Esta cafetaria faz-nos lembrar a casa da avó

O Espaço Criativo Biscoito é um daqueles lugares que nos leva a recuar ao passado, mas com bebidas e petiscos actuais e atentos às exigências modernas. Fica no bairro da Beira Mar, em Aveiro.

Café, Serviços de design de interiores
Fotogaleria
Adriano Miranda
Janela, sala de estar, design de produto
Fotogaleria
Adriano Miranda

O napperon que decora a mesa redonda é apenas o toque final. Do abat-jour plantado num dos cantos da sala até ao móvel guarda-louça, passando pelas cadeiras e pelo sofá de couro, tudo ali nos transporta para uma outra época. Talvez até para um espaço em particular: a casa das nossas avós. E não é só pela decoração que o Espaço Criativo Biscoito quer levar os seus clientes a viajar até às salas de antigamente. Aqui, tudo é caseiro. “E feito com muito amor”, acrescenta Liliana Cachim, proprietária do espaço, juntamente com o seu marido, Bruno Ribeiro. Situado no bairro típico da Beira Mar, bem no centro de Aveiro, o Criativo Biscoito nasceu do “casamento” dos sonhos de Liliana e Bruno.

Ela, profissional de marketing e blogger, andava à procura de um espaço para fazer formação na área da alimentação saudável. “Encontrei este espaço e foi amor à primeira vista”, recorda Liliana Cachim que, ao aperceber-se que aquele rés-do-chão da Rua D. Jorge Lencastre tinha “duas salas e duas portas de entrada independentes”, decidiu aliar o seu projecto ao do marido.  “O Bruno tinha o sonho ter um wine bar e este espaço permitia-nos ter as duas coisas: cafetaria e espaço de workshops”, explica.

Arregaçaram as mangas e deram início a uma verdadeira “cruzada”, com “algumas idas ao Porto, a antiquários, muita pesquisa na Internet, muitas horas a negociar preços”, recordam. “No final, quando colocámos todos os móveis no sítio, tudo fez sentido”, faz questão de notar Liliana Cachim, ao mesmo tempo que autoproclama o Espaço Criativo Biscoito como o “mais Arte Nova” dos cafés de Aveiro. A quem o visita é dado o privilégio de beber chá “em chávenas do início do século XX, ou beber café em chávenas que se pousam em napperons feitos à mão, alguns com mais de 100 anos”, realça ainda a proprietária.

PÚBLICO -
Foto
Adriano Miranda

Na carta, tudo parece ser, igualmente, genuíno. “Compramos alimentos frescos todos os dias, fazemos os nossos próprios molhos, os hambúrgueres e as almôndegas são moldados à mão… É tudo confeccionado como em casa dos nossos pais e avós, com amor”, asseguram Liliana e Bruno. E prova de que a aposta passa por produtos frescos é o facto de uma parte da carta ser sazonal, ou seja, feita com produtos da época.

Refeições e petiscos vegan em destaque

Ainda que o menu apresente propostas para todos os gostos, as estrelas da casa residem nas opções vegan, com especial destaque para o hambúrguer vegan em pão de algas ou a lasanha de vegetais. Também há propostas sem glúten, nomeadamente um hambúrguer de frango sem glúten, e pratos mais tradicionais (bacalhau com natas ou arroz de pato). Os petiscos são outra das apostas fortes da carta da casa. Desde o best-seller requeijão de Seia no forno até às tábuas de queijos e enchidos, passando pela salada criativa ou pela alheira vegan com grão e especiarias, são várias as opções disponíveis. E nem os mais gulosos se podem queixar de não ter por onde escolher: gelados (que aqui se chamam nice cream), bolo brigadeiro, red velvet e brownies, são presença assídua na carta de doces — apresentada num quadro de lousa, escrito a giz.

Entre as bebidas com mais saída estão os chás da casa (branco, verde, preto, vermelho, frutos e os especiais: bem-estar e detox), as cervejas artesanais e os vinhos. “Em matéria de vinhos, tentamos ter sempre propostas diferentes daquelas que há aqui à volta; a ideia é que os clientes tenham sempre aqui experiências únicas”, desvenda Bruno Ribeiro, que é, também, profundo conhecedor da arte de fazer cocktails. “Aqui, saem muito os cocktails com gin e tento apostar em frutas e cores diferentes”, acrescenta. Não há limites para a criatividade. Afinal de contas, este é um espaço que reserva uma sala para que ela aconteça: o espaço de workshops, que vai recebendo vários eventos, muitos deles com nomes conhecidos da  blogosfera — a sala, com capacidade para 20 pessoas, também pode ser adaptada a espaço para jantares e eventos reservados.

Está, assim, explicada a parte do “criativo” do nome. E o biscoito? “O café que aqui existia, anteriormente, chamava-se Biscoito”, revela Liliana que, dada a sua experiência na área do marketing, apurou que existiriam “vantagens em manter uma associação ao nome anterior”.