Tribunal suspende projecto de Souto de Moura na Praça das Flores

Juízes entendem que a demolição necessária ao surgimento do projecto não foi suficientemente justificada e que, naquele local, se deve privilegiar a reabilitação de prédios existentes.

Casa, Praça das Flores, Prédio
Fotogaleria
Edifício demolido na Praça das Flores DR
Casa, veículo de luxo
Fotogaleria
Edifício existente no Porto, também desenhado por Souto de Moura, semelhante ao proposto para a praça lisboeta Martin Henrik

Foi suspensa a construção de um edifício desenhado por Eduardo Souto de Moura para a Praça das Flores, em Lisboa. O Tribunal Central Administrativo do Sul deu razão a três associações de defesa do património que contestam o projecto, alegando que ele não se adequa àquele espaço público da capital, a meio caminho entre o Príncipe Real e São Bento.

Os juízes aceitaram o recurso da Associação Portuguesa de Casas Antigas, da Associação Portuguesa para a Reabilitação Urbana e Protecção do Património e do Grémio do Património, que tinham perdido a causa em primeira instância. O tribunal entendeu, genericamente, que a demolição do edifício que existia na praça não foi suficientemente justificada e que, numa zona protegida como aquela, deve dar-se prioridade à reabilitação dos prédios e não à construção nova.

Assim, ficou suspensa a eficácia do despacho do vereador do Urbanismo, Manuel Salgado, que licenciou a obra nova em Setembro de 2015. A autarquia e o promotor, uma empresa chamada Greenparrot que o PÚBLICO nunca conseguiu contactar, são ainda obrigados a pagar as custas judiciais de ambas as instâncias.

Esta é a segunda decisão judicial, no espaço de quinze dias, a suspender obras autorizadas pela câmara e a pôr em causa a forma como os processos foram analisados pelos serviços e chefias do Urbanismo. O outro caso diz respeito à construção do Museu Judaico, no Largo de S. Miguel, em Alfama, cuja aprovação o mesmo tribunal considerou que tinha violado o Plano de Urbanização do Núcleo Histórico de Alfama e da Colina do Castelo, segundo o qual as demolições necessárias tinham de ser justificadas por vistoria da câmara – o que não aconteceu.

O acórdão sobre a Praça das Flores, datado de 28 de Junho, tem algumas semelhanças. Nele, o tribunal entende como “muito provável” a violação de vários artigos do Plano Director Municipal (PDM), entre eles o que regula as demolições. Os juízes relevam o facto de o prédio deitado abaixo para dar lugar ao proposto por Souto de Moura estar na Zona Especial de Protecção do Bairro Alto e de a Praça das Flores se incluir, no seu conjunto, na Carta Municipal do Património.

O artigo 45º do PDM permite a demolição de edifícios que “não constituam elementos com interesse urbanístico, arquitectónico ou cultural, tanto individualmente, como para o conjunto em que se integram”, desde que “o projecto apresentado para a sua substituição contribua para a valorização arquitectónica, urbanística e ambiental da área”.

Sobre o segundo ponto, os juízes não se pronunciam, mas consideram que o primeiro terá sido violado, pois as zonas protegidas são “obviamente, elementos com interesse urbanístico, arquitectónico ou cultural”. “Quis, portanto, o legislador que, nestes casos, se procedesse à reabilitação ou à recuperação do que já está construído, ao invés de optar-se pela demolição e pela construção de novas realidades urbanísticas ou de linguagens que rompessem com o existente”, lê-se no acórdão.

O tribunal considera ainda que pode ter havido outras violações ao PDM “por a operação urbanística em apreço não ter sido precedida de vistoria, de parecer patrimonial e de um estudo de caracterização histórica, construtiva, arquitectónica que justificasse a adequação da intervenção proposta”.

Em suma, escrevem os três juízes, “a primeira opção a considerar pelos promotores dos projectos e a verificar pela câmara, a opção que deve ser privilegiada, é que a se direccione para a conservação, o restauro, a reabilitação, ou a reconstrução do edificado pré-existente, sem demolições e com a salvaguarda das características substanciais e a identidade e autenticidade do edificado.”

Vítor Cóias, responsável pelo Fórum do Património – no qual as três associações se integram – diz que “este caso é um bom exemplo do que as associações podem conseguir se planearem criteriosamente as suas iniciativas e as executarem de forma coordenada”. O antigo responsável do Grémio do Património (Gecorpa) sublinha que “o mais importante não é bloquear as operações urbanísticas mas sim contribuir para que elas permitam atribuir novos usos ao património cultural construído sem prejudicar o seu valor enquanto tal”.