Chegou o Anda, a aplicação que põe o passe no telemóvel

A partir desta sexta-feira é possível andar nos transportes do Grande Porto sem bilhete, graças a uma aplicação que nos permite pagar a conta no fim do mês.

A aplicação tem sido testada nos últimos meses e está agora disponível
Foto
A aplicação tem sido testada nos últimos meses e está agora disponível Joana Gonçalves

A partir desta sexta-feira quem anda nos transportes públicos da Área Metropolitana do Porto já pode descarregar o Anda e transformar o telemóvel – se for Android, para já – numa espécie de gestor da sua conta de mobilidade. O serviço, disponibilizado numa aplicação que torna inúteis os cartões de viagem e até nos promete, nalguns casos, alguma poupança no fim do mês, funciona em toda a rede Andante e promete mudar a forma como nos relacionamos com o sistema de transportes.

A chegada do Anda, cujo desenvolvimento custou dois milhões de euros e foi garantido por verbas da empresa Transportes Intermodais do Porto (TIP) e do Fundo Ambiental, vai ser assinalada esta tarde, numa cerimónia com a presença do Ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes. Nos últimos dias, a TIP, que gere o sistema de bilhética Andante, tem andado numa roda-viva para ver se a tecnologia instalada nas estações de metro e da CP, autocarros da STCP e de privados, eléctricos e até no funicular está a funcionar correctamente para que nada falhe. Nesses espaços foram instalados dispositivos capazes de comunicar com telemóveis com a aplicação activada, detectando o ponto de entrada e saída do respectivo dono.

A aplicação desenvolvida em Portugal está já disponível na loja Google Play, e pronta para ser instalada em telemóveis com a versão 5.0 ou superior do sistema operativo, e tecnologia Bluetooth e NFC (Near Field Comunnications). A TIP espera que a Apple abra também a tecnologia NFC existente nos modelos Iphone 6 e superiores a programadores externos, o que chegou a ser anunciado para o início de Junho, para poder, em poucos meses, desenvolver a versão da aplicação para este segmento de utilizadores.

Quem não dependa de um telemóvel da empresa fundada por Steve Jobs pode dar um passo e frente e abdicar do cartão de assinatura e dos cartões flexíveis para viagens ocasionais, pagando a conta dos transportes no final do mês. Quem tem passes subsidiados (estudantes e idosos e pessoas com baixos rendimentos), terá de passar por uma loja para transferir o seu perfil de cliente para a aplicação. Aos restantes utilizadores basta um mero registo e associação de um cartão de crédito ou débito para poder começar a usar o Anda. 

A app guarda todos os trajectos e, a cada momento, dá-nos conta de quanto estamos a gastar. E, graças a um complexo algoritimo, vai, prometem-nos, procurar o tarifário que mais favorece o viajante a cada mês. Para quem, por exemplo, tem uma assinatura mensal e, nos meses de férias, faz contas sobre as vantagens de a recarregar, isso deixa de ser uma preocupação, pois a aplicação só optará pelo “passe” se for ultrapassado o número de viagens em que este se torna mais vantajoso que a cobrança de um conjunto de deslocações somadas individualmente.

O Anda torna irrelevante o conhecimento que tenhamos da rede e dos seus tarifários, considerados, por muitos, demasiado complexos, principalmente para um viajante menos familiarizado com o sistema, e que a Área Metropolitana do Porto, enquanto Autoridade de Transportes, pretende simplificar. Diminuirá as filas de espera em paragens de autocarro ou máquinas das estações de metro, pois ao utilizador bastará entrar no veículo e aproximar o telemóvel dos validadores, com a aplicação activada.

Com o Bluetooth ligado, no fim da viagem a saída será contabilizada, o que até afinará a informação sobre os trajectos e a divisão de receitas entre os vários operadores que aceitam o Andante. Neste momento, a TIP sabe onde os clientes entram mas não tem dados sobre o ponto (ou zona) de saída. Esta situação vai, contudo, manter-se para o grosso dos clientes que se manterá a usar cartões de papel e de plástico pois a empresa que gere este sistema (e que é participada pelo Metro, pela STCP e pela CP) estima que ao fim de um ano, cerca de 10% das validações sejam feitas com a nova tecnologia.

O administrador da TIP, João Marrana, espera que em três anos o Anda seja responsável por 30% das validações. Se isso acontecer, a app ajudará também a empresa a refrear o ritmo de aquisição e disponibilização, aos clientes, de cartões azuis (para viagens ocasionais), cuja procura aumentou, este ano, mais de 20%, e deve cifrar-se nos 2,5 milhões de unidades entregues. Desde que existe o sistema intermodal (criado com a entrada em funcionamento do metro, em Janeiro de 2003,), venderam-se 15 milhões de cartões de papel, com chip incorporado.

Vender cartões é uma receita para a TIP que, para compensar, cobrará dez cêntimos em cada factura emitida, no fim do mês, aos utilizadores do Anda. Este será o único custo associado a esta tecnologia que, assume Marrana, pode vir a gerar uma quebra de 6% nas receitas dos operadores por via da optimização da conta mensal de mobilidade a favor dos clientes. No entanto, o administrador da TIP acredita também que, pelo efeito de simplicação do acesso à rede de transportes, o Anda pode atrair mais utilizadores que compensem essa perda. Lá para a frente se verá o que, de facto, acontece. Para já, é pegar no telemóvel e andar.