Opinião

Este país não é para gente honesta

Enquanto esta mentalidade perdurar, não há nada a fazer. Teremos sempre Pedrógão. Como teremos sempre a PT.

Olhar para as capas das revistas Sábado e Visão na passada quinta-feira, bem juntinhas numa banca de jornais, era uma dor de alma. Na capa da Sábado tínhamos Ricardo Salgado, José Sócrates, Henrique Granadeiro e Zeinal Bava, e por cima o título “O assalto à PT – Saiba como eles destruíram a maior empresa portuguesa”. Lá dentro havia pormenores inéditos sobre a queda da PT e a informação – para que todos tenhamos uma boa noção do valor ali destruído – de que em 20 anos a empresa distribuiu “11,7 mil milhões de euros de dividendos” por “pequenos e grandes accionistas”. A capa da Visão, por seu lado, trazia a investigação sobre o chocante aproveitamento dos dinheiros de Pedrógão para a reconstrução irregular de casas: “O truque de alterar a morada fiscal, depois dos incêndios, funcionou: várias habitações foram reabilitadas, apesar de já estarem em ruínas antes do fogo ou de nem serem residência permanente dos proprietários.”

Aquelas duas capas, postas lado a lado, dizem mais sobre Portugal do que uma estante inteira de livros de Sociologia, História e Ciência Política. Elas explicam exemplarmente o fracasso do país, a sua incapacidade de convergir com os países mais avançados, a nossa eterna presença na cauda da Europa, esta sensação angustiante de estarmos sempre a perder o comboio do desenvolvimento. Sobre o escândalo da PT, do BES ou do governo Sócrates já muito foi dito e escrito. Não vale a pena repetir-me, ainda que todos os dias me continue a perguntar como foi possível. Mas a investigação sobre as casas de Pedrógão, onde é revelado um desvio de fundos na ordem do meio milhão de euros – valor significativo quando olhamos para o montante global da reconstrução (dez milhões), mas ridículo face à dimensão das grandes golpadas – na recuperação de habitações inelegíveis ou não-prioritárias, é tão relevante para a explicação dos constrangimentos do país quanto o desaparecimento da PT.

O esquema que está na base do desvio de dinheiro de Pedrógão – a alteração da morada fiscal, para fazer passar uma segunda morada por primeira – é comum a outras situações. Os deputados da nação fazem o mesmo para receber indevidamente subsídio de deslocação – e os serviços do Parlamento dizem que não é nada com eles. Tal como a recente mudança nas regras de acesso às escolas provocou uma corrida à alteração da morada fiscal no cartão de cidadão – parece que ainda ficou mais fácil do que antes aldrabar o local onde se vive.

Há mais. Perante todas as suspeitas, veja-se a postura do presidente da Câmara de Pedrógão Grande, Valdemar Alves. Primeiro, não respondeu às perguntas da Visão. Depois, disse à TV que era “uma afronta” e “uma perseguição”. Seguiram-se queixas de “denúncias de má-fé” e de ser um “trabalho jornalístico encomendado”. E concluiu dizendo que é “inveja do trabalho que foi feito”. É o método socrático da cabala aplicado na perfeição.

Eis a triste verdade: Portugal não é para gente honesta. Isto não significa que não existam pessoas honestas, mas que a relação dos portugueses com o Estado é em simultâneo de dependência e de desconfiança, o que se traduz numa cultura de arranjinhos, à qual só os parvos não aderem. Ninguém sente que o dinheiro do Estado é de todos – o dinheiro do Estado é de ninguém. Apropriarmo-nos dele através de golpes grandes ou pequenos demonstra inteligência, não falta de carácter. E enquanto esta mentalidade perdurar, não há nada a fazer. Teremos sempre Pedrógão. Como teremos sempre a PT.