Fotografia

Os retratos da solidão de Doughnut City

George Muncey
Fotogaleria
George Muncey

Doughnut City é uma série de fotografias do jovem fotógrafo britânico George Muncey e apresenta a natureza cíclica da vida na sua terra natal, através de paisagens e retratos dos habitantes. “É sobre Basingstoke, onde cresci, e ao mesmo tempo sobre todas as pessoas que vivem numa cidade pequena mas que aspiram a algo maior”, explicou George, numa conversa telefóncia com o P3.

Localizada a cerca de 70 quilómetros a sudoeste de Londres, Basingstoke é conhecida pelo número exagerado de rotundas — daí o nome Doughnut City. O que para George Muncey também acaba por funcionar como uma metáfora para a vida naquela cidade, sobretudo para quem está no meio artístico. “A vida lá passa por te contentares com pouco: ter um emprego de que não gostas porque a cena criativa é inexistente e não há muita gente que pense da mesma forma que tu”, explica o jovem. “No entanto", desabafa, "ir embora é demasiado caro, por isso trabalhas durante a semana, sais ao fim-de-semana e depois começa novamente o ciclo, como se andasses à volta numa rotunda e nunca conseguisses seguir o caminho que desejas”.

Os poucos retratos humanos de Doughnut City são essencialmente de pessoas com quem George se identifica e todos transmitem um sentimento de solidão. Há um rapaz que usa óculos de realidade virtual para “tentar escapar de onde está”; um homem que dá o biberão a um bebé e que simboliza o tipo de pessoa que George não quer ser; e até a própria mãe do fotógrafo, em representação de alguém que ficou “preso” naquela cidade. Por outro lado, os parques de estacionamento vazios, as raspadinhas abandonadas no chão e as drogas compõem a imagem da cidade inglesa, do ponto de vista do fotógrafo de 22 anos.

Doughnut City esteve em exibição em Londres durante o mês de Junho e George não podia estar mais satisfeito com a aceitação daquela que foi a sua primeira apresentação pública. Agora, até domingo, 8 de Julho, está com o nova iorquino Devin Blaskovich em Abrantes no 180 Creative Camp, promovido pelo Canal 180, para mostrar e falar de processos alternativos de fotografia instantânea. "Todos os dias vamos para uma localização específica e fazemos uma sequência de fotografias com os participantes, utilizando uma máquina maior que equivale a dez polaroids juntas e no fim vamos contruir uma exposição com todas as películas 8x10", anuncia George. Um projecto que a dupla criativa já desenvolveu no ano passado, em Nova Iorque.

O jovem artista esteve recentemente a viajar pelos EUA, país pelo qual sempre sentiu um grande fascínio e que vai inspirar o seu próximo projecto, mais longo e elaborado, em que explora a sua própria identidade como cidadão britânico, colocando em perspectiva o modo de fotografar em Inglaterra e nos Estados Unidos. Doughnut City é assim uma espécie de EP, mas “o álbum está a caminho”. George Muncey divulga o seu trabalho num canal de YouTube e tem a sua própria zine, Negative Feedback, com milhares de seguidores. “Quando comecei tinha a certeza que havia mais pessoas à procura das mesmas respostas que eu e agora tenho a oportunidade de ir partilhando aquilo que vou aprendendo”, diz o jovem, que gosta de pensar em quem o apoia como “pessoas a sério e não apenas números num ecrã”.

George Muncey
George Muncey
George Muncey
George Muncey
George Muncey
George Muncey
George Muncey
George Muncey
George Muncey
George Muncey
George Muncey
George Muncey
George Muncey
George Muncey
George Muncey
George Muncey
George Muncey