Vitória de López Obrador no México é uma mudança de regime

O triunfo do Morena não é uma simples alternância, constitui a maior ruptura política mexicana moderna. Anuncia-se uma nova maioria, um “avassalador bloco político” com uma nova legitimidade.

Andrés Manuel López Obrador, eleição geral mexicana, 2018, Estados Unidos, Cidade do México, Presidente do México, eleição presidencial mexicana, 2018, Presidente
Foto
Andrés Manuel López Obrador reivindica os valores da revolução nacional mexicana Goran Tomasevic/REUTERS

A expressiva vitória de Andrés Manuel López Obrador (AMLO) nas presidenciais do México, com 53,6% dos votos, não só marca uma viragem à esquerda como provoca uma ruptura de fundo na política e no sistema partidário mexicanos. Não é exagerado falar em mudança de regime. O partido que criou para vencer as eleições, o Movimento Regeneração Nacional (Morena), surge como a nova força hegemónica no México. É também a primeira força parlamentar, embora sem maioria absoluta, e consegue a implantação territorial.

Após 70 anos de hegemonia do Partido Revolucionário Institucional (PRI), a vitória do conservador Vicente Fox nas presidenciais de 2000 levou a uma bipolarização entre o Partido da Acção Nacional (PAN, direita) e o Partido da Revolução Democrática (PRD, esquerda). Este sistema entrou em colapso nestas eleições. Ricardo Anaya, candidato do PAN e aliado ao PRD obteve 22,5% dos votos, enquanto José Antonio Meade, candidato do PRI, ficou pelos 15,5%.

Os resultados para as duas câmaras do Parlamento e as votações nos estados onde se elegiam governadores seguiu essa tendência. Exemplo relevante é o facto de Morena ter conquistado ao PRD a Cidade do México.

A legitimidade histórica

É a terceira alternância em 18 anos. Após 12 anos de domínio da PAN, o PRI reconquistou a presidência e o Parlamento em 2012. Mas, desta vez, o que acontece é muito mais do que uma alternância. É um terramoto que, para os analistas, constitui a maior ruptura na história moderna do México. O PAN está dilacerado por divisões provocadas pela aliança que Anaya fez com a esquerda e o PRD está em vias de ser esvaziado em benefício do Morena.

O histórico PRI é também ameaçado pelo triunfo de AMLO e do Morena. A sua sobrevivência depende da força dos caudilhos “priistas” nos governos estaduais, mas eles estão em patente declínio. Terá de se reinventar. Sinal da sua dramática crise é o facto de o Presidente Enrique Peña Nieto ter escolhido como candidato o independente Meade, um ministro tecnocrata. A ideia era não o identificar com o fracasso da actual presidência, completamente desacreditada. Mas provocou um efeito de boomerang: os eleitores não reconheceram nele a cultura do velho PRI.

PÚBLICO -
Foto
Festejos da vitória de Obrador e do Morena na Cidade do México Carlos Jasso/REUTERS

É importante notar que os valores históricos que AMLO reivindica são em grande medida os do nacionalismo revolucionário que o PRI encarnou durante décadas. Reside aqui a ambiguidade e o paradoxo do esquerdismo de López Obrador. Nada tem a ver com Hugo Chávez mas com as raízes da revolução nacional mexicana. Por isso, o Morena pode ser uma força capaz de atrair grande parte de um PRI em decadência e em perda de identidade.

Por outro lado, o binário PRI-PAN perdeu a legitimidade perante o discurso social e anti-corrupção de López Obrador. “A legitimidade foi perdida porque o sistema deixou de ser funcional: apesar da melhoria económica, criou fortes desigualdades sociais e foi incapaz de lidar com a violência e a insegurança”, sublinha o analista Luis Rubio.

A cultura política criada pelo PRI pode favorecer os desígnios de Andrés Manuel López Obrador. O seu projecto não é criar “uma nova maioria mas um avassalador bloco político” destinado a dominar a política mexicana por muitos anos, explica o analista Jesús Silva Herzog-Márquez. “O Morena não se concebe como um partido, tem a expectativa de encarnar todo o mundo político (...). Pretende apresentar-se como a síntese política do México, como voz da legitimidade histórica.”

Prevê Herzog-Márquez: “Depois do voto, seguir-se-ão naturalmente as migrações para o campo dos ganhadores.” Morena não quis apenas alargar o seu eleitorado e conquistar a presidência “mas refazer o mapa e dinâmica da política. Prepara-se uma mudança sem precedentes.”