Cadaval

Reservatórios de apoio ao combate de incêndios vandalizados em Montejunto

Autarquia terá de repor os 240 mil litros de água que se perderam, de modo a evitar os riscos inerentes a algum incêndio de maiores proporções que se propague na serra.
Foto

Os dois reservatórios de água para apoio ao combate a incêndios por meios aéreos que a câmara do Cadaval instalou na serra de Montejunto foram alvo de roubo e de actos de vandalismo na semana passada.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

O caso já foi participado às autoridades competentes e a edilidade do Cadaval diz estar a diligenciar para repor rapidamente a situação original. Com o furto de componentes e o vandalismo associado, a autarquia vai ter que repor rapidamente 240 mil litros de água que se perderam, de modo a evitar os riscos inerentes a algum incêndio de maiores proporções na extensa serra, que é também o ponto mais alto do distrito de Lisboa, com 666 metros de altitude.

A serra de Montejunto, que se distribui pelos concelhos de Alenquer e do Cadaval, sofre regularmente incêndios de grandes proporções, cujo combate é muitas vezes dificultado pelos difíceis acessos a alguns pontos do maciço montanhoso. Também por isso, a câmara do Cadaval decidiu, em 2011, investir na instalação destes dois reservatórios de grandes dimensões, vocacionados sobretudo para o abastecimento de meios aéreos. A autarquia foi, agora, surpreendida pelo furto de diversos componentes dos dois reservatórios.

De acordo com o Serviço Municipal de Protecção Civil do Cadaval, foi retirado do reservatório denominado “Quartel” – alvo de reparação em Maio passado – um “saco” de PVC responsável pela estanquicidade do reservatório, através da retirada de uma das chapas da sua estrutura. Do reservatório denominado “Fontainhas” foram retiradas cerca de 30% das porcas que fixam a estrutura metálica, “pelo que se presume que o objectivo dos criminosos fosse o furto integral da estrutura”, sustenta o Serviço Municipal de Protecção Civil do Cadaval, vincando que os actos criminosos ali cometidos puseram em causa “a prontidão e capacidade de resposta do dispositivo de combate a incêndios em Montejunto para esta época, o que é muito grave”.

A autarquia cadavalense diz, por isso, estar já a diligenciar no sentido da reposição das condições daqueles pontos de água, “de modo a não perigar os meios de combate”, porque estas estruturas “são de elevada importância no apoio ao combate a incêndios por meios aéreos”. O assunto, acrescenta a edilidade, também “já está em fase de investigação pelas autoridades competentes”.