PSD admite propor comissão de inquérito

Rui Rio pede explicações ao ministro da Defesa Nacional. O que se passou em Tancos “é efectivamente uma questão de Estado, um problema grave em termos de segurança nacional”, justifica.

Rui Riopede um "esclarecimento cabal" sobre oq ue se passou em Tancos
Foto
Rui Rio pede o "esclarecimento cabal" do que se passou em Tancos fvl Fernando Veludo/NFACTOS

O presidente do PSD, Rui Rio, não exclui a possibilidade de o partido propor uma comissão parlamentar de inquérito para apurar o que se passou com o desaparecimento de armas de Tancos, em Junho do ano passado.

“Neste caso concreto não excluo”, disse Rui Rio, afirmando que o PSD vai nesta terça-feira, no Parlamento, “confrontar" o ministro da Defesa Nacional com as últimas revelações, de que ainda há material por recuperar. Rio diz que quer ver se o ministro, "de uma vez por todas, consegue ter pelo menos uma história minimamente coerente" - "porque aquilo que nós sabemos não é coerente, não bate certo”, reforça.

Em declarações aos jornalistas, no final de uma audiência que concedeu à Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, liderada por João Vieira Lopes, o presidente do PSD afirmou que aquilo que se passou em Tancos “é efectivamente uma questão de Estado, um problema grave em termos de segurança nacional” e pede explicações ao ministro Azeredo Lopes.

Rio afirma que, “não sendo minimamente aceitável que durante este tempo todo nem o Governo de António Costa saiba bem aquilo que aconteceu”, impõe-se o esclarecimento “cabal" do caso, cujos contornos sombrios incluem a própria investigação: "Há ali um choque entre a Polícia Judiciária e a Polícia Judiciária Militar, algo que também não é saudável em termos de investigação”, observa o líder social-democrata.

Há um ano quando o caso foi denunciado, o PSD, na altura presidido por Pedro Passos Coelho, admitiu avançar com uma comissão parlamentar de inquérito.