Opinião

O núcleo sportinguista da Assembleia da República

É preciso não ter nada na cabeça para achar que em 2018 o Parlamento é o lugar certo para promover núcleos futebolísticos e ouvir candidatos de clubes em campanha eleitoral.

O título da notícia dizia isto: “Bruno de Carvalho satisfeito com receptividade dos deputados leoninos”. Era um take da Lusa que nos informava que Bruno de Carvalho estivera reunido na quinta-feira com – e cito – o “núcleo de deputados sportinguistas na Assembleia da República”. Nem sequer fora o primeiro. “Depois de Frederico Varandas e Fernando Tavares Pereira, ambos na terça-feira, e Carlos Vieira, também esta quinta-feira, foi a vez do ex-líder leonino explanar as suas ideias aos deputados afectos ao clube de Alvalade, numa sessão de esclarecimento que durou perto de duas horas.”

Fiquei a olhar para aquilo com genuíno espanto – um “núcleo de deputados sportinguistas” a fazer audições no Parlamento aos candidatos do clube? Eu já conhecia o péssimo hábito de organizar uns repastos anuais entre deputados e presidentes do futebol. O jornal i até fez em Fevereiro um trabalho sobre esses jantares, procurando saber quem organizava e quem pagava a conta. Aprendi nesse artigo do jornalista Luís Claro que o jantar do FC Porto já se realiza há 20 anos no restaurante da Assembleia da República. Os deputados portistas assumem os custos – sendo o jantar no Parlamento, desconfio que parte deles assumimos nós – e Pinto da Costa ainda leva prendinha para casa (em 2018, “uma bandeja e um açucareiro de porcelana num valor a rondar os 80 euros”). O jantar do Sporting segue a mesma lógica: restaurante do Parlamento e deputados a fazer uma vaquinha para pagar a parte do seu presidente. O jantar anual dos deputados do Benfica realiza-se no restaurante Catedral da Cerveja, o que, sendo na mesma foleiro, sempre é um pouco mais digno.

Aquilo de que nunca tinha tomado consciência – embora, em bom rigor, tivesse sido aflorado no artigo – era que os deputados têm um núcleo formal de apoio aos seus clubes constituído na Assembleia da República. O Benfica formou o dele em 2016, juntando deputados actuais e antigos e funcionários do Parlamento. O Sporting deu o pontapé de saída em 2015, com o referido “núcleo sportinguista”, onde todos os partidos estão representados, excepto o Bloco de Esquerda e o PAN.

Fascinado com isto, fui à procura desse gesto fundador. Encontrei notícias de Março de 2015 no Sapo Desporto e no DN: “Núcleo sportinguista formado na Assembleia da República”. Aí somos informados do regozijo de Ferro Rodrigues pela iniciativa (até assumiu a presidência da mesa da assembleia geral), e também que o presidente da nova agremiação, José Manuel Araújo, declarou orgulhosamente que aquele era o “primeiro núcleo criado num Parlamento na Europa”. Infelizmente, parece que nem Ferro Rodrigues, nem o senhor Araújo, terão perguntado aos seus botões: “Curioso, porque é que nenhum deputado europeu se terá lembrado disto antes?”

Atrevo-me a avançar com uma explicação: talvez por ser uma absoluta vergonha? Faz tanto sentido existir um núcleo sportinguista ou um núcleo benfiquista na Assembleia da República, como faz sentido existir o Núcleo de Deputados às Ordens da EDP ou o Núcleo de Deputados Amigos de Angola. Pergunto: os deputados lerão notícias? Será que desconhecem o estado do futebol nacional? Vão desculpar-me, mas é preciso não ter nada na cabeça para achar que em 2018 o Parlamento é o lugar certo para promover núcleos futebolísticos e ouvir candidatos de clubes em campanha eleitoral. Caros deputados: os senhores são representantes do povo português. Dêem-se ao respeito, por favor.