Trabalhadores a recibos verdes no Estado aumentam 14,6%

No final de 2017, quando já estava em curso o programa de regularização da precariedade no Estado, o número de prestações de serviços no sector público aumentou para 17.728.

Mário Centeno, Orçamento
Foto
No Ministério do Trabalho, tutelado por Vieira da Silva, foram identificados 6113 prestações de serviços LUSA/JOSÉ SENA GOULÃO

O Governo tem em curso um programa de regularização da precariedade no Estado, mas o número de trabalhadores a recibos verdes nos organismos públicos voltou a aumentar no ano passado. Os dados foram divulgados recentemente pela Direcção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP) e mostram que no final do segundo semestre de 2017, os serviços do Estado central e as autarquias tinham 17.728 pessoas em regime de prestação de serviços, mais 14,6% do que em 2016.

PÚBLICO -
Aumentar

Este é o número mais elevado desde o segundo semestre de 2013, quando foram identificadas mais de 28 mil pessoas nesta situação, e surge numa altura em que está em curso o Programa de Regularização Extraordinária dos Vínculos Precários na Administração Pública (PREVPAP) que, só na Administração Central, teve mais de 30 mil candidaturas de trabalhadores a recibos verdes, com contratos emprego-inserção ou a termo certo e estagiários que consideram estar a assegurar funções permanentes nos serviços públicos.

Os números recolhidos pela DGAEP incluem, certamente, trabalhadores a recibos verdes que aguardam a regularização – a integração através do PREVPAP só ficará concluída no final de 2018 –, trabalhadores que iniciaram a prestação de serviços com o Estado depois de Maio do ano passado (a data usada como referência para poder aceder à regularização extraordinária) e verdadeiras prestações de serviços que assim se deverão manter. De todas as formas, os dados vão ao encontro dos alertas deixados pelo Bloco de Esquerda e pelo PCP, que exigem que o Governo tome medidas para evitar novas situações de precariedade no Estado. 

Mais de metade dos trabalhadores a recibos verdes (56% do total) tem ligação aos organismos da administração central, em particular nos serviços que dependem dos ministérios do Trabalho e da Segurança Social, da Saúde e da Ciência e Ensino Superior. No Ministério do Trabalho, tutelado por Vieira da Silva, foram identificadas 6113 prestações de serviços, um número que representa 61% dos recibos verdes da administração central e um terço do total.

Na análise que faz aos dados, e comparando o primeiro com o segundo semestre de 2017, a DGAEP dá conta do “acréscimo particularmente relevante” no ministério de Vieira da Silva, “devido ao sinal da retoma da actividade do Instituto do Emprego e Formação Profissional [IEFP] com a contratação maioritariamente de formadores”.

Os formadores do IEFP têm contestado a forma como está a decorrer o PREVPAP, tendo alertado para erros na forma como estão a ser contabilizadas as horas de formação. Mais de 800 formadores foram excluídos do processo, mas na semana passada o ministro Vieira da Silva prometeu que os dados serão reavaliados. Além disso, e tal com o PÚBLICO noticiou, o IEFP não tem intenção de abrir vagas para todos os formadores que passaram no crivo da Comissão de Avaliação Bipartida.

Ao todo, o PREVPAP recebeu 31.957 pedidos de precários. Já foram analisados 22.321 e 12.522 precários receberam luz verde.

Autarquias empregam 44% dos recibos verdes  

As estatísticas da DGAEP mostram que 43,7% das prestações de serviço registadas no final de 2017 ocorreram na administração local. As câmaras, juntas de freguesia e outros organismos locais tinham 7746 trabalhadores com este tipo de vínculo, mais 3,8% do que em 2016.

A maior parte destas prestações de serviços (76%) dizem respeito a avenças e só uma pequena parte corresponde a contratos para tarefas específicas.

O PREVAP também se estende às autarquias, embora o modelo de integração seja diferente do que está a ser seguido nos serviços do Estado, não havendo a obrigatoriedade de se constituírem comissões de avaliação.

Os dados mais recentes divulgados pelo ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, dão conta da abertura de concursos para a regularização de mais de 6.502 trabalhadores com vínculo precário nas autarquias, num universo de cerca de 15.549 situações identificadas nos municípios e freguesias.

Na administração regional, apenas foram identificados 10 trabalhadores a recibos verdes, e apenas na Madeira.