Sete ideias para sair esta semana

Dias com arte doce, burros, rendas de bilros, cinema na relva, batalhas e festins.

Foto
Gonçalo Barriga

Doces em dia

Lagos - Complexo Desportivo
Até 29 de Julho

Aviso à navegação: a doçaria algarvia está à prova em Lagos. Com 31 anos de tradição, a Feira Concurso Arte Doce volta a estabelecer-se na cidade para dar a conhecer a prata da casa, que é como quem diz, iguarias como o doce fino (bolinhos de massapão à base de amêndoa), o Dom Rodrigo, o morgado ou o doce de figo. Lagos e o Mar - Terra de Descobertas dá o mote ao certame-competição deste ano, numa alusão ao tempo dos Descobrimentos mas também para mostrar que a paisagem e riqueza da região não se ficam pelas praias e estão à distância de uma dentada. Na ementa estão ainda demonstrações de receitas antigas, provas de vinhos e licores, exposição de artesanato e outros produtos locais, oficina de artes plásticas, ecologia e sustentabilidade, e concertos de Gisela João (sábado) e Nelson Freitas (domingo).
Horário: sábado e domingo, das 18h às 24h (concertos às 22h).
Grátis

PÚBLICO -
Foto
João Henriques

Ordem para burricar

Miranda do Douro - Aldeias de Ífanes e Paradela
Até 29 de Julho

Neste festival, o convite é para relaxar, passear e divertir-se sem pressas. O L Burro I L Gueiteiro - Festival Itinerante de Cultura Tradicional manda “burricar com vagar”. As aldeias mirandesas de Ífanes e Paradela abrem portas a burros, gaiteiros, teatro, cinema, música, dança e gastronomia para mostrar que não estão paradas no tempo mas sabem conservar e celebrar o que o tempo lhes trouxe. Há caminhadas, sestas, sessões de contos, refeições onde não faltam opções vegetarianas, arraiais, piqueniques e oficinas variadas que vão da percussão e gaita-de-foles à dança dos pauliteiros e língua da terra. Do alinhamento musical fazem parte os grupos Zíngarus, Tejedor, Marafona, Forró Miór, Reportório Osório, Ninchi Surf System e, a encerrar esta 16.ª edição (domingo, às 22h), Galandum Galundaina, embaixadores informais da identidade cultural das Terras de Miranda.
Horário: s
ábado e domingo, a partir das 10h.
Bilhetes a 40€ (dia), 65€ (2 dias) e 85€ (passe)
Programa completo em www.aepga.pt

PÚBLICO -
Foto
DR

Com (e pela) tradição

Vila do Conde - Jardins da Avenida Júlio Graça
Até 5 de Agosto

Assume-se como a melhor e maior mostra das artes tradicionais portuguesas. Do alto dos seus 41 anos, a Feira Nacional de Artesanato de Vila do Conde tem lugar assegurado no calendário de festas a não perder. Cento e noventa expositores, de 90 concelhos, em 11 mil metros quadrados, para uma média de 400 mil visitantes/ano. Aos números junta-se a essência: a divulgação das rendas de bilros, a delicada tradição secular classificada pela organização como o ex-líbris do artesanato local, e a celebração da “história de um povo, através do seu labor e dos seus saberes”. Além das rendilheiras, é possível assistir ao trabalho de artesãos dedicados aos têxteis, pedras, madeiras, couros, cerâmica, metais ou vidros. Em Ano Europeu do Património Cultural, também há espaço para a exposição Património e Criatividade, com peças inspiradas nas rendas vila-condenses. O programa passa ainda por Jornadas Gastronómicas, fotografia e animação musical.
Horário: segunda a quinta, das 17h às 24h; sexta e sábado, das 15h às 00h30; domingo, das 15h às 24h.
Grátis

PÚBLICO -
Foto
James Arthur

Próxima estação: Cantanhede

Cantanhede - Parque Expo-Desportivo de S. Mateus
Até 5 de Agosto

Mais do que uma feira agrícola, comercial e industrial (tasquinhas e vinhos regionais incluídos, como manda a etiqueta), a Expofacic afirmou-se há muito também como um festival de música de cartaz bem recheado. Este ano não é excepção. O lote de convidados para a 28.ª edição inclui estrelas nacionais e internacionais como HMB (dia 30), Waterboys e José Cid (31), Ana Moura (1), Nelson Freitas (2), Miguel Araújo e Os Azeitonas (3), James Arthur (4) ou Xutos & Pontapés (5). A animação não fica por aqui. Organizado por diferentes sectores, o recinto tem espaços dedicados aos mais novos, uma feira popular, um picadeiro e uma área de exposições temáticas, onde se destaca Titanic – A Reconstrução, uma viagem ao navio mais famoso do mundo.
Horário: segunda a sexta, a partir das 19h; sábado e domingo, a partir das 10h (excepto 4 e 5 de Agosto, às 16h e às 9h, respectivamente).
Bilhetes a 4€/dia (4 de Agosto, 10€), 35€ (passe)
Programa completo disponível em www.expofacic.pt

