Fotogaleria
Nota de Rukkit Nelson Garrido
Fotogaleria
Nota de Muda Nelson Garrido
Fotogaleria
Nota de AKACorleone Nelson Garrido
Fotogaleria
Nota de Aheneah Nelson Garrido

Eles pegaram em notas de um dólar e adicionaram-lhes arte (e valor)

100 Dollar Bills Y’All é a exposição que reúne cem trabalhos criados por artistas de todo o mundo a partir de uma nota de dólar americano. Inaugura este sábado, 30 de Junho, na Circus Network, no Porto, com nomes como AKACorleone, Clara Não e Mariana a Miserável.

Twin Bugattis outside the Art Basel  / I just wanna live life colossal / Leonardo Da Vinci flows / Riccardo Tisci Givenchy clothes”, proclama Jay-Z na música Picasso Baby (2013). Em quatro versos, há duas referências a marcas de automóveis de luxo e a roupas de alta costura, tendência que continua ao longo da música e que é representativa da glorificação da riqueza presente no vasto repertório musical do hip-hop. O questionamento da chamada cultura do “bling bling” levou a Circus Network a convidar cem artistas ligados à ilustração e arte urbana para usar a nota de um dólar como tela. A exposição 100 Dollar Bills Y’All abre este sábado, 30 de Junho, e está patente até 30 de Setembro.

“Esta ideia é muito propagada na música e dentro do próprio movimento, mas não corresponde à realidade geral”, atira Ana Muska, designer e co-responsável da galeria com André Carvalho. “Se calhar há alguns artistas que fazem bastante dinheiro, mas a verdade é que, tanto na música, como no graffiti, e principalmente em Portugal, a maioria ainda luta muito para pagar as contas e conseguir viver da sua arte.” O contraste entre a ostentação apregoada e as dificuldades dos artistas emergentes foi a única linha de orientação partilhada com os cem criativos que desenvolveram obras para a mostra.

PÚBLICO -
Foto
André Carvalho e Ana Muska são os criadores da Circus Network Nelson Garrido

Houve total liberdade criativa, conceptual e técnica na elaboração das peças por parte de designers, ilustradores, artistas urbanos e, até, tatuadores. “Dissemos que podiam fazer o que quisessem dentro daquele espaço”, refere Ana, sublinhando que, “mesmo assim, houve quem saísse do espaço da nota, porque foi mostrada essa flexibilidade”. Ao longo de três meses, a galeria recebeu obras de artistas reconhecidos e emergentes de países como Portugal, Alemanha, Hungria, Roménia, Letónia e Reino Unido.

Liberdade para criticar (ou não)

 Os resultados foram completamente diferentes e, em alguns casos, até inesperados. “Uns pegaram no conceito para trabalhar, outros fugiram completamente e tentaram reproduzir o seu trabalho na nota e houve, até, quem a recortasse e reconstruísse”, conta Ana. “[A nota] é uma expressão de cada um, mas também há alguma crítica clara.”

A crítica assume várias ramificações. Há quem aponte o dedo ao dinheiro enquanto unidade de medida do sucesso e da felicidade. É o caso do trabalho de Mariana, a Miserável, que mostra um conjunto de figuras coloridas a desfrutar de um dia de sol na piscina e rodeadas de champanhe e dinheiro, todas a chorar desalmadamente. “Ilustrei o que se costuma dizer ‘O dinheiro não traz felicidade’ e tive também a preocupação, ao utilizá-la [à nota] como suporte, em deixar a descoberto zonas específicas, por exemplo os raios de sol em torno da frase 'in God we trust”, explica por e-mail ao P3.

O britânico Richt inspirou-se na cultura das armas, na violência nas escolas e no dinheiro para criar uma obra que aborda sem pudor aquele que é, de acordo com o artista, “o legado histórico dos Estados Unidos”. Na sua nota, pode ver-se o desenho de uma arma em estilo de desenho animado com a legenda “Hi kids!” (Olá, miúdos!). “O hip-hop é muitas vezes acusado de falar de tudo isso e de ser má influência, mas a verdade é que as armas e a violência existiam antes dele”, ressalva. “O hip-hop é uma expressão artística que espelha a realidade que as pessoas vivem.”

PÚBLICO -
Foto
Montagem da exposição Nelson Garrido

Multiplicar o valor da nota

O trabalho de Clara Não recorre aos jogos de palavras que já lhe são conhecidos, desta feita no substantivo nota e no verbo notar. “A minha inspiração primária foi a noção de se notar, de se reparar num artista, brincando igualmente com a palavra nota, como se nota”, escreve a artista, num e-mail enviado ao P3. “A partir daí, notei que nos dias que correm não se nota tanto um tag, mas a fotografia desse tag no Instagram; não se nota tanto se uma ilustração está a vender bem numa galeria, mas antes quantos likes tem”. As redes sociais enquanto fonte de exposição e falsa medida de sucesso são o alvo principal de Clara numa obra subtil que coloca a palavra “Missing” ("Procura-se") em destaque.

PÚBLICO - Mariana, A Miserável
Mariana, A Miserável
PÚBLICO - Richt
Richt
PÚBLICO - Clara Não
Clara Não
PÚBLICO - Bilos
Bilos
PÚBLICO - Kaja Merle
Kaja Merle
PÚBLICO - Júlio Dolbeth
Júlio Dolbeth
PÚBLICO - Lara Luís
Lara Luís
PÚBLICO - MynameisnotSEM
MynameisnotSEM
PÚBLICO - Pedro Zamith
Pedro Zamith
PÚBLICO - Rafaela Rodrigues
Rafaela Rodrigues
PÚBLICO - Tamara Alves
Tamara Alves
PÚBLICO - Vidam
Vidam
PÚBLICO - Wasted Rita
Wasted Rita
Fotogaleria

A disparidade de técnicas e materiais utilizados verifica-se, por exemplo, na intervenção da designer Aheneah, cujo trabalho passa muito pela brincadeira com materiais têxteis. Neste caso, a nota está quase totalmente preenchida de linhas coloridas que são tecidas no próprio papel. “Ao tecer dinheiro, estou também a tecer a sua importância, entrelaçando ora recursos, ora produção artística”, clarifica, acrescentando que esta “é uma oportunidade para pensar na importância do dinheiro na produção artística e da produção artística na valorização daquilo que é produzido”.

Há, ainda, quem use o dólar como suporte para deixar a sua marca gráfica. O alemão Vidam pintou a nota com um elemento geométrico que pauta a sua obra neste momento — a fita de Möbius. “O curso infinito da fita representa a circulação de dinheiro e a infinita dependência das pessoas em relação a ele”, descreve. Já o português AKACorleone partiu da “carga simbólica forte da nota, das referências visuais dos filmes ou das músicas [norte-americanos]” e quis "mantê-la o mais intacta possível”, conjugando os elementos gráficos originais e a sua própria linguagem gráfica.

Quer estejam habituados a pintar em grandes murais ou a desenhar em espaçosas folhas de papel, todos os artistas deixaram um bocadinho de si num pedaço de papel. E quer haja comentário político, social ou cultural ou a simples desconstrução visual da nota, o mais importante é, segundo Ana Muska, “perceber como se pode transformar uma nota de um dólar numa obra de arte que vale muito mais”.