Eduardo Barroso sofre enfarte e é hospitalizado de urgência

O cirurgião pioneiro no transplante de fígado foi submetido a um cateterismo. Este domingo, teve a visita do ministro da Saúde e o seu estado não requer cuidados especiais.

Eduardo Barroso
Foto
Miguel A. Lopes/Lusa

Eduardo Barroso, de férias no Algarve, sofreu um enfarte e foi internado neste sábado de urgência no Hospital de Faro (HF). Após ter sido submetido a um cateterismo, o seu estado de saúde não requer cuidados especiais. De acordo com a equipa clínica que o assiste, deverá ter alta esta segunda-feira. O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, fez-lhe uma visita de cortesia na manhã deste domingo e aproveitou a ocasião para se inteirar do actual funcionamento do Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA), de que faz parte o HF – alvo de críticas e protestos constantes, por falta de recursos técnicos e meios de funcionamento.

Eduardo Barroso, de 69 anos, foi pioneiro no transplante de fígado. Está à beira da reforma, mas ainda é director do Centro Hepato-Bilio-Pancreático do Hospital Curry Cabral, em Lisboa. Neste sábado, cerca das 20h00, deu entrada no serviço de urgência do HF, vítima de um problema cardíaco. Segundo a equipa médica que o assiste, a intervenção vascular a que foi submetido, a cargo do cardiologista Vítor Brandão, correu bem, e não requer cuidados especiais. Quando Adalberto Campos Fernandes o visitou, enfatizaram, “encontrava-se muito bem-disposto”. Do rol dos problemas com que se debate o Serviço Nacional de Saúde (SNS) na região, a falta de anestesistas é a mais premente. As operações programadas, sistematicamente, são adiadas por falta de médicos desta especialidade. 

O ministro Adalberto Campos Fernandes aproveitou a deslocação a Faro para conhecer, mais de perto, o estado da saúde na região. O diagnóstico esteve a cargo da presidente do conselho de Administração do CHUA, Ana Paula Gonçalves e do presidente da Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve, Paulo Morgado, que o receberam. Os hospitais de Faro e Portimão, reafirmaram, continuam com falta de pessoal – especialmente médicos especialistas e meios de funcionamento. Regra geral, os concursos públicos ficam desertos - esbarram na falta de interessados. Apesar das boas condições climáticas que a região oferece, parecem não existir outras motivações para atrair profissionais de saúde - nomeadamente perspectivas de evolução na carreira.

A construção de um novo Hospital Central do Algarve (CHA), ligado ao ensino da medicina na Universidade do Algarve, tem sido uma das propostas sugeridas para aumentar a atractividade turística e a qualidade de vida das populações. De resto, esta questão já serviu de pretexto para o lançamento de duas “primeiras pedras” do edifício, nos governos do PS, mas a obra continua por concretizar. O presidente do PS-Algarve retoma a reivindicação. “O novo CHA tem de ser uma realidade no próximo Quadro Comunitário de Apoio”, diz Luís Graça, defendendo que a região tem de saber responder ao crescimento que está a ter. O compromisso do Governo é que esta seja uma matéria a integrar o próximo Orçamento de Estado, mas com verbas apenas para “actualizar o estudo” feito há muitos anos.