Bruno de Carvalho candidata-se para “exponenciar o que de bom foi feito”

Quinta candidatura apresentada às eleições de 8 de Setembro.

Será a quarta vez que Bruno de Carvalho irá a votos no Sporting
Foto
Será a quarta vez que Bruno de Carvalho irá a votos no Sporting LUSA/TIAGO PETINGA

O ex-presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, vai candidatar-se novamente à liderança do emblema “leonino” nas eleições de 8 de Setembro. “Sou candidato à presidência do Sporting. Tomei esta decisão depois de longa reflexão sobre estes cinco anos, mas em especial sobre os acontecimentos dos últimos três meses”, afirmou a abrir uma sessão realizada nesta quarta-feira, em Lisboa, sem se referir ao processo disciplinar que enfrenta e que poderá ditar a sua suspensão ou mesmo a expulsão de sócio do Sporting, o que inviabilizaria a candidatura. “Hoje estamos a pensar no futuro. A grande dúvida dos sportinguistas era ter um candidato em que se revissem, com programa e manifesto, que foram apresentados. Com uma equipa real, que foi apresentada. E com vontade de não deixar nunca de ser leal ao Sporting”, disse a esse respeito.

O objectivo desta candidatura, cujo lema é “Feitos de Honra. Leais ao Sporting!” — e que, a concretizar-se, levará Bruno de Carvalho a votos no Sporting pela quarta vez —, é “exponenciar o que de bom foi feito, melhorar o que de menos bom foi feito, e evitar os erros incorridos”, afirmou o dirigente, que disse estar a responder aos apelos de “tantos e tantos sócios” para que “não deixasse de lutar pelo clube”: “O Sporting precisa de um líder que o ame e respeite, que coloque sempre em primeiro lugar os superiores interesses do Sporting.”

Bruno de Carvalho apresentou os 24 elementos que compõem a sua lista para os órgãos sociais, com o advogado Trindade Barros como presidente da mesa da assembleia geral e José Subtil de Sousa para líder do conselho fiscal e disciplinar. “Somos uma candidatura de pessoas que se adaptam e trabalham para um projecto, e não um projecto que se adapta e trabalha para as pessoas. Sabemos o que queremos fazer nos próximos quatro anos”, disse, passando a elencar uma série de medidas para captação de sócios (Bruno de Carvalho propõe-se atingir a marca dos 250 mil associados) e para as modalidades. “Temos um fortíssimo objectivo: conquistar um troféu europeu no futebol, algo que só conseguimos em 1963-64, com a conquista da Taça das Taças”, vincou.

Questionado pelos jornalistas sobre a posição de José Peseiro caso seja eleito, Bruno de Carvalho respondeu que até às eleições não vai “comentar assunto absolutamente nenhum que não diga respeito à candidatura”. “Não contem comigo para estar a atrapalhar seja aquilo que for da vida do Sporting até dia 8”. Já o regresso de Nani (ver caixa) mereceu um comentário: “Fico feliz que tivessem terminado a negociação que eu comecei.”

Pilares de Varandas

Frederico Varandas, outro dos cinco candidatos já assumidos às eleições, apresentou também nesta quarta-feira o seu programa eleitoral, elaborado em torno do seu número de sócio do Sporting (8808): “8 pilares, 8 medidas, 0 suspeição, 8 Sporting sempre”. O ex-responsável médico do clube mostrou-se disponível para incorporar na sua lista elementos de outras candidaturas. “Acredito na competência da minha equipa e tenho a certeza que esta equipa vai vencer. Conheço a estrutura do Sporting como a minha mão. Quem se quiser juntar, arranja-se espaço”, afirmou, garantindo que não teve qualquer contacto nesse sentido.

Para Varandas, o presidente do Sporting tem que ter “parte interventiva em todo o processo” no futebol profissional, departamento esse que tem de contar com um “team manager e um director de scouting competentes e com experiência”. “Em sete anos que lá estive [no Sporting], vi o treinador ter que se preocupar com outras áreas e um scouting desactualizado, pouco profissional e deficitário. Tive jogadores a chegarem ao Sporting com oito, nove quilos a mais. Isso não pode voltar a acontecer. É preciso acertar mais e falhar menos”, sublinhou. Tal como Bruno de Carvalho, Frederico Varandas quer fazer crescer o número de sócios, estabelecendo a meta dos 200 mil em 2019.