Óscar Tabárez: “Seria fantástico vencer o campeão europeu”

Luis Suárez admite que o VAR veio alterar muitos aspectos do jogo.

Foto
LUSA/PAULO NOVAIS

O Uruguai vai ter o seu primeiro grande teste deste Mundial contra o actual campeão europeu, mas Óscar Tabárez não quer a sua equipa demasiado pressionada. O veterano seleccionador, de 71 anos, prevê uma grande partida frente a Portugal, um adversário de “alta qualidade” que não é só Cristiano Ronaldo.

“Nove dos jogadores que vão estar em campo amanhã são campeões europeus e isso diz muito sobre a equipa. Estamos a preparar-nos há bastante tempo para este tipo de desafios”, salientou o técnico, admitindo que Ronaldo é um jogador especial: “O factor adicional em relação a Ronaldo é ele ser líder desta equipa e não há nenhum jogador para o parar. Será uma grande partida e vamos ver como se vai desenvolver. Não vamos perder o sono pensando nisso [Ronaldo], não dando mais importância do que tem. Não vamos ficar obcecados.”

Para Tabárez ambos os conjuntos “têm lados positivos muito fortes” e a concentração será um factor determinante. “Vamos entrar em campo com a melhor atitude possível e tranquilos”, garantiu, considerando fundamental “manter as emoções controladas”.

Ao lado do treinador estava Luis Suárez, que distinguiu a rivalidade que tem com Ronaldo em Espanha, enquanto jogador do Barcelona, em relação a esta partida de selecções: “São coisas diferentes.” O avançado salientou que a mentalidade do Uruguai é ganhar, admitindo que está hoje em melhores condições físicas em relação ao arranque da prova.

“Sinto-me muito melhor do que na primeira partida, em que foi muito difícil vencer.” Já em relação à motivação, ela está nos níveis máximos: “Não é necessária motivação adicional para vencer o actual campeão da Europa.” E Tabárez concorda: “Seria fantástico vencer Portugal e isso é motivador.”

Acusado muitas vezes de “cavar” penáltis e de abusar na agressividade em determinados lances, Suárez reconheceu que o VAR (videoárbitro) veio alterar muitos aspectos do jogo: “Agora temos algumas sanções que no passado passavam despercebidas.”