Entrevista

Brasil: o “eterno país do futuro” que se viu “atolado no passado”

Há um país em "profundo desencanto" e em crise. Mas há também resistência e reinvenção. Os "Brasis" possíveis pelos olhos da jornalista, documentarista e escritora Eliane Brum.
Foto
Eliane Brum é repórter, documentarista e escritora Lilo Clareto

Se perante um acontecimento o mundo estiver a olhar para um lado, é provável que Eliane Brum esteja a fitar o sentido contrário. Repórter, documentarista e escritora, nascida em 1966 em Ijuí, no Brasil, Eliane define-se como “uma escutadeira que escreve” — porque acredita que é nesse dom de saber ouvir que está boa parte do segredo de um bom jornalista. E ela escuta, muitas vezes “a vida que ninguém vê” (como diz o título de um dos seus livros), as que raramente são notícia, encontrando nelas o princípio de tudo. Na Amazónia, onde faz reportagem há 20 anos e para onde se mudou em Agosto passado, tem conhecido esse Brasil que não faz manchetes de jornal. Nesse país que jamais se conjuga no singular pode estar a resposta de futuro, disse ao P3 numa mini-entrevista feita por email. As lições dos invisíveis, as crises do Brasil, erros e virtudes e as novas gerações num breve olhar da jornalista mais premiada do Brasil, autora de vários livros e colaboradora do El País e do The Guardian.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Para uma “escutadeira” de histórias, como você mesma se define, alguém que está habituada a ver as vidas que ninguém vê, que narrativas tem ouvido nesse Brasil de hoje que ainda a surpreendem?
Acho que não se pode falar no Brasil no singular. São Brasis, muito diferentes entre si. Embora esse seja um momento extremamente duro para o país — e para boa parte do mundo —, há Brasis invisíveis com uma imensa força criadora. Faço reportagens na Amazónia há duas décadas, mas desde Agosto do ano passado moro em Altamira (Pará), no rio Xingu, e acompanho muito de perto os movimentos dos povos da floresta. Nessa época em que a mudança climática provocada pela nossa espécie se tornou o grande desafio, esses povos nos apontam uma outra forma de ser e de estar no mundo. Temos muito a aprender com eles se quisermos ter uma vida possível neste planeta. Eles nos trazem uma outra relação com o tempo e com os recursos naturais. Essa relação questiona profundamente as escolhas que nos trouxeram até esse momento tão grave. Acho fascinante escutar pessoas que vivem a partir de lógicas tão diferentes, que questionam com sua própria existência aquilo que naturalizamos como o único jeito de viver. Pergunto a eles o que é pobreza, eles me dizem que “ser pobre é não ter escolha”. Pergunto o que é riqueza, eles me dizem que “ser rico é não precisar de dinheiro para viver bem”. O orgulho da maioria dos ribeirinhos da Amazónia, por exemplo, é nunca ter tido um emprego ou um patrão, é ter vivido uma vida sem ninguém mandando neles. Vivem da floresta, mas sem uma lógica de posse da floresta. É importante perceber que, hoje, talvez a única relevância do Brasil no cenário internacional é ter no seu território a maior porção da maior floresta tropical do mundo. Mas, se existe floresta em pé, é por conta dos povos da floresta. Onde eles já foram expulsos ou exterminados, a devastação é enorme. O conhecimento dos povos da floresta, que são os que eu escuto como repórter actualmente, é fundamental para que o Brasil possa criar uma experiência diferente de todas as outras em vez de copiar, e copiar mal, experiências de outros países que já se mostraram perversas e excludentes. Infelizmente, o Brasil que detém o poder económico e político ignora os Brasis mais originais e, aceleradamente, os destrói.

O meu trabalho centra-se nessa vaga migratória de brasileiros que está a ver em Portugal uma geografia de futuro que de certa forma deixou de encontrar no Brasil. Como tem acompanhado esse fenómeno e de que forma acha que ele pode reflectir-se no futuro do seu país?
Uma grande questão do nosso tempo, e não só no Brasil, é a dificuldade de imaginar um futuro que não seja uma distopia. Duas crises muito profundas nos levaram a essa situação: a crise climática e a crise da democracia como sistema capaz de garantir a melhoria da vida das pessoas. Quando a gente não consegue imaginar um futuro, fica muito difícil viver no presente. O presente é resultado também do futuro que somos capazes de imaginar.
No Brasil, esse momento é agravado por um profundo desencanto. Essa actual geração de jovens brasileiros cresceu na primeira década deste século, um período em que o Brasil, eterno país do futuro, acreditou ter finalmente chegado ao presente. Nos últimos anos, porém, o Brasil se descobriu atolado no passado. E se descobriu de forma brutal e acelerada. Por quase uma década acreditamos ter uma democracia estável, a pobreza havia diminuído, grandes eventos mundiais seriam sediados no Brasil, como a Copa de 2014 e a Olimpíada de 2016, e o futuro parecia não só garantido, como brilhante. De repente, tudo se corroeu de forma acelerada, a corrupção virou a marca do país, a mudança pela via da política se tornou desacreditada, os ódios explodiram, os conflitos históricos, aqueles que jamais foram enfrentados com o empenho necessário, como o racismo e a desigualdade, se revelaram em toda a sua urgência. Assim, o desejo de buscar um outro país onde seja possível imaginar um futuro no qual se queira viver é compreensível.
Por outro lado, acho triste que parte dessa geração não consiga se sentir responsável pela criação de um futuro possível. Acho que a desresponsabilização também é uma marca da juventude actual. Corroemos o sentido de comunidade e de convivência entre os diferentes, o que resulta na corrosão do sentido de responsabilidade com o outro. As soluções acabam sendo sempre pela via individual, o que importa é salvar o meu ou aquilo que é dos “meus”, em vez de buscar juntos, construir juntos, se sentir parte da criação de um país possível para a maioria.
Então, se é legítimo buscar um lugar melhor para viver, também é triste não se sentir responsável por criar um futuro possível, não se sentir parte da construção de um país mais igualitário, não achar que tenha algo a ver com a sua comunidade. Mas esta é uma parcela dessa geração, não o todo. Quem anda pelos Brasis vê muitos jovens pressionando pela ampliação da participação democrática, criando alternativas criativas e fazendo movimentos de mudança. Tenho conhecido jovens maravilhosos, totalmente comprometidos com a refundação tanto da democracia como do sentido de comunidade.

Foto
Lilo Clareto