Muitas centenas de pessoas na despedida de João Semedo

Ex-deputado do Bloco vai ser alvo de uma homenagem já nesta quinta-feira no Teatro Municipal do Porto – Rivoli.

,
Fotogaleria
LUSA/JOSÉ COELHO
Veículo de luxo, Carro, Carro de tamanho médio, Carro compacto, Veículo a motor
Fotogaleria
LUSA/JOSÉ COELHO
Óculos de sol, cabelos longos
Fotogaleria
LUSA/JOSÉ COELHO
,
Fotogaleria
LUSA/JOSÉ COELHO
Carro, Moda, Socialite
Fotogaleria
LUSA/JOSÉ COELHO
,
Fotogaleria
LUSA/JOSÉ COELHO
Carro
Fotogaleria
LUSA/JOSÉ COELHO

Muitos amigos, centenas de pessoas anónimas e diversas figuras públicas prestaram esta quarta-feira a última homenagem ao ex-dirigente do Bloco de Esquerda, João Semedo, considerado um “combatente”, “uma pessoa singular da vida política e da cultura portuguesa,” que “nunca deixou de defender, convictamente, as suas posições”.

João Semedo morreu esta terça-feira depois de uma longa luta inglória contra um cancro, que lhe tirou a vida aos 67 anos. O velório decorreu nas instalações da Cooperativa Árvore, no Porto, uma casa que o ex-coordenador do Bloco conhecia bem desde os tempos da clandestinidade, pois era neste espaço que se reunia com outras figuras antifascistas. O ex-jornalista e historiador, Germano Silva, disse ao PÚBLICO que conheceu Semedo precisamente neste local, era ele ainda muito jovem. “Nós reuníamo-nos aqui com outros antifascistas para discutirmos política antes do 25 de Abril, clandestinamente", conta Germano Silva, que recorda o seu amigo como sendo um “homem extraordinariamente generoso” e um “zeloso defensor do Serviço Nacional de Saúde”.

Com o primeiro-ministro, António Costa, ausente em Cabo Verde, coube à ministra da Presidência, Maria Manuel Leitão Marques, representar o Governo na despedida do antigo deputado. A ministra falou de João Semedo como “uma pessoa dedicada à causa pública, capaz de fazer pontes para um Portugal melhor”.

Em declarações aos jornalistas, Maria Manuel Leitão Marques disse que aquilo que guarda dele é a “imagem de uma pessoa dedicada à causa pública", mas também de “alguém que deixou muitos legados, como médico, na defesa do Serviço Nacional de Saúde", mas também como “homem, combatente, antifascista e democrata”.

O presidente da Assembleia da República (AR), Ferro Rodrigues, enalteceu as qualidades do antigo deputado do BE, um “homem invulgar, um lutador de grande inteligência e humanidade”. “Julgo que é com toda a justiça que esse consenso existe, e não só com justiça, mas com toda a sinceridade”, declarou o presidente da AR que quis “homenagear” em seu nome pessoal e no da Assembleia da República João Semedo, um “homem de grande inteligência e de grande humanidade”, nomeadamente pela forma como se bateu, "defendendo as suas convicções até ao último minuto”.

Enquanto cá fora, figuras públicas davam o seu testemunho em relação a João Semedo, muita gente anónima entrava na Cooperativa Árvore para um último adeus ao ex-coordenador do Bloco de Esquerda. A desafogada sala onde a urna se encontrava depositada esteve sempre repleta de gente e de milhares de flores, das quais sobressaíam os tons brancos e vermelhos.

Quando faltava meia hora para o féretro partir rumo ao cemitério Prado do Repouso, onde o corpo seria cremado, a família do político (a mulher Ana Maria e o filho Miguel Semedo) pediu ao deputado José Manuel Pureza que lesse o comovente texto que escreveu esta terça-feira no Expresso diário, intitulado Aquele em quem Confiávamos, sobre Semedo, a quem chamava "irmão mais velho".

O ex-líder da bancada parlamentar do Bloco foi ouvido num silêncio sepulcral e quando terminou na sala ouviu-se uma sonora salva de palmas. Foi a primeira despedida. A segunda aconteceu quando o caixão, transportado por Miguel Semedo, Francisco Louçã, José Soeiro, José Manuel Pureza, Mariana Mortágua e Jorge Costa foi colocado no carro fúnebre. As palmas ouvem-se de novo e vêem-se muitos rostos tristes.

De cravo vermelho na mão, a coordenadora do Bloco, Catarina Martins, emociona-se ao ver João Semedo partir de vez. A emoção naquele momento era também visível nos rostos dos deputados José Manuel Pureza e José Soeiro. Mas muitos outros estavam tristes com a partida de um homem que foi elogiado da esquerda à direita.

O Parlamento deverá aprovar ainda nesta quarta-feira um voto de pesar pela morte do deputado João Semedo.

Para esta quinta-feira, está já marcada uma homenagem ao ex-coordenador do Bloco de Esquerda, no Rivoli-Teatro Municipal do Porto, pelas 21h. Nesta homenagem estará presente Catarina Martins que partilhou a coordenação do BE com João Semedo entre 2012 e 2015.