EDP Distribuição investe 799 milhões na rede eléctrica até 2021

Plano de Desenvolvimento e Investimento da Rede de Distribuição (PDIRD) recebeu o parecer favorável da Direcção Geral de Energia e Geologia (DGEG) e da Entidade Reguladora do Sector Energético (ERSE)

Póvoa de Varzim, São João da Madeira, Porto
Foto
Adriano Miranda

A EDP Distribuição vai investir 799 milhões de euros na rede eléctrica até 2021 no âmbito do Plano de Desenvolvimento e Investimento da Rede de Distribuição (PDIRD) aprovado pelo Governo, anunciou a empresa.

Aprovado pelo Governo após apreciação na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas da Assembleia da República, o PDIRD recebeu o parecer favorável da Direcção Geral de Energia e Geologia (DGEG) e da Entidade Reguladora do Sector Energético (ERSE) e prevê investimentos a realizar na rede de média e alta tensão com base em “cinco pilares estratégicos”: segurança do abastecimento de electricidade, qualidade de serviço da rede, eficiência da rede, eficiência operacional e acesso a novos serviços.

“No final do período ficarão em exploração mais nove subestações e 1.500 quilómetros de rede de alta e média tensão”, refere, salientando que os investimentos que têm vindo a ser feitos nos últimos anos para modernização e automatização da rede eléctrica “vão permitir manter a trajectória de redução das assimetrias da qualidade de serviço”.

Segundo a EDP Distribuição, nos últimos 12 anos a empresa investiu cerca de 3,8 mil milhões de euros na rede eléctrica, “o que permitiu atingir indicadores de qualidade de serviço que a colocam ao nível das melhores congéneres europeias” e possibilitou que no plano agora aprovado “já tenha sido possível considerar reduções de investimento, com impacto positivo para os consumidores”.

A EDP Distribuição é, actualmente, a empresa concessionária da rede de distribuição de alta e média tensão em Portugal Continental e das redes de baixa tensão dos 278 municípios portugueses, distribuindo electricidade para 99,5% dos pontos de entrega nacionais, num total de 6,1 milhões.

Esta concessão foi atribuída à EDP Distribuição por um período de 20 anos, que termina em momentos diferentes entre 2016 e 2026 (Porto, Cascais, Arouca são os últimos), mas a maioria dos quais chega ao fim entre 2021 e 2022.

No âmbito da liberalização do mercado energético, as autarquias podem então optar pela exploração directa da distribuição de electricidade em baixa tensão ou pela concessão e, caso decidam, podem atribuir a novos operadores.