Líder do PSD-Porto acusa Governo de tratar a descentralização de “forma atabalhoada”

Alberto Machado avisa António Costa que vai fazer uma “vigilância permanente à acção, mas sobretudo à inacção do Governo do Partido Socialista” e diz que o executivo “maltrata a região Norte”.

Alberto Machado, próximod e Rui Rio, foi eleito há duas semanas líder do PSD-Porto
Foto
Alberto Machado, próximo de Rui Rio, foi eleito há duas semanas líder do PSD-Porto Nelson Garrido

O novo líder do PSD-Porto, Alberto Machado, acusa o Governo de gerir de “forma atabalhoada" um processo "tão importante" como a descentralização” e imputa a António Costa a "intenção de manter no eixo Terreiro do Paço – Palácio de S. Bento todo o poder, nomeadamente o da distribuição de envelopes financeiros e competências, esquecendo-se mais uma vez da importância da coesão territorial”.

“Não podemos ficar calados quando este Governo das esquerdas maltrata a Região Norte, em particular o distrito do Porto”, enfatizou o dirigente social-democrata que, até final de Setembro, início de Outubro, acumula a liderança da distrital com a da concelhia do PSD-Porto.

“Desengane-se o dr. António Costa, pois o PSD do Porto não se calará perante injustiças que sejam feitas ao nosso distrito e jamais deixará de levantar a voz e dar um murro na mesa, se necessário for, para defender os interesses das nossas populações”, declarou Alberto Machado na segunda-feira, na sessão da sua tomada de posse, que contou com muitas figuras do partido, como Rui Rio, Amândio de Azevedo, Paulo Rangel, Emídio Gomes, José Silvano, além de outros deputados, autarcas e presidentes de concelhias.

Prometendo uma "vigilância permanente na acção, mas sobretudo na inacção do Governo do Partido Socialista”, o presidente da maioria distrital do PSD deixou críticas ao Governo de Costa por “maltratar a Região Norte e, em particular, o distrito do Porto. “Sendo a Região Norte a mais populosa do país, com mais de três milhões e meio de pessoas, correspondendo a 37% de Portugal continental, como é que, neste momento, menos de 14% dos concursos abertos no âmbito do Portugal 2020 se destinam à região Norte?” À pergunta a plateia respondeu com uma sonora salva de palmas.

Alberto Machado considera “deveras preocupante que a região com mais PME no país e com mais dinâmica empresarial não possua concursos abertos há vários meses de sistemas de incentivos à Competitividade e Internacionalização ao dispor das empresas” e diz que não pode ficar indiferente quando os “últimos concursos abertos com incidência geográfica na região Norte encerraram no dia 30 de Junho de 2017".

Antes de apelar a Rui Rio para que “não permita que, para este quadro comunitário de apoio, o Governo continue a abrir maioritariamente candidaturas para a região de Lisboa e se esqueça do resto do país”, o novo rosto do PSD-Porto mostrou-se firme no combate ao populismo. “Esta vitória reforça o alinhamento da distrital com o PSD nacional, numa trajectória firme de combate ao populismo, à política-espectáculo do pão e do circo”, que “serve para desviar a atenção da população dos problemas reais”.

Muito focado nas autárquicas que o PSD quer vencer em 2021 – como assumiria Rui Rio pouco depois –, Machado quer preparar as eleições locais com tempo, tendo anunciado o lançamento do projecto Porto a Raio X, que irá arrancar em Setembro. “Este projecto consistirá num diagnóstico estratégico para assim melhor definir os objectivos freguesia a freguesia, concelho a concelho, no sentido de se obter uma caracterização profunda e exaustiva do nosso distrito”, revelou.