Prevenção Rodoviária Portuguesa propõe alteração à formação de motociclistas

A PRP avança que, em 2017, verificou-se "um forte aumento da sinistralidade rodoviária dos utentes de motociclos", tendo as vítimas mortais passado de 43, em 2016, para 92, no ano passado.

Lisboa, Scooter, Bondes em Lisboa, Trolley
Foto
Nuno Ferreira Santos

A Prevenção Rodoviária Portuguesa recomendou nesta quarta-feira uma reformulação do sistema de formação de motociclistas para reduzir a sinistralidade ligada a estes veículos, já que o número de mortos aumentou 114% no ano passado face a 2016.

Num relatório divulgado nesta quarta-feira, a Prevenção Rodoviária Portuguesa (PRP) apresenta dados sobre a sinistralidade com motociclos e recomendações para a diminuir e a evolução do número de motos.

A PRP avança que, em 2017, verificou-se "um forte aumento da sinistralidade rodoviária dos utentes de motociclos", tendo as vítimas mortais passado de 43, em 2016, para 92, no ano passado (mais 114%), e os feridos graves aumentado de 318 para 399 (mais 25,5%).

"Esta forte subida veio interromper uma tendência de descida de mais de uma década, apesar do aumento significativo e constante do número de motociclos: entre 2006 e 2016 o número de mortos tinha descido de 120 para 43 (-64%), enquanto o número de motociclos em circulação tinha subido de 164.763 para 280.412 (+70%)", refere a Prevenção Rodoviária Portuguesa.

O relatório estima ser "expectável que a tendência de aumento da utilização destes veículos se mantenha e até aumente, dado que a sua utilização regular é ainda inferior à de países europeus com características climatéricas semelhantes".

Nesse sentido e para reduzir a sinistralidade entre os motociclistas, a PRP recomenda a reformulação de todo o sistema de formação ministrada a este tipo de condutores.

Segundo o mesmo documento, a formação de condutores de motociclos "apresenta muitas deficiências, nomeadamente na sua vertente prática" em que a generalidade das aulas é ministrada com o instrutor a acompanhar o instruendo dentro de um automóvel.

A PRP sugere também que sejam alterados os conteúdos e forma do exame de condução, tendo em conta que a formação ministrada nas escolas de condução é aquela que é suficiente para passar nas provas de avaliação e o exame determina o que vai ser ensinado na escola de condução.

A Prevenção Rodoviária Portuguesa sugere ainda o incentivo à utilização de equipamentos de segurança por parte dos motociclistas e um reforço da fiscalização, sobretudo da velocidade.