Entrevista

“Espero dar mais visibilidade ao circuito underground do Porto”

Na terceira parte da sua entrevista ao PÚBLICO, o director de Serralves diz que “o Porto tem 50 ou 60 espaços a fazer uma programação interessante”. E que o museu tem de continuar aberto à cidade.
Foto
nelson garrido

O director do Museu de Serralves está neste momento a fazer um levantamento de todos os espaços culturais do Porto, em parceria com a Câmara Municipal. A cidade diz, "está num momento extremamente rico, mesmo que precário".

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

O contexto local de que Serralves faz parte alterou-se imenso nos últimos 20 anos. O circuito underground parece ter perdido visibilidade com o robustecimento das instituições e sobretudo com o aparecimento da câmara como entidade de programação. Como é que lê a cidade hoje e como é que lê o papel de Serralves 20 anos depois neste contexto?
São duas perguntas muito próximas do meu coração. Acho que o museu tem de se aproximar mais à cidade, isso é fundamental. É a continuação de um trabalho que devemos desenvolver. Parte desse trabalho é apresentar artistas locais: todos os anos tentamos dar destaque a pelo menos uma dessas figuras; fizemo-lo, por exemplo, com a Dayana Lucas ou a [dupla] Mariana Queimadela-Francisco Caló [os primeiros vencedores do Prémio Paulo Cunha e Silva]. Essa aproximação ao contexto local é muito visível na colecção, que começa a funcionar como um acervo das alterações sociais e urbanísticas do Porto, através de artistas que trabalham com os próprios materiais da cidade. Ao comprar obras do André Sousa, do Mauro Cerqueira, da Carla Filipe, do André Cepeda, da Isabel Carvalho, do Paulo Mendes, só para falar dos mais conhecidos, está a incorporar a história dessas alterações e a história dos espaços alternativos desta cidade. Essa inscrição da memória da cidade na colecção é uma coisa que eu quero continuar, porque é o que define a localidade. Este museu tem de pensar Porto, região, país, Europa, mas partindo sempre deste contexto, não só na programação, através de uma certa forma de fazer e de estar, mas também na colecção. Claro que há outras linhas, mas esta é crucial.

Quanto ao segundo ponto: a cidade está num momento extremamente rico, mesmo que precário. Há imensos espaços e imensas actividades, e como a questão me interessa muito criei um projecto com a Câmara, e com o [assessor para a Cultura] Guilherme Blanc, especificamente para abordar este assunto, o Anuário, uma exposição anual que fará um levantamento do que se está a fazer na cidade.

A primeira é já este ano?
Vai acontecer para o ano, este é um ano de trabalho.

A ideia é fazer um levantamento do tal circuito underground?
A ideia é fazer um levantamento de tudo o que existe. E criar uma exposição anual à volta disso, justamente porque se tornou menos visível mas continua a ser muito rico. Há vários espaços da cidade que estão a desenvolver trabalho extraordinário: espaços que existem há 20 anos e que continuam a trabalhar, espaços novos criados por jovens artistas e colectivos que às vezes fazem eventos de apenas uma noite. A minha obrigação é dar destaque a isso, enquadrá-lo, e também trazer essa energia para dentro do museu, relacionando a minha programação com esse contexto, tal como a relaciono com o circuito internacional.

É um circuito precário mas muito rico e eu espero que com certas ferramentas, certas plataformas e certa atenção consigamos dar-lhe mais visibilidade. Há casos muito pouco conhecidos e que estão a desenvolver trabalho importantíssimo. Podemos falar dos clássicos, desde os tempos do Salão Olímpico, até aos mais recentes como a [Uma Certa Falta de] Coerência, o Espaço Mira, o Sismógrafo... O Porto neste momento tem 50 ou 60 espaços, dos mais pequenos até à Galeria Municipal e a Serralves, a fazer uma programação mesmo, mesmo interessante. A oferta cultural nesta cidade é extraordinária.