Portugal termina Mundial 2018 no 13.º lugar

Classificação foi melhor do que a de 2014 e pior do que a de 2010.

Manuel Fernandes, 2018 World Cup, 2018 Campeonato do Mundo da FIFA Grupo B, Portugal national football team
Foto
Ronaldo é a principal figura da selecção portuguesa FRIEDEMANN VOGEL/Lusa

A selecção portuguesa de futebol terminou o Mundial de futebol de 2018 no 13.º lugar, cinco acima de há quatro anos, quando caiu na primeira fase, e dois abaixo de 2010, igualmente afastada nos "oitavos".

Portugal somou uma vitória, face a Marrocos (1-0), e dois empates, com a Espanha (3-3) e o Irão (1-1), na primeira fase, fechando o Grupo B no segundo posto, e, nos oitavos-de-final, perdeu por 2-1 com o Uruguai, em embate disputado no sábado.

Com cinco pontos e um saldo nulo de golos, o conjunto de Fernando Santos fez melhor, entre as selecções eliminadas nos "oitavos", do que Suíça (também cinco pontos, mas 5-5 em golos, contra 6-6 de Portugal) e Japão e Argentina (ambas com quatro pontos), que, como Portugal, perderam, nos 90 minutos.

Por seu lado, Colômbia, Espanha, que ficou à frente de Portugal no Grupo B por ter mais golos marcados (6-5 contra 5-4), Dinamarca e México somaram mais pontos do que a formação lusa, terminando entre o nono e o 12.º lugares.

A sétima participação fica, assim, a meio, em termos de classificação, bem longe dos melhores desempenhos, de 1966 e 2006, edições em que a formação das "quinas" atingiu as meias-finais, para acabar no terceiro posto e no quarto, respectivamente.

Em 2010, Portugal fez os mesmos pontos de 2018, ao somar igualmente um triunfo, dois empates e uma derrota, mas com uma diferença de golos claramente positiva (7-1), face à goleada por 7-0 sobre a Coreia do Norte.

Desta forma, a formação então comandada por Carlos Queiroz, que só sofreu golos nos oitavos-de-final (0-1 com a Espanha), já que as duas igualdades foram a zero, com Costa do Marfim e Brasil, fechou no 11.º posto, como terceiro melhor entre as que tombaram nessa fase, apenas atrás da Japão e Chile.

Nas restantes três presenças em fases finais, Portugal caiu na primeira fase, sendo 17.º em 1986, apesar de ter vencido a Inglaterra (1-0), 18.º em 2014, só logrando bater o Gana (2-1), e 21.º em 2002, de nada valendo um 4-0 à Polónia.

Em matéria de golos, os seis marcados são o terceiro pior registo, igualando 2002, enquanto os seis sofridos também são a terceira pior marca, atrás dos oito de 1966, mas em seis jogos, e dos sete de 2017, em escassos três.

Individualmente, Cristiano Ronaldo marcou 66,7% dos golos lusos, ao apontar quatro, três no primeiro jogo, com a Espanha, e o da vitória com Marrocos. Depois, falhou um penálti com o Irão e ficou em branco com o Uruguai.

Ao facturar, tornou-se apenas o quarto jogador da história a marcar em quatro fases finais, repetindo os feitos do brasileiro Pelé e dos alemães Uwe Seeler e Miroslav Klose, mas, ficando-se pelos quatro, a somar aos três que trazia das edições anteriores, não conseguiu alcançar Eusébio.

Com os nove golos de 1966, que lhe valeram o título de "rei" dos goleadores, Eusébio manteve-se como melhor marcador luso em fases finais, enquanto Ronaldo, com sete, todos na fase de grupos, subiu ao segundo lugar, destronando Pauleta (quatro golos).

Quanto a golos sofridos, Rui Patrício passou a ser o guarda-redes mais batido, com 10, ao juntar seis aos quatro que havia somado na única aparição em 2014 (0-4 com a Alemanha).

Em matéria de utilização, Portugal teve seis totalistas (360 minutos), o guarda-redes Rui Patrício, os defesas Pepe, José Fonte e Raphaël Guerreiro, o médio William Carvalho e o avançado Cristiano Ronaldo, que, além de melhor marcador, foi também o único jogador a ver dois amarelos. Não jogaria nos "quartos".

Por seu lado, os guarda-redes Anthony Lopes e Beto e os defesas Bruno Alves, Ruben Dias e Mário Rui foram os únicos futebolistas que Fernando Santos não utilizou.

No conjunto das sete participações, Portugal soma agora 14 vitórias, seis empates e nove derrotas, em 29 encontros, com 49 golos marcados - o golo 50 só poderá chegar em 2022 - e 35 sofridos.