Governo garante que Portugal não fica desprotegido com envio de aviões para a Suécia

Aviões de combate a incêndios partiram nesta terça-feira e devem chegar à Suécia na quarta-feira ao final da tarde. Secretário de Estado garante que Portugal, para já, está em posição de prestar ajuda, apesar de admitir situação vulnerável no país.

O secretário de Estado da Proteção Civil (à esquerda) assiste à partida dos dois aviões de apoio
Foto
O secretário de Estado da Proteção Civil (à esquerda) assiste à partida dos dois aviões de apoio LUSA/PEDRO SARMENTO COSTA

O secretário de Estado da Protecção Civil afirmou nesta terça-feira, após a partida de dois aviões para a Suécia, que Portugal não fica desprotegido e que o dispositivo nacional de combate a incêndios é flexível e ajustável às necessidades.

José Artur Neves esteve esta manhã, no centro de meios aéreos de Vila Real, de onde partiram os dois aviões médios anfíbios disponibilizados à Suécia pelo Governo português para ajudar a combater os incêndios naquele país.

Estes meios aéreos, estacionados em Vila Real, prestam apoio a toda a região Norte do país. O secretário de Estado garantiu que "não haverá nenhum local do país que fique desprotegido por esta ou aquela decisão".

"O dispositivo é flexível, ele ajusta-se às necessidades e ao risco que, a cada momento, é elencado, desenvolvido e programado pela Autoridade Nacional de Protecção Civil", afirmou o governante. Por isso mesmo, garantiu, os meios serão pré-posicionados "sempre que o risco estiver mais localizado num determinado local".

Na frota nacional, segundo o secretário de Estado, ficam seis aviões médios. O dispositivo é ainda composto por mais dois aviões pesados e 40 helicópteros de primeira intervenção posicionados em todo o país. Portanto, frisou, feita a avaliação verificou-se que não havia, neste momento, problema em o país emprestar esta ajuda.

"As projecções que temos até ao dia 31 permitem-nos tomar a decisão de darmos esta ajuda à Suécia, avaliaremos em cada momento e rapidamente também faremos voltar estes meios que em 48 horas estarão cá", salientou.

No entanto, ressalvou que, em Portugal, a situação é vulnerável.

"Temos mais de dois milhões de hectares de floresta que têm risco, mais de seis mil aldeias também em risco, desenvolvemos os trabalhos de prevenção e também de autoprotecção das aldeias, estamos a fazer uma previsão permanente das condições atmosféricas e, naturalmente, que as condições em Portugal são sempre delicadas", referiu.

Desde o início do ano, adiantou, foram registados seis mil incêndios.

"Todos os dias temos incêndios, mas o dispositivo que temos no terreno, neste momento, com 56 meios aéreos, menos dois dá 54. Mesmo assim é mais do que aquilo que tivemos nos últimos cinco anos que eram 48", referiu.

Os dois aviões médios anfíbios, com capacidade para três mil litros de água cada um, partiram de Vila Real por volta das 10h00 e deverão chegar à Suécia na quarta-feira ao final da tarde.

Além dos dois aviões, mobilizados para a Suécia ao abrigo do Mecanismo Europeu de Protecção Civil, a Força Aérea Portuguesa disponibiliza também um voo de apoio (C295), que transportará cerca de 700 quilos de equipamentos para apoio à operação dos meios aéreos.