Regulador aprova investimento de 474 milhões na rede eléctrica

Proposta de Plano de Desenvolvimento e Investimento na Rede de Transporte de Electricidade (PDIRT-E 2017) “revista resultará num risco reduzido dos consumidores virem a suportar custos acrescidos”

Pegada ecológica
Foto
MMM MIGUEL MADEIRA

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) deu 'luz verde' a projectos de transporte de electricidade num montante máximo de 474 milhões de euros até 2022, entre os quais o reforço da rede para alimentar a rede ferroviária Évora-Elvas/Caia.

"O conjunto de projectos de investimento identificados neste parecer pela ERSE, estando em condições de obter uma Decisão Final de Investimento positiva, corresponde a um máximo de 474 milhões de euros de investimentos, a serem concretizados ao longo do quinquénio 2018-2022, e representam 65% do valor de activos transferidos para exploração na rede nacional de transporte [RNT] durante o quinquénio de 2013 a 2017", lê-se no documento hoje divulgado.

No parecer, o regulador refere que, "após concretizadas todas as recomendações referidas [...], a aprovação da proposta de Plano de Desenvolvimento e Investimento na Rede de Transporte de Electricidade (PDIRT-E 2017) revista resultará num risco reduzido dos consumidores virem a suportar custos acrescidos", o que significa que não representa custos acrescidos na factura da electricidade.

Entre os projectos de investimento com 'luz verde' para avançar nos próximos cinco anos está a passagem a 400 quilovolt (kV) do eixo Falagueira-Estremoz-Divor-Pegões, identificado pela REN como essencial para dar resposta às especificidades técnicas de alimentação à rede de ferrovia entre Évora-Elvas/Caia, além de servir para alimentar outros polos de consumo.

Outro projecto aprovado é a ligação Fundão - Falagueira, para reforçar a capacidade de recepção de nova produção renovável, "se for devidamente comprovada a impossibilidade de ligação à rede nacional de transporte de novos produtores renováveis, mesmo após uma alteração das actuais regras de planeamento e operação de rede".

A norte, a ERSE valida o investimento no projecto da nova interligação a 400kV Minho-Galiza, bem como o eixo Vieira do Minho-Ribeira de Pena-Feira, também com o objectivo de criar capacidade de recepção de nova produção renovável na região do Alto Tâmega.

No PDIRT-E 2017, a empresa liderada por Rodrigo Costa propõe uma redução de 30% no investimento até 2022, passando de mais de 600 milhões de euros, na proposta de PDIRT-E 2015 - que nunca chegou a ser aprovado pelo Governo, após parecer desfavorável da ERSE.