Escola de Verão para ensinar o que acontece antes de rolar a bola

FPF e a Universidade Nova promovem curso para mostrar que um jogo de futebol não é só 90 minutos.

LigaPro, UD Leiria, CD Mafra, SC Farense, UD Vilafranquense, Leiria, Clube Oriental de Lisboa, Vila Franca de Xira, Futebol
Foto
O futebol é muito mais do que só um jogo Adriano Miranda

Se há jogos de futebol em que só é preciso uma bola e duas equipas e em que se joga enquanto houver pernas, esse não será o caso da próxima Supertaça Cândido de Oliveira, que se irá disputar a 4 de Agosto próximo em Aveiro entre Desportivo das Aves e FC Porto. O jogo que abre a época futebolística nacional vai ser transversal aos dez dias de duração de um seminário organizado em conjunto pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e pela Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Nova (Nova SBE) e que tem como objectivo mostrar a estudantes universitários e licenciados que um jogo de futebol não são só 90 minutos.

“Queremos mostrar que, por trás daqueles 90 minutos, há um trabalho árduo, mostrar que a organização de um jogo, como será o caso da Supertaça, exige grande planeamento e uma grande equipa, um trabalho de retaguarda fortíssimo”, diz ao PÚBLICO André Seabra, professor na Universidade do Porto e director da “Portugal Football School”, uma iniciativa lançada no início do ano pela FPF e que funciona em colaboração com várias universidades portuguesas.

Este curso irá decorrer entre 23 de Julho e 3 de Agosto, na Cidade do Futebol, e será ministrado por formadores da FPF e por professores da Nova SBE, abrangendo as matérias relevantes na organização de um jogo como o da Supertaça, como gestão de equipas, à parte comunicacional e de marketing, passando pela segurança em eventos desportivos.

Esta entrada da FPF no ensino, considera André Seabra, “está a ser altamente positiva” e abrangente no sentido de também promover a investigação na área do desporto e de não ser dirigido apenas a estudantes universitários ou recém-licenciados, mas também a gente do futebol, como árbitros, treinadores, jogadores ou dirigentes, e em outros campos como o Direito, Medicina ou a Gestão. Este modelo, observa ainda o académico, está a suscitar interesse em federações de futebol de outros países.