Palestiniana que esbofeteou soldados israelitas libertada. Família diz que “a resistência vai continuar”

Passou oito meses na prisão por ter esbofeteado soldados israelitas. Neste domingo, foi recebida como uma heroína. Artistas italianos que a pintaram num mural em Belém foram detidos.

Fotogaleria
LUSA/SHADI HATEM
Fotogaleria
LUSA/SHADI HATEM
Fotogaleria
Reuters/MOHAMAD TOROKMAN
Fotogaleria
LUSA/THAER GHANAIM HANDOUT

As imagens foram captadas numa sexta-feira, 15 de Dezembro, e correram mundo. Amed Tamimi, 16 anos, tinha ao lado a prima, Nour Tamimi, também adolescente. À frente delas estavam dois soldados israelitas, armados até aos dentes, a passar perto do pátio da casa da família, em Nabi Saleh, uma aldeia dos territórios ocupados na Cisjordânia. Amed aproxima-se dos militares, dá primeiro um pontapé e depois um par de bofetadas a cada um dos soldados. A mãe filmou tudo. As imagens tornaram-se virais. Amed transformou-se num ícone da resistência palestiniana. Foi detida uns dias depois, acusada em Janeiro e condenada em Março, depois de ter assumido a culpa: passou oito meses na prisão.

A sentença está cumprida, e este domingo Amed Tamimi foi libertada. Na véspera, as autoridades israelitas deram voz de prisão aos dois artistas italianos que pintaram a imagem de Amed Tamini no muro erguido junto aos territórios ocupados, na zona de Belém.

Uma das artistas, Jorita Goch, anunciou ao mundo a sua detenção através do Facebook, onde pede ajuda “a quem a possa ajudar”. Mas ainda não há confirmação oficial da detenção e da acusação.

Amed Tamini foi acusada de “agredir um soldado, ameaçar um soldado, interferir com um soldado no cumprimento do dever, incitar e atirar objectos numa pessoa ou propriedade”. O julgamento decorreu à porta fechada, e acabou com um acordo entre as partes, que permitiu minimizar a pena após a declaração de “culpada” por parte da adolescente.

À saída da prisão, este domingo de manhã, a família Tamimi divulgou um comunicado: “A resistência vai continuar até ao fim da ocupação”.