Antibiótico e baunilha? Pode ter bons resultados

Cientista portuguesa na Alemanha é a primeira autora de uma investigação a quase 3000 combinações de fármacos para combater três bactérias causadoras de doenças.

Centros de Controle e Prevenção de Doenças, Resistência antimicrobiana, Bactérias, Pseudomonas aeruginosa, Bacteriocina
Foto
A bactéria a Pseudomonas aeruginosa afecta sobretudo indivíduos com o sistema imunitário comprometido e é uma das principais causas de infecções hospitalares Centros para o Controlo e Prevenção das Doenças dos EUA

Em tempos de crise, como a que vivemos com as preocupantes resistências antimicrobianas pelo uso e abuso de antibióticos, os cientistas procuram soluções em todas as frentes. Uma equipa de investigadores avaliou a eficácia de quase três mil combinações de fármacos com outras substâncias químicas e também aditivos alimentares e descobriu que há estranhas associações que podem tornar os antibióticos mais eficazes. Entre outros testes, observaram, por exemplo, o que acontecia se juntássemos a vanilina, o principal composto químico da essência de baunilha, a um velho antibiótico que perdeu a eficácia na luta contra a gonorreia. Perceberam que este inusitado casamento resultava numa inesperada eficácia do antibiótico. O trabalho, que tem a investigadora portuguesa Ana Rita Brochado como primeira autora, foi publicado na revista Nature.

A equipa coordenada por investigadores do Laboratório Europeu de Biologia Molecular, em Heildelberg, na Alemanha, mostrou como a eficácia dos antibióticos pode ser alterada quando os combinamos com outros antibióticos, com outro tipo de substâncias químicas ou mesmo com aditivos alimentares, como a vanilina. Os alvos das experiências foram as três conhecidas bactérias patogénicas – a Escherichia coli, a Salmonella enterica do serótipo Typhimurium e a Pseudomonas aeruginosa – que constam da lista de agentes infecciosos de alta prioridade definida pela Organização Mundial de Saúde, por serem particularmente resistentes a antibióticos.

“Dependendo das espécies de bactérias, algumas combinações travaram um desempenho do potencial total dos antibióticos, enquanto outras começaram por derrotar a resistência ao antibiótico”, refere um comunicado de imprensa sobre o estudo. Foram avaliadas quase três mil combinações de fármacos e identificadas mais de 500 combinações que ajudaram a melhorar a eficácia do antibiótico.

“As três mil combinações foram testadas em seis estirpes de três bactérias patogénicas, e 500 combinações são eficazes contra pelo menos uma estirpe”, especifica Ana Rita Brochado ao PÚBLICO. Uma selecção das melhores parcerias foi ainda usada para testes com bactérias multirresistentes, isoladas em doentes em hospitais, e também revelaram ser capazes de melhorar o efeito dos antibióticos.

Entre todos os testes realizados, os cientistas destacam as experiências com a vanilina. “Foi uma das mais efectivas e promissoras sinergias identificadas”, constata a investigadora portuguesa no comunicado de imprensa. “Quando a vanilina – o composto que dá à baunilha o seu sabor característico – foi emparelhada com um antibiótico específico conhecido como espectinomicina, ajudou o antibiótico a penetrar nas células bacterianas e a inibir o seu crescimento”, refere ainda o comunicado, que adianta que a espectinomicina “foi originalmente desenvolvida no início da década de 1960 para tratar a gonorreia”, mas que a bactéria acabou por desenvolver resistências. Agora, concluem os cientistas, este antibiótico poderá voltar a ser clinicamente relevante em combinação com a vanilina e até ser usado para tratar outras doenças.

Falta provar relevância clínica

Mas, então, os resultados deste estudo significam que, se tomarmos este antibiótico e comermos alimentos com baunilha, poderemos ter mais hipóteses de obter uma boa resposta? “A esta altura, não podemos afirmar tal coisa”, responde Ana Rita Brochado, que acrescenta que “têm de ser feitos estudos que verifiquem o metabolismo e a distribuição da vanilina e do antibiótico pelo corpo humano, para saber se os dois chegam ao mesmo tempo e na quantidade necessária ao local da infecção”. E reforça: “Nesta altura, não sabemos se a quantidade de baunilha normalmente contida nos alimentos seria suficiente para provocar qualquer efeito.”

PÚBLICO -
Foto
A investigadora portuguesa e primeira autora do artigo, Ana Rita Brochado Hugo Neves/EMBL

Além disso, o efeito da vanilina não é previsível. Neste trabalho também foi demonstrado que este composto químico diminuiu o efeito de muitos outros tipos de antibióticos. “O artigo mostrou que a vanilina funciona de maneira semelhante à aspirina para diminuir a actividade de muitos antibióticos – embora os seus efeitos nas células humanas não tenham sido testados”, refere o comunicado.

No entanto, o líder do grupo de investigação do Laboratório Europeu de Biologia Molecular, Nassos Typas, lembra que as combinações de substâncias químicas que diminuem o efeito dos antibióticos também podem ser benéficas para a saúde humana. “Os antibióticos podem levar a danos colaterais e efeitos secundários, porque também têm como alvo bactérias saudáveis. Mas os efeitos de algumas das combinações de fármacos são altamente selectivos e frequentemente afectam apenas algumas espécies bacterianas. No futuro, poderíamos usar combinações de drogas para impedir selectivamente os efeitos nocivos dos antibióticos em bactérias saudáveis”, refere o investigador no comunicado. Então, isso quererá dizer que, se comermos baunilha e tomarmos outro tipo de antibiótico, podemos prejudicar a sua acção? “Em princípio, sim. Mas não lhe sei dizer se a quantidade de baunilha normalmente contida nos alimentos seria suficiente para provocar qualquer efeito. O melhor seria não tirar conclusões precipitadas”, esclarece Ana Rita Brochado.

É preciso avançar com os testes e ensaios clínicos das combinações mais eficazes e esperar conseguir responder a estas perguntas. Para já, os estudos laboratoriais revelaram uma surpreendente “alta selectividade das combinações” de fármacos e outros compostos em bactérias semelhantes. “Não se sabia até que ponto bactérias semelhantes reagiriam da mesma forma às combinações ou não. Os estudos até agora sugeriam que sim, uma vez que se pensava que o efeito das combinações entre antibióticos dependia dos seus alvos dentro das bactérias. Mas os alvos foram semelhantes entre as bactérias testadas: descobrimos que as combinações dos antibióticos têm efeitos diferentes em bactérias semelhantes.”

Apesar da relação próxima entre as três espécies de bactérias estudadas, mais de 70% das interacções medicamentosas detectadas são específicas de cada espécie de bactéria e 20% dessas interacções são específicas da estirpe, revelando um grande potencial para terapias, refere o artigo. O objectivo é provar que as sinergias identificadas têm relevância clínica e, desta forma, conseguir aumentar o “arsenal de armas na guerra contra a resistência aos antibióticos”.