Opinião

Os bolseiros e os seus donos

Por que recusam conferir uma dignidade e apoios sociais a gente tão qualificada? Só pode haver uma explicação: para manter o poder. Para continuar a controlar uma vasta população de escravos altamente qualificados.

A situação dos bolseiros não é um facto isolado, mas um reflexo da sociedade global. Nesta era de grandes riquezas e grandes penúrias, de enriquecimento e empobrecimento acelerados, a universidade não podia fica de fora. Os reitores e seus acólitos tratam os seus bolseiros com a mesma soberba e desprezo com que Trump ou Salvini tratam os emigrantes. Se querem morrer, que morram.

É não só o direito do mais forte à liberdade, como já era tradição, mas também o direito do mais forte à arrogância. O mais fraco tem de ser espezinhado. Tudo bate certo neste Universo com sombras de Apocalipse.

Vivemos numa sociedade paradoxal. É uma sociedade de extremos. Com os mais potentes instrumentos, medimos a distância de um cabelo a muitos milhões de quilómetros. Com uma caixinha que trazemos no bolso, falamos com alguém do outro lado do mundo. Mas não resolvemos o essencial: a pobreza e a dignidade. Porque um mendigo não é menos importante do que um milionário, nem um bolseiro é menos importante do que um reitor. Porque o seria?

A pobreza não existe só lá fora, nos países desafortunados ou devastados pela guerra. Existe aqui ao pé de nós, perante a indiferença dos governos, mesmo socialistas. Em Portugal não há apenas várias centenas de bolseiros doutorados no limiar da pobreza, há também dois milhões de verdadeiros pobres. Temos recursos para lançar um programa de erradicação da pobreza, que teria uma influência enorme na economia e na sociedade. Mas falta-nos a vontade ou, pior do que isso, falta-nos a chama. Passamos ao largo.

Os bolseiros são alguns dos nossos melhores cérebros, são a geração mais preparada do país. São eles que sustentam a actividade científica das universidades, a sua ainda que fraca competitividade. E, além disso, exercem função de professores, embora não reconhecida. Mas os reitores e seus acólitos, os directores de faculdade ou de departamento, todos pequeninos na sua soberba, passam-lhes ao lado. Só precisam dos bolseiros como reserva de mão-de-obra dócil e barata. Já que eles não têm tempo de fazer ciência, tão ocupados que estão a administrar, alguém terá de fazer o trabalho. Esse alguém são os bolseiros, competentes, precários e baratos, prontos a obedecer para não perder o emprego, ou não ter de emigrar. Por isso o Estado está pronto a admitir todos os funcionários, sobretudo para tarefas simples e pouco relevantes, muitos com a quarta classe. Mas não admite os doutorados. Eles sabem de mais e são demasiado preciosos: têm de ser manietados.

Maria de Lourdes Pintasilgo e António Guterres são exemplos inspiradores que não estão a ser seguidos. No final dos anos 70, o Governo Pintasilgo introduziu o espírito do 25 de Abril na vetusta e anquilosada universidade portuguesa. Em termos simples, a sua reforma promoveu uma nova geração de cientistas aos lugares cimeiros da hierarquia universitária. Insultados por muitos, os novos catedráticos, chamados “catedráticos decretinos”, ou seja, feitos por decreto, mudaram a face da universidade, criaram novos centros de investigação, modernizaram a ciência e o ensino em Portugal. Essa reforma permitiu, de facto, pôr Portugal no mapa da Europa.

Mas agora, passados 40 anos, a universidade está de novo a anquilosar-se. Se lhes tirarem os bolseiros, ela entra em colapso. Os catedráticos da nova geração não têm a pujança e a generosidade da geração decretina, em vias de extinção, por força da idade. Ficaram com mais poder, tornaram-se patrões. Hoje, precisamos de uma nova modernização, de um novo choque, científico e cultural, que o presente decreto de integração dos bolseiros investigadores poderia ajudar a promover. Só que os reitores não o querem, nem os seus seguidores menores. Os reitores recusam cumprir um decreto (DL57, mas também o Programa de Regularização Extraordinária de Vínculos Precários) que, afinal, peca por ser parcial e pouco ambicioso, por só conceder contratos a pouca gente e por um curto prazo e deixar de fora muitos dos bolseiros mais antigos.

Aqui temos de lembrar a reforma de Guterres, que, no final dos anos 90, proporcionou uma gigantesca integração de precários na função pública. Ao contrário do proposto no actual decreto dos bolseiros, Guterres estabeleceu uma integração faseada, em que os mais antigos eram integrados primeiro.

O motivo por que o Ministério da Ciência não seguiu o exemplo de Guterres, e introduziu um processo dúbio e sem ambição, não é agora importante. Isso fica para um futuro julgamento da acção do Governo Costa. O que importa é perceber porque é que a universidade, e os seus máximos representantes, resolveu passar à ilegalidade e nem esse processo querer assumir. Parece haver uma cegueira generalizada, em que não se vêem as pessoas e as suas situações precárias, mas apenas se invoca um pretenso “interesse superior” das universidades. O que vale é que tudo é superior na universidade, até a prosápia e a cegueira.

Mas há uma boa razão para esta cegueira desmedida. Tais atitudes odiosas, de que se dão eco os jornais, não são fruto do acaso. Antes se propõem defender os direitos adquiridos pela nova hierarquia universitária.

Os bolseiros doutorados são amplamente reconhecidos, com prémios e louvores. Trata-se, muitas vezes, dos melhores especialistas portugueses nas suas áreas do conhecimento. Trabalham com baixos salários e completa precariedade por vezes há mais de dez anos. E quando surge uma lei e um programa que, embora imperfeitos, de certo modo os defende, as universidades recusam-se a pô-los em prática. Porquê? Por que recusam conferir uma dignidade e apoios sociais a gente tão qualificada?

Só pode haver uma explicação: para manter o poder. Para continuar a controlar uma vasta população de escravos altamente qualificados. 

Nesta estranha campanha, em que são invocadas razões absurdas e falsas, como dizer que as grandes universidades (americanas, claro) não têm investigadores, mas sim professores, as universidades arvoram um estatuto de qualidade que não possuem. Não querem perder qualidade, quando não a têm! Presumidos sábios, perfeitos saloios! Em França, onde se produz talvez a melhor ciência da Europa, os professores têm menos prestígio do que os investigadores. Porque não querem os senhores reitores e seus acólitos falar da França e enchem a boca com a América? O que é que a América tem de especial para nos ensinar? Sem dúvida alguma coisa. Temos de aprender com todos. Mas o nosso caminho tem de passar primeiro pelas pessoas. Só assim serão grandes as instituições que as acolherem.