Perfil

O estudante activista que se empenhou na educação e na habitação

Engenheiro civil formado no Técnico, Ricardo Robles viveu em Almada, nos Açores, no Seixal, em Copenhaga. Dirigiu a organização concelhia de Lisboa desde 2005.

Robles deixa a Câmara de Lisboa cerca de nove meses depois de ter sido eleito
Foto
Robles deixa a Câmara de Lisboa cerca de nove meses depois de ter sido eleito Miguel Manso (arquivo)

Trinta e oito semanas e meia depois, o acordo assinado entre o presidente da Câmara de Lisboa e o vereador eleito pelo Bloco de Esquerda, que permitiu a Ricardo Robles receber o pelouro da Educação e Áreas Sociais e a Fernando Medina chegar à maioria absoluta, vai conhecer outro protagonista. Embora saia por causa da habitação – para a qual tinha também uma lista de compromissos que até envolviam a pasta do alojamento local –, foi sobretudo na educação que Robles conseguiu deixar uma marca nestes quase nove meses de meia “geringonça” autárquica em Lisboa.

A poucos dias do Natal, Robles conseguiu que o executivo municipal aprovasse a gratuitidade dos manuais escolares (os livros de estudo no 2.º e 3.º ciclos; os livros de fichas no 1.º ciclo) para todos os alunos até ao 9.º ano das escolas do concelho para o ano lectivo que agora terminou, o que será estendido ao 12.º ano já a partir de Setembro. A educação e as áreas sociais eram o seu pelouro, mas para conseguir o apoio bloquista – perante as costas viradas pela CDU, que elegeu dois vereadores – Fernando Medina teve que assinar compromissos também em matérias de habitação que extravasam as questões sociais, apesar de ter já uma vereadora socialista com essa pasta. Como foi o caso do Programa Renda Acessível em prédios públicos, que previa a disponibilização de 3000 fogos durante o mandato e que já lançou 250 apartamentos; ou a oferta de mais residências universitárias (400 camas por ano), de que já estão previstos mais 226 quartos.

Esta aposta na educação e na habitação não será estranha ao percurso de Ricardo Robles, engenheiro civil formado no Instituto Superior Técnico. Ali pertenceu ao Fórum Civil, a associação de estudantes de engenharia do IST que deixou de ser representada por um presidente para ter uma direcção colectiva – onde é que já ouvimos isto na cúpula do Bloco? Nessa direcção de Robles, as praxes em Civil no Técnico perderam o pendor de violência e abuso e tiveram um perfil de maior integração dos caloiros; e endureceram as lutas contra as propinas. Mas a sua militância estudantil começou antes: andava no 8.º ano quando se juntou aos protestos anti-PGA, que só os alunos do 12.º ano faziam.

Nascido em Almada, passou parte da infância, entre os seis e os dez anos, nos Açores, na ilha de Santa Maria, para onde o pai, militar, foi destacado. A adolescência passou-a depois no Seixal, onde se começou a fazer político – os pais não eram militantes mas contribuíram para a sua consciência de esquerda. As preferências por Matemática e Física fizeram-no ingressar no IST, o Erasmus levou-o a Copenhaga, onde participou num projecto sobre desenvolvimento sustentável que implicava a recuperação de um quarteirão da cidade. Ainda aluno universitário, integrou a candidatura autárquica Esquerdas Unidas por Lisboa, a coligação entre o PSR e a Política XXI. Foi com a facção PSR que se tornou fundador do Bloco de Esquerda e foi dirigente da organização concelhia de Lisboa desde 2005. Nos últimos 20 anos participou em protestos internacionais do G8, em diversos fóruns sociais europeus e mundiais.

A experiência de Copenhaga haveria de moldar a sua maneira de olhar as cidades e de as pensar – com mais gente, com maior aproveitamento dos espaços, mais eficiência energética, por exemplo. É-lhe reconhecida a sua capacidade de organização e motivação mas também de mostrar trabalho feito. Era o que fazia amiúde nas redes sociais – as mesmas que agora o condenam desde sexta-feira.