Suspeitas de corrupção levam PJ a fazer buscas na Câmara de Barcelos

Casa do presidente da autarquia e da vice-presidente também foram visitadas por inspectores. Em causa está alegado favorecimento de empresário na contratação de serviços de segurança.

Foto
Buscas na Câmara de Barcelos foram realizadas pela Polícia Judiciária. fau fabio augusto

Suspeitas de corrupção levaram esta quarta-feira a Polícia Judiciária (PJ) a fazer buscas na Câmara de Barcelos, tendo os inspectores visitado igualmente a casa do presidente da autarquia, Miguel Gomes, e da vice-presidente, Maria Armandina Saleiro.

Em causa, apurou o PÚBLICO, está o alegado favorecimento de um empresário na contratação de serviços de segurança e portaria prestados quer à câmara municipal quer a empresas ligadas ao município. 

A PJ acredita que responsáveis do município terão recebido contrapartidas para beneficiar o empresário. O valor dos contratos ao longo de vários anos atingirá as centenas de milhares de euros. Para contornar a necessidade de realizar concursos públicos, a contratação dos serviços seria fraccionada de forma a permitir o recurso ao ajuste directo. Para não se tornar evidente que os contratos beneficiavam sempre a mesma pessoa, eram usados outros nomes na formalização das prestações de serviços, que habitualmente eram assinadas pelo presidente da autarquia e pela sua vice-presidente.

Foi a Câmara de Barcelos que, através de um comunicado, informou esta quarta-feira que tinha sido alvo de buscas. Na nota, sublinhava-se que a investigação, dirigida pelo Departamento de Investigação e Acção Penal de Braga, resultava de uma denúncia anónima. Acrescentava-se que a autarquia "manifestou total disponibilidade e colaboração com as autoridades competentes, tendo facultado o acesso a toda a informação e documentação solicitada".

"O executivo municipal aguarda com toda a tranquilidade o desenrolar da investigação", referia ainda a nota, que não avançava qualquer informação sobre o conteúdo da investigação. Confrontado pelo PÚBLICO sobre o teor das suspeitas em causa, o assessor do município, João Faria, remeteu para o comunicado já emitido, recusando, para já, fazer mais qualquer comentário. Com Lusa