções de patrulhamento será efectuada junto dos comandos distritais da ANPC respectivos, em consonância com o restante dispositivo de vigilância presente nestes locais e coordenado com o oficial de ligação das Forças Armadas nesse distrito, em articulação com a GNR.

Situação agrava-se nas próximas 48 horas

Numa conferência de imprensa durante a tarde de terça-feira, Patrícia Gaspar, segunda comandante operacional nacional da ANPC, frisou “o agravamento do risco dos incêndios rurais e da temperatura do ar”. A humidade relativa do ar deverá diminuir e, “em vários pontos do território”, deverá rondar os 20%, “com a agravante de que não é expectável que exista recuperação nocturna”. Algo “preponderante” no combate aos incêndios.

Esta situação levou a Protecção Civil a estender, a partir das 0h de quarta-feira, o estado de alerta especial relativo aos meios de combate a incêndio aos distritos do Porto, Leiria, Aveiro, Braga, Viana do Castelo e Coimbra, anunciou Patrícia Gaspar. Os seis distritos vão passar, a partir das 0h, para o alerta amarelo da Protecção Civil, o segundo mais grave numa escala de quatro. Todos os outros passam a alerta laranja.

A gravidade da situação, favorável à eventual ocorrência e propagação de incêndios rurais, levou a Protecção Civil, juntamente com o IPMA e a Direcção-Geral da Saúde, a lançar mais um alerta à população. Sublinham que o risco de incêndio é elevado no Algarve, interior Norte e Centro e no Baixo Alentejo. A 5 de Agosto, os índices de risco de incêndio devem agravar-se para o interior Norte e Centro, em especial na região de Trás-os-Montes.

As recomendações à população mantêm-se: é proibido realizar queimadas, fogueiras para recreio ou lazer, ou para confecção de alimentos, bem como lançar balões com mecha acesa e foguetes, e também fumar em espaços florestais.

Para se proteger do calor, a Protecção Civil recomenda beber muita água (sumos e refrigerantes não contam), evitar bebidas alcoólicas, usar roupa larga, não estar exposto ao sol nas horas de maior calor e usar protector solar. Quanto a crianças, pessoas de mobilidade reduzida e idosos, a atenção deve ser redobrada, uma vez que ficam mais vulneráveis a estas condições.

Sugerir correcção