O estilo de luta de Killer Kelly varia entre o <i>strong style</i> e o <i>brawler</i>, mas o lado técnico é sempre importante. Aqui, num dos combates de estreia pela WWE.
Foto
O estilo de luta de Killer Kelly varia entre o strong style e o brawler, mas o lado técnico é sempre importante. Aqui, num dos combates de estreia pela WWE. WWE

Perfil

Raquel Lourenço, a designer gráfica que é Killer Kelly nos ringues

A jovem lisboeta já foi “a primeira” em marcos importantes: estreou o título feminino de uma promoção de pro-wrestling alemã, a wXw, e já chegou aos palcos da World Wrestling Entertainment (WWE). Nas horas vagas, enquanto designer gráfica, luta contra os vectores, mas tanto é Raquel como Killer Kelly.

Raquel Lourenço poderia ter atendido a chamada do P3 a partir de qualquer cidade. Por estes dias, é preciso ter sorte para a apanhar fora dos treinos e combates e marcar uma conversa, já que a sua vida, desde Outubro de 2017, tem sido passada entre cá e lá — muitos “lás”, até. Calhou-nos Londres. “Se fosse um dia depois, era Birmingham.” Recuássemos um mês e atenderia de Maryland, nos Estados Unidos, ou de Essen, na Alemanha, onde vive. Espanha, Bélgica e Holanda também entram no roteiro. A vida desta portuguesa de 26 passa por viajar, sim, mas os destinos são sempre os ringues de todas essas cidades. Raquel é pro-wrestler e, horas depois da chamada, num ringue, o seu nome será outro: Killer Kelly.

Nos cartazes promocionais e nas lutas, vemo-la zangada, de protector bocal negro colocado e com o cabelo vermelho cruzado em tranças francesas. Há muitos exemplos para o comprovar, mas um dos cartazes representa o ponto alto (provisório) da sua carreira: aquele da WWE, a maior empresa do mundo de pro-wrestling, ladeada por Isla Dawn e Toni Storm. Para além disso, foi recentemente anunciada como participante no torneio de pro-wrestling feminino “Mae Young Classic”, também da empresa norte-americana. Isto faz de Killer Kelly a primeira portuguesa a lutar pela WWE. Por lá já vimos Shanna, mas não enquanto lutadora, “apenas” como figurante; Justin Credible (Peter Polaco) não conta, era filho de pais portugueses, mas nascido nos EUA; Carlos Rocha, o “Portuguese Champion”, lutou nas versões embrionárias daquilo que hoje é a WWE, a WWWF.

PÚBLICO -
Foto
Cartaz promocional da WWE para o combate em que Killer Kelly lutou contra Toni Storm e Isla Dawn. WWE

Mérito todos têm, mas Raquel já leva um currículo sólido. É que Kelly foi a primeira campeã feminina da Westside Xtreme Wrestling (wXw), promotora alemã onde treina e luta desde que se mudou para a Alemanha, em 2017. “Quando me disseram que ia ser campeã, foi uma surpresa. Ganhei o título em Dezembro e só contava começar a lutar pela wXw em Janeiro”, conta, com o tom de voz a denunciar a importância do acontecimento. Perdeu o título para Toni Storm, um dos nomes mais sonantes na cena independente (para Raquel, “das melhores do mundo”), contra a qual realizou um dos “combates de sonho” que tinha em mente.

Diz que lhe “faz impressão” já ter partilhado o ringue com nomes tão conhecidos como os de LuFisto ou Alpha Female, duas veteranas dos ringues, ou então Kay Lee Ray, por vezes dada a lutas hardcore, com cadeiras, mesas e tudo. Recorda ainda “a luta de dois minutos” com Alexander James nos EUA, em que se lesionou. “Já está tudo bem agora”, adianta.

De Queluz para o mundo, aos socos e pontapés

Antes do toque da campainha, no ringue, agacha-se a apoia os dois braços na corda superior, com os olhos zangados e semblante predatório. Tim-tim-tim, ouve-se; começa o combate. Vamos pô-lo em pausa. “O meu interesse pelo wrestling começou aos sete”, conta-nos, para depois culpar o irmão: “Ele estava a ver, e eu fui chateá-lo. Apaixonei-me quando vi a entrada do Kane”.

PÚBLICO -
Foto
Raquel Lourenço tem 26 anos e é designer freelancer, além de pro-wrestler Miguel Manso

O gigante de 2,13 metros que, num gesto imperativo, baixando os braços, fazia com que cada canto do ringue cuspisse fogo, pode ter encantado a pequena Raquel. No entanto, o mesmo fogo vê-se nos fios de cabelo de Killer Kelly, a girar as tranças que parecem hélices de helicóptero. Antes disso, anos de treino no pro-wrestling, que começou aos 14, na academia do Wrestling Portugal. “Treinei até aos 16. O meu pai não me deixava ir por causa da escola”, recorda.

