Vettel iguala Prost e trava recorde de Hamilton

Campeão mundial fez recuperação incrível de último para segundo após toque com Räikkönen logo na primeira volta.

Formula 1, Formula One car, Carro, Formula racing, Auto racing
Fotogaleria
Reuters/Matthew Childs
Fórmula 1, carro de Fórmula Um, corridas de Fórmula, Carro, IndyCar Series, Auto Racing
Fotogaleria
Reuters/Matthew Childs

O piloto alemão Sebastian Vettel (Ferrari) venceu, neste domingo, o Grande Prémio da Grã-Bretanha em Fórmula 1 — décima prova do Campeonato do Mundo de 2018 —, batendo o campeão em título em pleno circuito de Silverstone, onde Lewis Hamilton (com cinco triunfos, quatro dos quais consecutivamente desde 2014) tentava superar a marca do escocês Jim Clark (bicampeão) e do francês Alain Prost (tetracampeão), ambos com cinco vitórias no traçado.

O tetracampeão mundial alemão vencera apenas uma vez em Silverstone, em 2009, e somou neste domingo a quarta vitória da temporada, que lhe permitiu alcançar Alain Prost com 51 triunfos (e apenas menos um pódio, 105) — está agora a 40 vitórias de Schumacher (91) e a 14 de Lewis Hamilton (65).

O piloto inglês, de resto, viveu neste domingo um dia que começou por ser de frustração, minimizando os danos provocados pelo pesadelo no arranque da corrida e acabando por ser eleito piloto do dia, ao realizar uma recuperação fantástica, do último até ao segundo lugar.

Sem tracção, o Mercedes de Hamilton, que partiu da pole position, viu-se ultrapassado por Sebastian Vettel e por Valtteri Bottas logo na primeira curva, não evitando um toque de Kimi Räikkönen (Ferrari) na roda traseira. Lewis entrou em peão e, apesar de não ter deixado o motor “morrer”, caiu para último, enquanto o finlandês recebia uma penalização de 10 segundos, que acatou com “fair-play”.

Disparado na frente, Sebastian Vettel assumia uma liderança incontestável, enquanto Lewis Hamilton iniciava a recuperação até ao terceiro posto em apenas 19 voltas.

Mas a entrada em cena do safety car, após despiste do Sauber do sueco Marcus Ericsson e de um acidente entre o francês Romain Grosjean (Haas) e o espanhol Carlos Sainz Jr. (Renault), e as diferentes estratégias da Mercedes e da Ferrari na ida às boxes, foram determinantes para alterar uma equação demasiado simplista, oferecendo um final muito mais disputado e emocionante.

Na “guerra” de pneus, potenciada pela dupla entrada do safety car que levou Valtteri Bottas ao comando da corrida (ajudando Hamilton a aproximar-se de Vettel), acabaria por prevalecer a escolha da Ferrari, com mais uma paragem.

Beneficiando da troca de pneus, Sebastian Vettel — que acabaria por reentrar atrás de Bottas — conseguiria não só estabelecer a volta mais rápida (1m30s696), como ainda reassumir a liderança, sem que Hamilton fosse capaz de acompanhar o ritmo, enquanto Valtteri Bottas caía para a quarta posição, atrás de Kimi Räikkönen.

“Foi um arranque fantástico, uma corrida fantástica e um final demolidor”, regozijou-se Vettel, enquanto Lewis Hamilton se lamentava. “Sofremos um duro revés, mas não baixarei os braços”, prometeu o inglês, ainda com Räikkönen atravessado, apesar de ter superado todas as adversidades, inclusive quando reportou problemas — não confirmados — no Mercedes, ainda na sequência do embate com o finlandês da Ferrari.

“Lamento pelo Hamilton, mas as rodas bloquearam ao travar na terceira curva e não o consegui evitar. Foi culpa minha e mereci a sanção”, assumiu Räikkönen.

Sebastian Vettel reforça, assim, a liderança do Mundial de pilotos, somando 171 pontos, com uma vantagem de oito sobre Lewis Hamilton, num duelo que continua vivo.