António Costa considera que cimeira do euro deu "grande passo em frente"

O primeiro-ministro desvalorizou a falta de avanços sobre o orçamento para a zona euro.

António Costa, Boyko Borisov, Sebastian Kurz, Conselho Europeu, Europa
Foto
LUSA/OLIVIER HOSLET

O primeiro-ministro, António Costa, considerou que a "cimeira do euro", realizada esta sexta-feira em Bruxelas, representou "um grande passo em frente", desvalorizando o facto de não ter havido mais avanços a nível de um orçamento para a zona euro.

"É um caminho que se faz caminhando. Há dois anos, quando se falava em capacidade orçamental da zona euro, metade do Conselho tinha quase uma apoplexia", comentou, à saída da cimeira da zona euro, que, segundo o primeiro-ministro, e ao contrário do sucedido com o Conselho Europeu a 28 dominado pelas divisões em torno da matéria das migrações, "correu de forma francamente positiva".

A questão da capacidade orçamental própria da zona euro, referiu, "hoje já consta claramente da proposta franco-alemã, está expressamente referida na carta do presidente do Eurogrupo (Mário Centeno) como sendo uma das matérias a tratar, e hoje o Conselho deu um mandato claro ao Eurogrupo para tratar todas as questões referidas na carta, incluindo naturalmente a capacidade orçamental".

António Costa referia-se à carta dirigida na passada segunda-feira por Mário Centeno ao presidente do Conselho, Donald Tusk, para dar conta dos progressos das discussões sobre o aprofundamento da União Económica e Monetária desde a anterior cimeira do euro, em Março passado, e na qual aponta que "persistem diferentes pontos de vista sobre a necessidade e eventuais características de um orçamento da zona euro para a competitividade, convergência e estabilização na UEM".

Na carta, Centeno indicava que, "sujeito a orientações dos líderes (chefes de Estado e de Governo), o Eurogrupo está pronto a discutir as recentes propostas sobre um possível orçamento da zona euro".

Costa observou hoje que assistiu na cimeira a 19 a "um bom acolhimento daquilo que foi o trabalho desenvolvido pelo ministro Mário Centeno na presidência do Eurogrupo", com "um calendário que vai sendo estabilizado para a conclusão da União Bancária, para o debate sobre a garantia comum de depósitos" e também para a construção de "uma capacidade orçamental da zona euro", que, insistiu, "é uma prioridade essencial", para Portugal, para o conjunto da Europa e para o funcionamento da zona euro.

Além do mais, acrescentou, registaram-se ainda avanços na "questão da união bancária e do fundo de estabilização monetária".

"Damos por isso um grande passo em frente, com um mandato alargado agora ao Eurogrupo e com o compromisso de todos de termos um calendário o mais acelerado possível para a conclusão da reforma da zona euro", concluiu António Costa.