Lewis Hamilton vai conduzir um Mercedes até 2020

O piloto britânico mantém uma ligação à marca alemã há mais de 20 anos.

Lewis Hamilton, Campeonato Mundial de Fórmula 1 de 2018, Mercedes AMG Petronas F1 Team, Grande Prémio de Inglaterra de 2018, Grande Prémio do Canadá de 2018, Scuderia Ferrari, Grande Prémio da Austrália, Grande Prémio do Azerbaijão, Grande Prémio do Mónaco
Foto
Lewis Hamilton BRANDON MALONE/Reuters

O piloto britânico Lewis Hamilton, tetracampeão mundial de Fórmula 1 (F1) e segundo classificado no campeonato deste ano, prolongou o contrato por dois anos com a Mercedes, até 2020, anunciou nesta quinta-feira a escuderia alemã.

"Faço parte da família de competição da Mercedes há 20 anos e nunca fui tão feliz como sou agora", explicou Hamilton, campeão do mundo em 2008, 2014, 2015 e 2017 - os três últimos na equipa oficial da Mercedes -, considerando que a assinatura do novo contrato foi uma "formalidade".

O anúncio foi feito à margem do Grande Prémio da Alemanha, no circuito de Hockenheim, e, apesar de não terem sido revelados valores, a comunicação social britânica noticia que Hamilton receberá 40 milhões de libras (44,8 milhões de euros).

O piloto britânico, de 33 anos, venceu 65 corridas na F1, 44 das quais ao volante de um monolugar da Mercedes, tendo terminado 124 vezes no pódio e assumindo-se como o recordista de "pole positions" da categoria rainha do desporto automóvel, com 76.

"A Mercedes tornou-se a casa de Lewis [Hamilton] na F1 e a sua história estará para sempre ligada ao prateado e verde da Mercedes-AMG Petronas", observou o patrão da escuderia germânica, Toto Wolff.

Nos últimos quatro anos, a Mercedes sagrou-se sempre campeã mundial de construtores e conquistou quatro títulos de pilotos, três por Hamilton e um com o alemão Nico Rosberg, mas, a meio do campeonato de 2018, o britânico está em segundo lugar, a oito pontos do alemão Sebastian Vettel (Ferrari).