Christian Hartmann/Reuters
Foto
Christian Hartmann/Reuters

Megafone

As hot girls no futebol têm os dias contados pela FIFA

Obrigada, FIFA. Ficaremos todos(as) à espera que os canais televisivos obedeçam a esta regra que deveria, aliás, ser ampliada para outros contextos, dentro e fora das televisões.

Cresci num tempo em que se dizia que o futebol não era um desporto para mulheres. Este crescimento biológico partiu de um zigoto que se formou numa altura em que a televisão já havia passado do preto e branco para um mundo de cores.

Mundo de cores esse que continuou a pintar e a fazer chegar até nós os pontapés na bola de todas as nações mundiais, eternizando o futebol como o desporto-rei à escala planetária.

Este mundo apelativo de cores substituiu o mundo do preto e branco que excluía as mulheres do futebol, dentro e fora das quatro linhas, reservando-lhes um outro lugar — ainda que idealizado e concretizado apenas para ser preenchido por algumas mulheres.

Algumas mulheres passaram da cadeira de casa onde se ouviam os relatos dos jogos, através daquele aparelho que parece que nos faz ouvir vozes distantes, para as cadeiras das bancadas dos estádios de futebol, reflectindo as imagens através de zooms e flashes televisivos que as transformaram em parte integrante do desporto-rei apenas e só porque são giras e hot.

O que esperavas quando afirmei que apenas algumas mulheres passaram a ter um lugar no futebol? Que me referisse às muitas que passam a ferro os equipamentos dos jogadores, sendo que seguramente também existem homens a realizar essas funções, ou que me referisse a todas aquelas que jogam futebol?

Sim, porque as mulheres que jogam futebol foram para nós durante décadas a fio mulheres feias, cujo bigode de metro e meio faz seguramente inveja ao orgulhoso bigode da Frida Kahlo.

Íamos e vamos mais longe em relação a todas as mulheres que jogam futebol, verbalizando que a sua orientação sexual deixa seguramente algo a desejar em relação ao nosso padrão determinista e omnipresente heterossexual. Mesmo que isso ainda nos possa deixar admirados, estes julgamentos machistas em relação a mulheres e a futebol estão impregnados em muitos homens e mulheres do século XXI, que podem ser nossos familiares, colegas ou vizinhos.

Temos de eliminar o sexismo e as suas consequências da pele social dos tempos modernos a todo o custo e a verdade é que vejo serem dados cada vez mais passos nesse sentido.

Um dos muitos exemplos que nos mostra como o sexismo tem os dias contados chegou até nós através do futebol e da FIFA no Mundial da Rússia 2018.

Num tempo onde a igualdade de género faz finalmente parte da agenda do dia e de todos os dias de milhares de homens e mulheres em todo o mundo, devemos mesmo esperar que as questões relacionadas com o sexismo, a exploração da imagem da mulher, a violência contra mulheres e as desigualdades sociais cheguem até nós massivamente como sendo uma luta social que nos inclui a todos e que faz de todos nós, homens e mulheres, agentes de mudança.

No Mundial 2018, em pleno século XXI, a organização do mesmo esperava gerir situações difíceis relacionadas com outros flagelos sociais universais como a homofobia e o racismo. No entanto, o sexismo foi a questão mais preocupante de todas e a que levou a um maior número de queixas.

Segundo dados oficiais, 30 mulheres foram vítimas de assédio, sendo 15 delas jornalistas como foi o caso da espanhola Maria Gómez. O grupo anti-discriminação Fare Network reportou que este número foi seguramente dez vezes maior.

Perante esta realidade, a Federação Internacional de Futebol (FIFA) ordenou aos canais televisivos que transmitem os jogos que deixem de focar e fazer zoom às hot girls que assistem aos jogos nos estádios, tendo inclusivamente abordado cada operador televisivo de forma individual.

A organização espera que, ao ser eliminada a exploração da imagem estética da mulher no futebol por parte das cadeias televisivas, diminuam os casos de assédio sexual nos estádios, deixando a mulher de ser um vista como um "objecto" disponível para ser tocado e vivenciado naquele contexto de uma forma despropositada e que ultrapassa todos os limites.

Como tudo na vida, esta atitude peca por ser tardia. No entanto, todas as mudanças têm que começar num determinado momento e todos sabemos que nem sempre esse momento é aquele que desejávamos.

Espero poder ver em breve um novo mundo futebolístico, onde a televisão faz chegar até nós homens e mulheres, gordos(as), magros(as), com mais ou menos cabelos brancos, com a tez da pele preta, branca ou amarela, o cabelo escuro ou com fios dourados ou vermelhos. No fundo, espero poder ver gente de todas as idades, cores e feitios a vibrar alegremente com o nosso desporto-rei.

Obrigada, FIFA. Ficaremos todos(as) à espera que os canais televisivos obedeçam a esta regra que deveria, aliás, ser ampliada para outros contextos, dentro e fora das televisões, que continuam a promover e a vender uma publicidade baseada na exploração da imagem estética da mulher, fazendo da mesma um objecto quando todos sabemos que nenhum ser humano o é. Ou, pelo menos, não imaginamos as nossas mães e filhas como um objecto estético a ser degustado pelos demais seres humanos, com ou sem autorização...