Migrações, hipernacionalismos e "Brexit" na visita de Marcelo à Áustria

Presidente luso e primeira-ministra britânica conversaram a pedido desta no intervalo d'A Flauta Mágica em Salzburgo.

May pediu um breve encontro com Marcelo no intervalo da ópera
Foto
May pediu um breve encontro com Marcelo no intervalo da ópera DR/Presidência da República

Marcelo Rebelo de Sousa foi o convidado de honra do Presidente da República da Áustria para a abertura do festival de música de Salzburgo, mas foi a política que marcou esta sua breve visita ao país. As migrações e os refugiados, que têm marcado a actual presidência austríaca da UE, estiveram sempre presentes nas conversas entre Alexander van der Bellen e Marcelo, que na sua intervenção no acto oficial de abertura do festival deixou votos de que esta presidência seja pró-europeia. E acabou por ser o "Brexit" a marcar-lhe a agenda.

O chefe de Estado foi surpreendido por um convite da primeira-ministra britânica para um breve encontro no intervalo da ópera A Flauta Mágica, de Mozart. Theresa May era uma das convidadas do chanceler conservador Sebastian Kurz, que lidera um Governo no qual participa a extrema-direita, para a abertura do festival. No encontro, May disse a Marcelo Rebelo de Sousa que as negociações do "Brexit" estavam a correr bem e que as relações com o Governo português eram as melhores e que se mantinham as melhores ao longo de todas estas negociações, apurou o PÚBLICO.

Já antes Marcelo e May tinham estado juntos no acto oficial de abertura do festival, um acto “muito político”, como disse o próprio chefe de Estado aos jornalistas, relatando que houve "discursos muito fortes pela Europa, pelos valores europeus, pelos direitos humanos, pelo significado da Europa, contra a xenofobia, contra o hipernacionalismo".

"O Presidente austríaco chegou a citar, a certa altura no seu discurso, o tempo de Hitler, para recordar que na altura havia democracia mas não havia democratas e agora é preciso que haja Europa e europeus e que se lute pelos valores", contou Marcelo Rebelo de Sousa, citado pela Lusa. O chefe de Estado português disse ter-se limitado a ouvir e registar que "há verdadeiramente uma posição vital muito forte, que começa no Presidente e percorre a opinião pública no sentido de esta presidência austríaca [da União Eurpeia] só poder ser pró-europeísta". "Espero que assim seja", vincou.

Por várias vezes nesta visita, o tema das migrações e dos refugiados marcou presença. Alexander van der Bellen, um político de esquerda aberto ao acolhimento de migrantes e refugiados num país com um Governo anti-imigração, aproveitou uma das ocasiões para agradecer a Portugal a ajuda prestada a milhares de austríacos antes e durante a II Guerra Mundial, desde logo no acolhimento de mais de cinco mil crianças após o conflito.

Desde que chegou a Salzburgo, na quinta-feira, que Marcelo Rebelo de Sousa quis salientar a proximidade com o presidente austríaco, como quando o cumprimentou pela afirmação dos direitos humanos no acto oficial de abertura do festival. "Mostrou a coragem, a força, a inteligência, a defender a Europa, explicando como e porquê é impossível ter Europa sem pró-europeus, ou seja, sem cidadãos que partilhem os valores e os princípios da Europa, como é impossível haver democracia sem democratas", declarou o chefe de Estado.