Investigador luso-angolano diz que Rio foi a Luanda "como secretário pessoal" de Costa

Eugénio Costa Almeida rejeitou a ideia do conselheiro de Estado Marques Mendes de que o encontro entre Rui Rio e João Lourenço foi "uma bofetada política" para António Costa.

António Costa com João Lourenço em Davos, na Suiça, em Janeiro
Foto
António Costa com João Lourenço em Davos, na Suiça, em Janeiro LUSA/LAURENT GILLIERON

O investigador luso-angolano Eugénio Costa Almeida considerou esta quinta-feira que o presidente do PSD foi a Angola "como secretário pessoal" do primeiro-ministro, sustentando que Rui Rio terá tratado com o Presidente angolano da viagem de António Costa a Luanda.

O presidente social-democrata "foi como secretário pessoal de António Costa a Angola para tratar da visita", defendeu, em declarações à Lusa, o investigador do ISCTE (Instituto Universitário de Lisboa) Eugénio Costa Almeida.

Rui Rio foi recebido em Luanda, na sexta-feira passada, pelo Presidente angolano, João Lourenço, e pelo líder do MPLA (no poder) e ex-chefe de Estado, José Eduardo dos Santos.

O especialista em Angola sublinha que Rio e Costa "sempre se deram bem", desde que foram autarcas do Porto e de Lisboa, respectivamente, e mesmo actualmente, como líder da oposição e chefe do Governo, "procuram, um e outro, não se atacar directamente".

Por outro lado, Costa Almeida refere que o PSD tem "uma relação muito especial, de há muitos anos a esta parte, com o MPLA", o que justifica que um responsável partidário português tenha sido recebido pelo Presidente angolano, que é dirigente do partido no poder.

"Podiam dizer que foi recebido também porque previsivelmente, João Lourenço vai ser presidente do MPLA, mas se assim fosse, tê-lo-ia recebido no 4 de Fevereiro [aeroporto internacional de Luanda] e não na Cidade Alta [Palácio Presidencial]", sustentou.

Para o especialista, "é muito natural que a visita de António Costa também tenha sido tratada e abordada [nesse encontro]".

Costa Almeida rejeitou a ideia do conselheiro de Estado Marques Mendes de que o encontro entre Rui Rio e João Lourenço foi "uma bofetada política" para António Costa, que tem visto a sua intenção de visitar Luanda sucessivamente protelada. "A ser, seria uma bofetada ao PS, nunca a António Costa", considerou.

O investigador recordou que, apesar de o PS e o MPLA integrarem a Internacional Socialista, "sabe-se perfeitamente que não se dão muito bem, principalmente por uma parte do PS ter apoiado a UNITA [principal partido da oposição em Angola] na altura da guerra", acrescentando que "há traumas que custam muito a desaparecer".

O Presidente angolano, João Lourenço, afirmou esta quarta-feira que a visita oficial de António Costa a Luanda acontecerá ainda este ano, e não está dependente do processo que envolve o ex-vice-Presidente angolano Manuel Vicente.

Por seu lado, o chefe da diplomacia portuguesa afirmou que a deslocação do primeiro-ministro terá uma dimensão económica, política, de cooperação bilateral e de contacto com a comunidade portuguesa "muito importante", estando em curso o acerto de datas.

No mês passado, a justiça portuguesa enviou para Luanda, como exigia Angola, o processo de Manuel Vicente, acusado em Portugal de ter corrompido o ex-procurador português Orlando Figueira, no processo Operação Fizz, com o pagamento de 760 mil euros, para o arquivamento de dois inquéritos, um deles o caso Portmill.

A recusa inicial da justiça portuguesa de remeter o processo para Luanda foi classificada como "um irritante" nas relações entre Lisboa e Luanda.

"As autoridades angolanas fizeram depender a passagem à fase da marcação em concreto da reunião [entre António Costa e João Lourenço] da transferência do processo, que foi concluída no fim do mês de Junho", recordou o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

No início da próxima semana, o chefe da diplomacia angolana, Manuel Augusto, estará em Portugal, sendo recebido pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e pelo seu homólogo português, sendo a deslocação de Costa a Luanda um dos temas da agenda.

Além disso, o chefe de Estado português recebe na próxima quarta-feira o novo embaixador de Angola em Lisboa, Carlos Alberto Fonseca, que deverá apresentar as cartas credenciais.