Costa fará acordos não escritos com PCP e BE

Sem papéis assinados, mas de novo com PCP, PEV e BE. Este é o modelo de acordo pós-legislativas de 2019 que o núcleo-duro do líder do PS deseja, se o partido tiver maioria relativa. Mas sem ceder lugares no Governo.

Foto
Jerónimo de Sousa tem sido elogiado por António Costa nos últimos dias Miguel Manso

Em caso da maioria relativa nas legislativas de 2019, o líder do PS, António Costa, deverá fazer acordos com o PCP, o PEV e o BE, para assegurar a governação dos socialistas num Parlamento em que não tenham maioria absoluta, soube o PÚBLICO.

Entre um novo acordo entre PS, PCP, PEV e BE e aquele que foi feito em Novembro de 2015, de acordo com a análise já feita pelo núcleo-duro de António Costa, que foi relatada ao PÚBLICO por um dirigente ao mais alto nível, a diferença é que esse novo acordo será verbal e não terá de passar por cerimónias protocolares de assinatura de entendimentos como no início da legislatura. Mas obedecerá a um guião acordado entre os três líderes.

O responsável do PS ouvido pelo PÚBLICO frisou mesmo que esta realidade tem sido assumida pelo PCP de forma frontal. “A solução será do mesmo tipo da actual, se não houver maioria absoluta”, afirmou o dirigente socialista, garantido que a hipótese de um acordo formal entre António Costa e Rui Rio não se coloca: “Nem o PS nem o PSD querem o Bloco Central.”

A dificuldade de renovar um acordo à esquerda num cenário pós-legislativas de 2019 em que o PS, embora ganhando, fique em maioria relativa no Parlamento já foi analisado pela direcção máxima do PS. Mas o responsável socialista ouvido pelo PÚBLICO sustenta que o PS acredita na disponibilidade dos actuais parceiros, sobretudo do PCP e logo do PEV, parceiro dos comunistas na coligação eleitoral CDU.

Lembra que o próprio primeiro-ministro, António Costa, já assumiu expressamente no debate do Estado da Nação, a 13 de Julho, que se houve acordo em vigor, isso de deveu à disponibilidade do PCP. Numa referência explícita à disponibilidade manifestada pelo secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, no final do primeiro encontro formal com António Costa, na sede da Soeiro Pereira Gomes, a 7 de Outubro de 2015, ao declarar aos jornalistas: “O PS só não será governo, se não quiser.”

Além disso, como o PÚBLICO então noticiou (28/08/2016), mesmo antes das legislativas de 4 de Outubro de 2015 António Costa estabeleceu contactos com a direcção máxima do PCP para um possível entendimento pós-eleitoral, através de dois dirigentes comunistas que conheceu bem enquanto presidente da Câmara de Lisboa, o ex-presidente da Câmara do Barreiro e ex-presidente da Junta Metropolitana de Lisboa, Carlos Humberto, e o ex-líder parlamentar do PCP e presidente da Câmara de Loures, Bernardino Soares.

Desvalorizando o tom de exigência e agressividade crescentes que o PCP tem assumido em alguns momentos, o responsável da direcção máxima do PS considera que o partido "receia a sanção pelo eleitorado e por isso sobe o tom do discurso reivindicativo”. Mas, o mesmo dirigente socialista advertiu: “Não acredito que PCP desça muito eleitoralmente nas próximas legislativas.”

Acordo com os dois

Por outro lado, segundo o mesmo responsável socialista, a análise feita ao mais alto nível no PS aponta para que não fiquem de fora de um futuro acordo nem PCP nem BE. Isto embora a conclusão da direcção do PS seja de que “o PCP é mais seguro e mais fácil de negociar”, além do que uma solução governativa “negociada só com o BE seria desequilibrada”.

Na direcção socialista, é mesmo admitido que em período pré e pós eleitoral “o PCP pode provocar o BE para que este crie uma crise política” de modo a que, para fora, “fique a imagem de que são eles, os comunistas, a salvação” de uma solução político-parlamentar de esquerda.

A aposta do núcleo-duro da direcção de António Costa é assim a de que as negociações pós-eleitorais com o PCP sejam determinantes. A proximidade entre o que é a análise feita pelos socialistas e comunistas é grande. Tal como Jerónimo de Sousa tem referido e foi sublinhado na entrevista ao PÚBLICO do líder parlamentar do PCP, João Oliveira, o dirigente do PS ouvido pelo PÚBLICO sublinha que há três anos “houve acordo escrito porque [o Presidente da República] Cavaco Silva a isso obrigou, o PCP tem-no dito”. E conclui: “Pode haver entendimento sem nada assinado.” O que permitirá “uma solução de gestão corrente, negociada caso a caso, mas vinculada a um guião pré-acordado.”

Fora do Governo

Afastado pela direcção máxima do PS parece estar um acordo político com o PCP e/ou o BE que passe pelo estabelecer de uma coligação governamental, com os dois partidos à esquerda dos socialistas a assumirem pastas de governação.

Esta questão coloca-se sobretudo pelo que têm sido, nos últimos anos, as declarações feitas por personalidades do BE, desde o ex-líder Francisco Louçã à actual coordenadora, Catarina Martins, de que os bloquistas, dependendo da correlação de forças pós-eleitoral, estariam disponíveis para assumir pastas de governação, tendo mesmo sido apontado por Louçã o nome de Mariana Mortágua como putativa ministra das Finanças.

Este cenário é afastado pelo responsável do PS ao mais alto nível ouvido pelo PÚBLICO. “Da outra vez, não quiseram e têm alegado a correlação de forças, dizendo que só aceitarão quando tiverem uma percentagem de votos mais significativa”, afirma, acrescentando: “Há lá dentro quem queira, o BE está dividido sobre a estratégia a seguir.”

Indo mais longe, o dirigente socialista afirma mesmo: “Eu, sinceramente, vejo mais facilmente o António Filipe sentado no Conselho de Ministros do que a Mariana Mortágua”. E explica que na análise feita pelo núcleo-duro de António Costa a conclusão é a de que “o PCP tem dimensão institucional, tem quadros, tem experiência de governo”. Sublinhando que, na actual legislatura, “o PCP participou na discussão do Portugal 2030 através das autarquias que detém”.

Quanto ao BE, o mesmo dirigente considera que “o Bloco não governou sequer uma junta de freguesia, não tem sentido institucional e não tem discurso sobre o futuro do país”. Além de que, conclui: “A agenda política do BE é gerida pelas primeiras páginas dos jornais.”