Instalação

NAU! mostra no Porto o “avesso” da circum-navegação

Instalação imersiva estreia-se na praia portuense do Homem do Leme no sábado, 7 de Julho. NAU! quer dar a conhecer "o outro lado que não está a ser contado" sobre as navegações portuguesas.
Foto
Paulo Ricca

Uma instalação imersiva intitulada NAU!, que usa um contentor marítimo, estreia-se no Porto e pretende mostrar "quais as consequências da narrativa de glória" de Portugal, passados quase 500 anos da circum-navegação marítima de Fernão de Magalhães.

Atingiu o seu limite de artigos gratuitos

A NAU!, projecto do Teatro Experimental do Porto que se estreia no sábado, 7 de Julho, na praia do Homem do Leme, tem como objectivo dar a conhecer "o outro lado que não está a ser contado" sobre as navegações portuguesas, "quais as consequências da narrativa de glória, da história dos vencedores que triunfaram sobre outros povos", explicou à Lusa a co-directora do projecto, Raquel S..

"A maior parte dos estudos, modernos e pós-coloniais, que têm sido feitos relativamente ao que é a nossa história, procuram uma crítica do que tem sido a historiografia e a imagem gloriosa e heróica que temos dos descobrimentos", acrescenta.

Questionada sobre o que os espectadores podem encontrar ao visitar a instalação imersiva, Raquel S. refere não querer "levantar muito o véu", mas afirma que o contentor é "pensado para ser uma experiência sensorial do que pode significar a viagem". A experiência é acompanhada por um fanzine, que é entregue ao público, com a compilação de material no sentido de contextualizar, criticar e levantar questões.

A instalação, que vai estar aberta ao público durante todos os fins-de-semana do mês de Julho, entre as 11h e as 22h, na praia do Homem do Leme, no Porto, vai contar ainda com actividades paralelas, como conferências e concertos, das 19h às 21h30, que pretendem "discutir o colonialismo e a historiografia", lê-se no comunicado da organização.

Das actividades paralelas, que vão decorrer "do lado de fora do contentor", Raquel S. destaca o concerto de abertura do Grupo de Batuques Finka-Pé, no sábado, que faz "uma crítica social improvisada sobre a condição da mulher".

No domingo, 8, o investigador e professor associado de Estudos Africanos da Universidade de Basileia Elísio Macamo apresenta Ver com um olho, uma conferência sobre "a ideia de que para [se ver] um lado da história, há outro que [se deixa] de ver", numa referência ao poeta Luís de Camões.

A 14 de Julho, há um concerto de Mlynarczyk, seguido de conferências com Jota Mombaça (15), Marta Lança (22), Manuela Ribeiro Sanches, seguida de uma performance-conferência com Rita Natálio (28), antes de terminar com a conferência de Mamadou Ba (29).

Todas as actividades, que incluem a visita à instalação, o fanzine, os concertos e conferências, são gratuitas. NAU! é uma coprodução do Teatro Experimental do Porto, no âmbito do programa Cultura em Expansão da Câmara Municipal do Porto.