Saúde

Cirurgia Vascular e Urologia no Hospital de Gaia com um enfermeiro por turno

A Ordem dos Enfermeiros afirma que o número de enfermeiros em serviço é o corresponde "a mínimos em dia de greve".
Foto
Marco Duarte

A Ordem dos Enfermeiros (OE) revelou esta quarta-feira que os serviços de Cirurgia Vascular/Urologia do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNG/E) funcionam com apenas um enfermeiro por turno, número que o hospital contesta. Contactado pela Lusa, o hospital apresentou outros números da distribuição dos enfermeiros, divulgando que nos horários planeados estão a trabalhar "em cirurgia vascular e urologia quatro de manhã, três à tarde e três à noite".

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

Em comunicado enviado à agência Lusa, a OE caracteriza a situação como "correspondente a mínimos em dia de greve", mas que, no caso do CHVNG/E, é "para todo o mês de Julho".

"O horário, que foi enviado à Ordem dos Enfermeiros e do qual já foi dado conhecimento ao ministro da Saúde, mostra um enfermeiro no turno da manhã para 18 camas no Serviço de Cirurgia Vascular, um enfermeiro no turno da tarde e um enfermeiro no turno da noite", explicita a nota de imprensa. Ainda segundo a OE, este "rácio repete-se para as 16 camas de Urologia".

Por seu turno, e argumentando que o "número actual de enfermeiros" não é o desejado pelo Conselho de Administração, o hospital acrescenta que "há reforços diários de, no mínimo, mais um enfermeiro no período da manhã", refere o comunicado que "também seguiu para o ministério da Saúde".

A OE dá ainda conta que "apesar dos repetidos avisos" o Governo "não acautelou a mudança das 40 para as 35 horas semanais, que agravou em 1700 a carência de enfermeiros", numa altura em que "já faltam 30 mil profissionais para estar ao nível da média da OCDE".

Considerando que "este horário, à semelhança de muitas outras denúncias que têm chegado à OE nos últimos dias, desmente as declarações do ministro quanto à suposta 'normalidade' na esmagadora maioria dos serviços de Saúde", a ordem salienta que enfermeiros dizem estar "no limite da sanidade mental".

O comunicado cita ainda a bastonária da OE, Ana Rita Cavaco, para quem "esta situação ultrapassa todos os limites da razoabilidade e segurança das pessoas e profissionais", e a solicitação para uma "intervenção urgente do ministro da Saúde".