PÚBLICO -
Foto
NFactos/Fernando Veludo

Entre batalhas e festins

Santa Maria da Feira - Centro histórico
De 1 a 12 de Agosto

Século XIV, reinado de D. Pedro I. As qualidades de monarca, administrador e protector das classes mais desfavorecidas valeram-lhe o cognome de Justiceiro. O episódio em que vingou com as próprias mãos a morte de D. Inês de Castro, sua eterna amada, fez com que fosse lembrado como O Cruel e O Vingativo. D. Pedro I é a personagem principal da 22.ª Viagem Medieval em Terra de Santa Maria. Durante 12 dias, a História de Portugal sai dos livros transformando o centro histórico numa aula viva. A compor o cenário estão cavaleiros, donzelas, mercadores, artesãos e saltimbancos, todos vestidos a rigor e alimentados com iguarias da época, música medieval e actividades como o treino de escudeiros ou a subida às ameias do castelo, para quem procura uma experiência (ainda) mais realista.
Horário: s
egunda a sexta, das 14h à 1h; sábado e domingo, das 12h à 1h.
Bilhetes de 2,50€ a 4,50€ (dia), 8€ (passe)
Programa completo em www.viagemmedieval.com

PÚBLICO -
Foto
DR

Moranças

Lisboa - Museu Nacional de História Natural e da Ciência
Até 31 de Dezembro de 2019

Em exposição estão 170 imagens, captadas entre 1959 e 1960 pelos arquitectos Fernando Schiappa Campos e António Saragga Seabra e pelo sociólogo Amadeu de Castilho Soares, sobre os habitats tradicionais da Guiné-Bissau. A mostra, que vai buscar o nome à palavra crioula que define um conjunto de casas do mesmo agregado familiar, reúne ainda um conjunto de desenhos de cadernos de campo e artefactos da colecção do Instituto de Investigação Científica Tropical e do Museu Nacional de Etnologia. Ao registo documental é acrescentada a dimensão científica: o acervo constitui “um estudo etnográfico da arquitectura nativa da província ultramarina”, dando a conhecer a vivência destas comunidades, da estrutura familiar à alimentação passando pelos rituais e recursos naturais. A curadoria é de Catarina Mateus e de João Santos.
Horário: terça a sexta, das 10h às 17h; sábado e domingo, das 11h às 18h.
Bilhetes a 5€

PÚBLICO -
Foto
PSML/Luis Duarte

Esplendor na Relva

Sintra - Parque e Palácio de Monserrate
De 3 a 26 de Agosto

O Homem das Mulheres (1961), de Jerry Lewis, é o filme escolhido para a abertura do segundo ciclo de cinema Esplendor na Relva, nos jardins do Palácio de Monserrate. Sob o signo A Herança do Cinema, o cartaz programado pelo cineasta João Mário Grilo propõe uma viagem por algumas das obras-primas do século passado. Serenata à Chuva, de Gene Kelly e Stanley Donen (dia 4) e Quanto Mais Quente Melhor, de Billy Wilder (dia 5), são os outros títulos em exibição no primeiro fim-de-semana. Seguem-se Sentimento, de Luchino Visconti, Fúria de Viver, de Nicholas Ray, e Easy Rider, de Dennis Hopper (dias 10, 11 e 12), e As Aventuras de Robin dos Bosques, de Michael Curtiz, Febre de Sábado à Noite, de John Badham, e Rio Sem Regresso, de Otto Preminger (dias 17, 18 e 19). Para as derradeiras sessões, há encontro com O Feiticeiro de Oz, de Victor Fleming, E.T., de Steven Spielberg, e Os Pássaros, de Alfred Hitchcock (dias 24, 25 e 26). O elemento enigmático não se resume à envolvente natural da serra de Sintra: ao sábado, há Sessões Mistério à meia-noite, no auditório do Palácio.
Horário: sexta, sábado e domingo, às 21h30.
Bilhetes a 5€