Presidente acredita que orçamento vai ser "aprovado sem problema"

Marcelo Rebelo de Sousa disse que o orçamento para o Sistema Nacional de Saúde vai ser o grande tema de debate do segundo semestre.

Presidente da República estava no Festival Internacional de Música do Marvão
Foto
Presidente da República estava no Festival Internacional de Música do Marvão LUSA/NUNO VEIGA

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse este sábado acreditar que o Orçamento do Estado para 2019 vai ser “aprovado sem problema”.

“Como tenho dito, aquilo que sinto e que penso, na base da realidade política portuguesa, é de que o orçamento será aprovado sem problema”, afirmou o Presidente da República, em Marvão, no distrito de Portalegre.

Antes de assistir a um concerto no Festival Internacional de Música do Marvão (FIMM) e após uma recepção ao corpo diplomático em Portugal, nesta sede de concelho alentejana, o Chefe de Estado disse também aos jornalistas ter “boas” expectativas sobre os encontros com os partidos que estão agendados para 30 e 31 deste mês.

“Eu tenho boas [expectativas]. Claro que é, não direi uma rotina, mas é um hábito adquirido, ouvi-los periodicamente. Não tem nada de dramático, precisamente a ideia é desdramatizar, ouvi-los serenamente sobre as perspectivas no futuro imediato”, acrescentou.

Questionado sobre a notícia deste sábado do semanário Expresso que refere que o orçamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS) “é o mais baixo dos últimos 15 anos”, Marcelo Rebelo de Sousa escusou-se a comentar directamente.

Mas, segundo o Presidente da República, o SNS “será o grande tema de debate na execução do orçamento actual, neste segundo semestre, e depois na preparação do OE para o ano que vem”.

“E penso que aí, obviamente, haverá um debate muito interessante sobre esse tema, uma vez que a saúde é uma prioridade social para todos os portugueses”.

O Chefe de Estado disse ainda esperar que, no OE2019, o SNS “tenha a atenção que corresponde à vontade de todos, Governo e oposição”, assim como de “todos os portugueses”.

“Penso que há aí há um consenso nacional”, sublinhou Marcelo Rebelo de Sousa.

As alegadas falhas no Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) foi outro dos assuntos sobre o qual Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações aos jornalistas, preferiu não se pronunciar, limitando-se a afirmar que está a iniciar-se uma fase do combate aos incêndios que “exige congregação de todas as iniciativas e de todos os esforços”.

“Portanto, tudo o que seja especular, introduzir ruído nesta fase, não faz sentido”, frisou.

Quanto à greve dos professores às avaliações finais dos alunos, sobre a qual também foi questionado pelos jornalistas, o Chefe de Estado limitou-se a lembrar que “está a decorrer um prazo, até ao final do mês, que é considerado fundamental, quer por professores, quer por directores de escola”, sendo “prematuro” qualquer comentário.