Foi neste "Brexit" que os britânicos votaram?, pergunta Trump antes de chegar ao Reino Unido

Presidente dos EUA chegou para uma visita de quatro dias em que se encontrará com a rainha e com a primeira-ministra. Mas pode também reunir-se com Boris Johnson, com quem partilha a visão sobre o divórcio da UE.

Casamento, vestido de noiva, noiva
Fotogaleria
Donald e Melania Trump preparados para o banquete oferecido por May Kevin Lamarque/Reuters
Donald Trump, George HW Bush, Estados Unidos, Inglaterra, Presidente dos Estados Unidos, Rainha reinante
Fotogaleria
Outros presidentes dos EUA foram recebidos por Isabel II; na foto, George Bush Reuters
Donald Trump, Elizabeth II, Hillary Clinton, Estados Unidos, Inglaterra, George W. Bush, Rainha Regente, Presidente dos Estados Unidos
Fotogaleria
A rainha com o casal Clinton... Reuters
Elizabeth II, Winston Churchill, Philip Mountbatten, Reino Unido, Estados Unidos, Segunda Guerra Mundial, Príncipe Harry, A Rainha
Fotogaleria
... e com George W Bush e a mulher Laura Reuters
Barack Obama, Elizabeth II, Estados Unidos, Castelo de Windsor, Palácio de Buckingham, Presidente dos Estados Unidos
Fotogaleria
Barack Obama num banquete em Buckingham Reuters

Donald Trump chegou ao início da tarde desta quinta-feira ao Reino Unido para quatro dias de trabalho que incluem uma visita à rainha Isabel II e conversações com Theresa May, a primeira-ministra, que criticou duramente horas antes. “Para mim, ‘Brexit’ significa ‘Brexit’. As pessoas votaram na saída e creio que era o que deviam fazer, mas possivelmente estão a ir por outro caminho — não me parece que tenha sido nisso que as pessoas votaram”, disse o Presidente dos Estados Unidos.

O avião que o levou de Bruxelas, onde tinha participado na conturbada cimeira da NATO, aterrou num aeroporto em Essex e dali o Presidente dos EUA partiu para Londres. Mas espera-se que não passe muito tempo na cidade para onde estão marcadas manifestações contra a sua presença e contra as suas políticas – uma delas vai ter um balão gigante com a forma de Trump em versão bebé chorão. Trump disse que os protestos contra si são normais. “Penso que os ingleses gostam de mim e concordam com as políticas de imigração.”

Como aconteceu em Bruxelas, o tom dos seus encontros deve ser muito diferente dos comentários que faz quando está sozinho ou quando usa o Twitter. O “Brexit” está na agenda da conversa com May, que nesta quinta-feira divulgou o polémico Livro Branco para a saída do Reino Unido da União Europeia, que levou à demissão de dois ministros, David Davis, responsável pelas negociações com Bruxelas, e Boris Johnson, que era o chefe da diplomacia.

Davis e Johnson são favoráveis a um “hard ‘Brexit’” — o que, segundo as suas palavras, agrada a Donald Trump. May conseguiu o apoio do resto do Governo a um “soft ‘Brexit’”, que propõe aos 27 uma associação económica “sem precedentes”, como disse o novo negociador britânico, Dominic Raab, e avança também com regras comuns para a agricultura e produtos alimentares — duas alíneas que anulam a necessidade de existir uma fronteira entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda, um dos principais problemas com que Theresa May se debateu nos últimos meses.

Apesar de Boris Johnson já não ser o responsável pelos Negócios Estrangeiros, Trump manifestou vontade de se reunir com ele e disse que as demissões deixaram o Reino Unido “numa confusão”. Os dois estão de acordo num ponto: acreditam que o Reino Unido pode acabar numa relação mais próxima com a UE do que fazia prever o referendo que deu ok ao divórcio; “o sonho do ‘Brexit’ morreu”, disse Johnson. Woody Johnson, o embaixador dos EUA em Londres, sugeriu que o encontro vai ocorrer, apesar de não estar na agenda oficial, diz o jornal The Independent. “Não está na agenda, mas o Presidente faz a sua própria agenda”, disse o embaixador.

A opinião de Trump sobre o “Brexit” — “Gostava de os ver tratar do assunto para aquilo ser rápido” foi outra das frases, citada pelo The Telegraph — obrigou Theresa May a reagir: “Chegámos a um acordo que reflecte o que o povo britânico decidiu com o seu voto.”

Nos dias que vai passar no Reino Unido, Trump vai visitar várias regiões e palácios e viaja até à Escócia. Segundo a agenda oficial, vai a Chequers, a residência de campo dos chefes do governo britânicos, ao castelo de Windsor e tudo indica que pernoite na residência oficial do seu embaixador, em Londres, onde as ruas de acesso foram cortadas. Na noite desta quinta-feira o Presidente dos Estados Unidos e a mulher, Melania Trump, foram homenageados num jantar oferecido por Theresa May no palácio de Blenheim, em Oxfordshire. 

Sexta-feira é dedicada a Londres, onde foi montada uma grande operação policial para garantir a segurança do Presidente americano. 

No domingo à noite Trump parte para Helsínquia, na Finlândia, para a histórica cimeira com o Presidente da Rússia, Vladimir Putin, um seu “concorrente, não um inimigo”, como disse em Bruxelas.