PSP destruiu 9000 armas em maior operação de sempre

"Nunca tínhamos destruído tantas armas, sobretudo de fogo, numa só ocasião", revelou director do Departamento de Armas e Explosivos (DAE), Pedro Moura.

Polícia
Foto
Fernando Veludo

A Polícia de Segurança Pública (PSP) destruiu nesta segunda-feira cerca de 9000 armas, um número nunca antes registado "numa só ocasião", indicou o superintendente e director do Departamento de Armas e Explosivos (DAE), Pedro Moura.

No Dia Internacional da Destruição de Armas, comemorado pelas agências das Nações Unidas, organizações não-governamentais e Governo, a secretária de Estado adjunta e da Administração Interna, Isabel Oneto, também participou na oitava destruição do ano que resultou de "duas semanas de trabalho entre o DAE e os comandos da PSP".

"Nunca tínhamos destruído tantas armas, sobretudo de fogo, numa só ocasião", revelou Pedro Moura, explicando que estas advêm de "apreensões, entregas voluntárias ou processos administrativos" apenas nos comandos do Norte do país, armas que não servem "qualquer interesse museológico, científico, formação ou actividade operacional" e que vão ser recicladas.

"Os números que temos registado este ano, vão um pouco acima dos registados o ano passado, que foi aquele em que houve mais apreensões de armas e mais entregas voluntárias. Registamos nos primeiros cinco meses de 2018 cerca de 4000 armas apreendidas e perto de 9000 entregues voluntariamente, cerca de 40 mil munições apreendidas e outras 40 mil entregues voluntariamente", acrescentou o responsável.

Estes números de maiores apreensões explicam-se através do "trabalho das forças de segurança, fruto de mais acções de fiscalização, mas também da atitude dos cidadãos que não querem ter as suas armas" e que entregam à PSP, algo que aconselha que se faça cada vez mais.

Em termos de tipologia, o maior número de armas são de caça, "devido à tradição em Portugal", havendo também "armas de guerra" e "um pouco de tudo", exemplificando com "pistolas, revólveres, armas transformadas, bestas e uma pistola metralhadora".

"[São] armas que estavam em posse dos cidadãos, pessoas que ao longo dos anos foram caçadores e atiradores desportivos. Hoje em dia, ter uma arma em casa implica os seus custos, portanto há uma série de custos associado a ter armas em casa, sem fazer uso delas", explanou.

Indicou também que "há uma minoria de armas que pertencem a ex-militares, que vieram do Ultramar e que trouxeram estas armas, que fazem estas entregas voluntárias".

Crimes têm vindo a diminuir

Adiantou ainda que não confirma o número das armas ilegais por não saber "qual é esse número", mas acredita que o Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) "tem vindo a demonstrar que os crimes com armas de fogo têm vindo a diminuir, numa tendência consolidada de descida".

"Havendo menos crimes, a tendência é haver menos apreensões de armas utilizadas nesses crimes. Pode acontecer, numa determinada apreensão, o número disparar. Um caso de há poucos meses: uma viúva de um médico pediu-nos para ir a sua casa buscar umas armas que o marido tinha e quando chegamos eram 300 armas. Portanto, só aí foram recolhidas 300 armas pela PSP. Imagine um furto naquela residência, o perigo destas armas caírem na cena criminal e ilegal", relatou.

Admitiu também que "o maior número de armas existe nos distritos em que há maior número de pessoas licenciadas pela PSP".

Segundo o responsável, há cerca de "226 mil licenças activas de todas as tipologias, seja de defesa, caça ou coleccionador", referindo distritos como Porto, Braga, Viseu e Vila Real como aqueles em que há mais armas.