Entretanto, a universidade: escolheu tirar Design Gráfico na Escola Superior de Tecnologia e Artes de Lisboa, e ainda hoje trabalha na área como freelancer. “Até depois da universidade, o wrestling não me parecia o objectivo real, e, por isso, os espectáculos e os treinos ficaram em segundo plano.” “Há dois anos e meio” decidiu “dar uma última oportunidade”. Vê-se agora o resultado, de cada vez que aplica um side headlock no início de cada luta, para travar a adversária – ou o adversário. Ou quando corre e lança os pés, feitos flechas, à cara do oponente, com os dropkicks  ao canto.  

É que “em Portugal, quase não há raparigas a treinar”. “Em Queluz, havia duas ou três”, explica, justificando o porquê da primeira parte do seu currículo nestas andanças se construir a partir de combates contra homens. “Até prefiro. Os homens aplicam os golpes com mais força, não têm medo de dar um soco ou de levar com um pontapé”, conta, dizendo que “há lutadoras que têm medo de acertar e que lhes acertem”. Toda a gente sabe (menos os mais novos, mas não lhes digam nada por enquanto) que o pro-wrestling é um desporto “falso”: os resultados dos combates são pré-determinados, o que acontece no ringue é quase uma coreografia, e, se prestarmos atenção, vemos que alguns golpes não são assim tão eficazes. Na verdade, tudo segue um roteiro, que opõe um vilão e um herói — heel e babyface, respectivamente, porque temos de tratar as coisas pelos nomes.

Respirar wrestling de dia, ver séries “para desanuviar”

Rótulos à parte, ouça palmas ou “boos!”, os objectivos mantêm-se: recuperar o título da wXw e ganhar o novo título feminino do WWE NXT UK. Trocando por miúdos: a WWE criou uma nova versão de um dos seus programas, o NXT, para o Reino Unido, com um plantel novo. Raquel conta que ainda não tem contrato, mas o facto de já ter participado em dois combates da promotora pode valer novas oportunidades no futuro. Como lutadora independente, não tem seguro, “só o pessoal”, e, para já, não é algo que lhe tire o sono.

PÚBLICO -
Foto
Depois do combate contra Mille Mckenzie, na estreia da portuguesa no Reino Unido. OliRingside

“Monetariamente compensa muito”, conta. Agora ainda mais: se dantes era Raquel a mandar o “currículo” de pro-wrestler  (com vídeos e fotografias de combates e da própria personagem) para diversas empresas, depois da participação na WWE “já começa a ser ao contrário”. Apesar de “estar sempre nervosa e de ter medo que algo corra mal”, as coisas acabam por fluir dentro do ringue, fruto de um modo de vida totalmente dedicado ao pro-wrestling, com trabalhos esporádicos em design gráfico pelo meio.

Para ser uma pro-wrestler, há cuidados a manter. Conta ao P3 que o seu dia se preenche, em parte, com o ginásio, e que, “duas vezes por semana”, há treinos a cumprir. A alimentação também tem grande peso na balança, mas Raquel confessa não ter prestado “muita atenção a essa parte” nos últimos dias — e não é por comer o que não deve. “Devia estar a comer mais e também sou preguiçosa para contar todos os nutrientes.” 

“Às vezes falto aos treinos porque tenho espectáculos com a promoção em várias cidades da Alemanha”, acrescenta. Um desses combates será o desempate entre Killer Kelly e Millie McKenzie, a rivalidade que já fez sair a portuguesa com a cara ensanguentada de uma das lutas. Para se abstrair do pro-wrestling, Raquel vê “muitas séries”, de preferência sem referências à luta livre. O pensamento, porém, está sempre lançado sobre o futuro. Para além dos campeonatos atrás referidos, a destemida Killer Kelly aponta dois nomes dentro da WWE como “adversárias de sonho”: Charlotte, a cara da revolução do wrestling feminino dentro da companhia e campeã por sete vezes, e Asuka, a japonesa que até há bem pouco tempo carregava a maior série de vitórias consecutivas de sempre, sem qualquer derrota.

Lutar e aprender no Japão é, também, um dos objectivos da lutadora portuguesa: por lá, os “golpes são mais duros” (stiff, voltemos ao dicionário do pro-wrestling), e isso, na sua opinião, “dá mais legitimidade à luta”. A estimativa é “fazer isto até aos 35 anos”. Até ao “one, two, three” final, na vitória ou na derrota, saberemos que Killer Kelly já fez história antes. Tim-tim-tim, a carreira de Raquel Lourenço está só a começar.